Belgas que colaboraram com regime nazi recebem bónus mensal da Alemanha desde 1951

Deputados da Bélgica votaram esta quarta-feira uma resolução para colocar fim ao regime de pensão do governo alemão a antigos cidadãos belgas que colaboraram com o regime nazi.

Segundo a imprensa local, milhares de pessoas teriam beneficiado no país da medida em vigor desde os anos 1950.

O texto votado nesta quarta-feira pelos deputados belgas denuncia a manutenção da medida ao longo das últimas décadas. Segundo o documento, o benefício “é uma injustiça às vítimas do nazi, que não recebem nenhum tipo de ajuda, enquanto os colaboradores do regime nazi recebem um montante sobre o qual não pagam impostos”.

As controversas pensões são repassadas mensalmente a moradores da região de Flandres e da Valónia, que se aliaram ao exército nazi entre 1939 e 1945. Eles recebem o montante graças a uma lei alemã, adotada em 1951, que permite às vítimas da II Guerra Mundial obter o bónus.

Na Bélgica, apenas as pessoas em situação de invalidez e que não foram condenadas por crimes de guerra poderiam, inicialmente, beneficiar da medida.

No entanto, segundo Christophe Brüll, especialista das relações belgo-alemãs da Universidade de Luxemburgo, os critérios sobre os beneficiários do sistema são imprecisos, o que permitiu que dezenas de ex-nazi recebessem o valor.

“Os motivos para invalidez são difusos. Quanto à questão da condenação, nos anos 50, não sabíamos quem havia feito o quê. Havia pouca verificação dos factos. Há uma zona obscura sobre essa questão”, avalia o especialista.

O governo belga alega desconhecer a quantidade de pessoas que receberam a pensão até hoje e não tem informações sobre a identidade desses cidadãos, que seriam milhares, de acordo com a imprensa do país. Segundo Bruxelas, a Alemanha jamais teria revelado a lista das pessoas.

Durante uma audiência na Câmara de Representantes da Bélgica, em 2017, o embaixador da Alemanha no país, Rüdiger Lüdeking, afirmou que 27 belgas receberiam o benefício mensal. Segundo ele, o bónus seria da ordem de 385 euros por mês.

Além da Bélgica, a Alemanha também tem dificuldades em lidar com a questão. Desde 2008, uma lei alemã permite o cancelamento deste tipo de benefício, mas o recurso é pouco utilizado. Apenas 99 pessoas entre as cerca de 50 mil beneficiárias deste sistema suspenderam o bónus no país.

// RFI

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Uns pagam sem saber muito bem porquê, outros têm cidadãos que recebem e não pagam impostos, mas não sabem muito bem quem, quanto e também porquê. Enfim, é esta gente que supostamente se arvora em líderes da Europa e acham que tem o direito de dizer aos outros onde e quanto devem cortar nos seus orçamentos e estão sempre a recomendar a necessidade e urgência de efetuar mais e mais “reformas estruturais”. É o velho ditado “ Faz o que eu digo, não faças o que eu faço”.

  2. Que o estado alemão (ocidental) pagava a antigos colaboradores do Reich pensões até hoje não era novidade. Inclusive aos antigos membros da Divisão Azul (franquistas que foram combater com os alemães na União Soviética).
    Não é de estranhar…afinal os membros do exército nazi mantiveram os postos e as pensões. Já os do exército da Alemanha oriental foi-lhes ritirado tudo depois da unificação, reformas, pensões, direito aos postos de hierarquia, tudo… Só por aí já se vê com o que estamos e estivémos a lidar todos estes anos.

  3. “As controversas pensões são repassadas mensalmente a moradores da região de Flandres e da Valónia, que se aliaram ao exército nazi entre 1939 e 1945.”

    Mas ainda existe alguma desta gente viva? 74 anos passados será difícil mas…

  4. Pois é, os alemães tem a mania da honestidade e de não faltar à palavra dada… Já em Portugal. Será que o nosso Estado alguma vez ajudou os militares africanos que lutaram pelo nosso lado nas colónias?

    • Hahahaaaaa…
      Apoiar quem colaborou com criminosos é honestidade, mas depois esqueceram-se de apoiar as vítimas!…
      E, sim muitos militares africanos até vieram para Portugal!

  5. O meu avô recebeu essa pensão por parte do estado alemão até 2012, ano em que faleceu. Eram 350 euros na altura. Não o recrimino por nada do que tenha feito. Eram tempos complicados, muita pobreza, muitos ideais, muitas revoluções, revoltas, muitos sonhos e confusões e muita ignorância da população em geral. O homem era jovem, pujante e com ideias próprias. Voluntariou-se ao lado dos falangistas na guerra civil espanhola e depois disso , para a divisão azul . Foi combater na frente oriental e teve a sorte de sobreviver e retirar- se para o ocidente, onde foi capturado por americanos no norte de Itália em finais de 1944. Ficou em cativeiro como prisioneiro de guerra até 1948, ano em que se atestou de onde era natural. . .o estado português nunca o foi retirar e nunca admitiu ter nessa guerra um único soldado.
    Atracou em Lisboa , voltou á terrinha ( Oliveira do bairro ) , tratou de papelada e emigrou para o Brasil. Nunca mais regressaria á pátria até morrer…..
    E foi assim parte da história do meu avô Carlos Ferreira Simões..

RESPONDER

Homicídio com 32 anos resolvido com a menor amostra de ADN de sempre

Um caso de homicídio ocorrido há 32 anos, que muitos consideraram impossível de ser resolvido, foi finalmente desvendado (e tudo graças à amostra de ADN mais pequena de sempre usada para decifrar um caso). De acordo …

Braços robóticos controlados remotamente podem vir a realizar cirurgias delicadas

Um equipa de investigadores está a trabalhar para eliminar movimentos rígidos nos braços robóticos, de modo a torná-los mais ágeis. O objetivo é que no futuro estes possam empilhar pratos ou até realizar cirurgias delicadas. Os …

Alemão foi forçado a remover estátua do pai por esta se parecer com Hitler

Um alemão foi obrigado a retirar uma figura de madeira de um cemitério, que seria para homenagear o seu falecido pai, por ter semelhanças com o antigo ditador nazi. As autoridades do município de Weil im …

Podcast evita morte de um condenado (seis vezes)

Curtis Flowers foi julgado seis vezes pelo mesmo promotor de justiça. Um programa de investigação mudou o seu destino. O promotor continua a acreditar que Curtis é culpado. A própria equipa responsável pelo 60 Minutes, programa …

EUA venderam álbum único dos Wu-Tang Clan (que pertencia a Martin Shkreli)

O álbum do grupo Wu-Tang Clan, confiscado em 2018 ao antigo gestor de fundos Martin Shkreli, também conhecido como "o empresário mais odiado do mundo", foi agora vendido pelo Governo norte-americano. Num comunicado divulgado esta terça-feira, …

Bezos ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA para entrar na corrida da próxima viagem à Lua

O empresário norte-americano ofereceu 1,7 mil milhões de euros à NASA numa tentativa de reacender a batalha espacial entre a sua empresa, a Blue Origin, e a do "rival" Elon Musk, a SpaceX. De acordo com …

Clientes com certificado digital válido impedidos de entrar em restaurantes

Estão a ser reportados vários casos de clientes que, ao apresentarem o certificado digital para poderem entrar num restaurante, não conseguem fazê-lo porque o documento está a ser considerado inválido pelos dispositivos eletrónicos. Segundo a rádio …

Covid-19 trouxe "paranoia" ao mercado

Diretor do Norwich City, da Premier League, acha que os responsáveis por alguns clubes não sabem bem o que estão a fazer nos últimos tempos. O Norwich City iria jogar contra o Coventry City, num encontro …

Israel cria "task force" para reverter boicote da Ben & Jerry's na Cisjordânia

Israel criou uma task force para pressionar a empresa de gelados norte-americana Ben & Jerry's e a sua proprietária, Unilever, a reverterem a decisão de boicotar a ocupação israelita na Cisjordânia. "Precisamos de aproveitar os 18 …

Violência armada. 430 mortos na última semana nos EUA e 2021 pode ser dos piores anos de sempre

Só na semana passada registaram-se cerca de 430 mortos e mais de 1000 feridos associados a tiroteios, num ano que está a ser marcado pelo aumento da violência armada nos Estados Unidos. O ano passado foi …