Belgas que colaboraram com regime nazi recebem bónus mensal da Alemanha desde 1951

Deputados da Bélgica votaram esta quarta-feira uma resolução para colocar fim ao regime de pensão do governo alemão a antigos cidadãos belgas que colaboraram com o regime nazi.

Segundo a imprensa local, milhares de pessoas teriam beneficiado no país da medida em vigor desde os anos 1950.

O texto votado nesta quarta-feira pelos deputados belgas denuncia a manutenção da medida ao longo das últimas décadas. Segundo o documento, o benefício “é uma injustiça às vítimas do nazi, que não recebem nenhum tipo de ajuda, enquanto os colaboradores do regime nazi recebem um montante sobre o qual não pagam impostos”.

As controversas pensões são repassadas mensalmente a moradores da região de Flandres e da Valónia, que se aliaram ao exército nazi entre 1939 e 1945. Eles recebem o montante graças a uma lei alemã, adotada em 1951, que permite às vítimas da II Guerra Mundial obter o bónus.

Na Bélgica, apenas as pessoas em situação de invalidez e que não foram condenadas por crimes de guerra poderiam, inicialmente, beneficiar da medida.

No entanto, segundo Christophe Brüll, especialista das relações belgo-alemãs da Universidade de Luxemburgo, os critérios sobre os beneficiários do sistema são imprecisos, o que permitiu que dezenas de ex-nazi recebessem o valor.

“Os motivos para invalidez são difusos. Quanto à questão da condenação, nos anos 50, não sabíamos quem havia feito o quê. Havia pouca verificação dos factos. Há uma zona obscura sobre essa questão”, avalia o especialista.

O governo belga alega desconhecer a quantidade de pessoas que receberam a pensão até hoje e não tem informações sobre a identidade desses cidadãos, que seriam milhares, de acordo com a imprensa do país. Segundo Bruxelas, a Alemanha jamais teria revelado a lista das pessoas.

Durante uma audiência na Câmara de Representantes da Bélgica, em 2017, o embaixador da Alemanha no país, Rüdiger Lüdeking, afirmou que 27 belgas receberiam o benefício mensal. Segundo ele, o bónus seria da ordem de 385 euros por mês.

Além da Bélgica, a Alemanha também tem dificuldades em lidar com a questão. Desde 2008, uma lei alemã permite o cancelamento deste tipo de benefício, mas o recurso é pouco utilizado. Apenas 99 pessoas entre as cerca de 50 mil beneficiárias deste sistema suspenderam o bónus no país.

// RFI

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Uns pagam sem saber muito bem porquê, outros têm cidadãos que recebem e não pagam impostos, mas não sabem muito bem quem, quanto e também porquê. Enfim, é esta gente que supostamente se arvora em líderes da Europa e acham que tem o direito de dizer aos outros onde e quanto devem cortar nos seus orçamentos e estão sempre a recomendar a necessidade e urgência de efetuar mais e mais “reformas estruturais”. É o velho ditado “ Faz o que eu digo, não faças o que eu faço”.

  2. Que o estado alemão (ocidental) pagava a antigos colaboradores do Reich pensões até hoje não era novidade. Inclusive aos antigos membros da Divisão Azul (franquistas que foram combater com os alemães na União Soviética).
    Não é de estranhar…afinal os membros do exército nazi mantiveram os postos e as pensões. Já os do exército da Alemanha oriental foi-lhes ritirado tudo depois da unificação, reformas, pensões, direito aos postos de hierarquia, tudo… Só por aí já se vê com o que estamos e estivémos a lidar todos estes anos.

  3. “As controversas pensões são repassadas mensalmente a moradores da região de Flandres e da Valónia, que se aliaram ao exército nazi entre 1939 e 1945.”

    Mas ainda existe alguma desta gente viva? 74 anos passados será difícil mas…

  4. Pois é, os alemães tem a mania da honestidade e de não faltar à palavra dada… Já em Portugal. Será que o nosso Estado alguma vez ajudou os militares africanos que lutaram pelo nosso lado nas colónias?

    • Hahahaaaaa…
      Apoiar quem colaborou com criminosos é honestidade, mas depois esqueceram-se de apoiar as vítimas!…
      E, sim muitos militares africanos até vieram para Portugal!

  5. O meu avô recebeu essa pensão por parte do estado alemão até 2012, ano em que faleceu. Eram 350 euros na altura. Não o recrimino por nada do que tenha feito. Eram tempos complicados, muita pobreza, muitos ideais, muitas revoluções, revoltas, muitos sonhos e confusões e muita ignorância da população em geral. O homem era jovem, pujante e com ideias próprias. Voluntariou-se ao lado dos falangistas na guerra civil espanhola e depois disso , para a divisão azul . Foi combater na frente oriental e teve a sorte de sobreviver e retirar- se para o ocidente, onde foi capturado por americanos no norte de Itália em finais de 1944. Ficou em cativeiro como prisioneiro de guerra até 1948, ano em que se atestou de onde era natural. . .o estado português nunca o foi retirar e nunca admitiu ter nessa guerra um único soldado.
    Atracou em Lisboa , voltou á terrinha ( Oliveira do bairro ) , tratou de papelada e emigrou para o Brasil. Nunca mais regressaria á pátria até morrer…..
    E foi assim parte da história do meu avô Carlos Ferreira Simões..

RESPONDER

Itália 3-0 Suíça | Squadra Azzurra volta a ganhar e a encantar

A Itália tornou-se hoje a primeira seleção a garantir o apuramento para os oitavos de final do Euro2020 de futebol, ao vencer a Suíça por 3-0, em encontro da segunda jornada do Grupo A, disputado …

Sony apresenta o seu primeiro drone, o Airpeak S1

Há algum tempo que a Sony planeava lançar um drone, agora, é oficial. A empresa de tecnologia apresentou um drone chamado Airpeak S1 que será, muito provavelmente, o primeiro de muitos. A Sony anunciou oficialmente o …

Candidaturas a astronauta da Agência Espacial Europeia encerram na sexta-feira

Os candidatos têm de ter, pelo menos, um mestrado e experiência profissional, serem fluentes em inglês e ter mais de 1,30 metros.  O prazo para apresentação de candidaturas a vagas para novos astronautas da Agência Espacial …

Dois meses no escuro. Valentina Miozzo passou a quarentena sozinha no Ártico

A pandemia de covid-19 foi um duro golpe de solidão forçada para a maioria das pessoas, mas para a italiana Valentina Miozzo foi a oportunidade perfeita para usufruir de alguns momentos a sós. A meio da …

Pedras misteriosas provocam "corrida aos diamantes" na África do Sul

Uma verdadeira "febre de diamantes" assolou a vila de KwaHlathi, na província de KwaZulu-Natal, litoral da África do Sul. Centenas de pessoas, com utensílios caseiros a servir de engenhos de mineração, ocuparam um terreno à …

Designer cria um "terceiro olho" para quem vive agarrado ao telemóvel

Um designer industrial sul-coreano criou, recentemente, um “terceiro olho” para ajudar aqueles que, mesmo em andamento, não conseguem tirar os olhos do telemóvel. O designer industrial Minwook Paeng criou recentemente o The Third Eye ('terceiro olho' …

Depois de Ronaldo e da Coca Cola, Pogba imitou-o com a Heineken (e a UEFA podia castigar Portugal e França)

Após Cristiano Ronaldo ter removido duas garrafas de Coca Cola da mesa onde se sentou para uma conferência de imprensa no Euro 2020, foi a vez do francês Paul Pogba ter feito o mesmo com …

Adeptos portugueses proibidos de entrar na "fan zone" de Budapeste

Momento confuso numa zona da capital da Hungria, na véspera do jogo com Portugal, na estreia no Europeu 2020. A Hungria não escapou ao coronavírus mas, entre os países que recebem jogos do Europeu 2020, é …

Mulher recebe quatro certificados de imunidade - e nenhum é válido

O governo da Hungria está a emitir cartões que garantem que determinada pessoa, na teoria, é imune ao coronavírus. Mas nem tudo corre bem. A vida nas ruas da Hungria é diferente do que se vive …

Novo vídeo mostra morcegos vivos em laboratório de Wuhan (e adensa o mistério sobre a origem da pandemia)

Para já, é possível afirmar que o consenso científico aponta para a origem zoonótica do novo coronavírus, que confirma a versão chinesa de que o patógeno passou de morcegos para um animal e desse para …