Nasceu o primeiro bebé de útero transplantado de dadora morta

Uma brasileira deu à luz uma menina depois de receber um transplante de um útero de uma dadora que morreu. Trata-se do primeiro caso bem sucedido neste tipo de procedimento.

Em setembro de 2016, uma paciente de 32 anos que nasceu sem útero fez um transplante de útero de uma pessoa morta. Sete meses após a cirurgia, a mulher engravidou por inseminação. O parto ocorreu em dezembro de 2017, por cesariana, e o útero foi retirado nessa mesma cirurgia.

A criança nasceu saudável e está a desenvolver-se de forma normal. Até agora, estes transplantes só tiveram sucesso com úteros de dadoras vivas.

Dani Ejzenberg, ginecologista que dirigiu a equipa médica da Universidade de São Paulo, escreveu agora sobre este caso na revista Lancet, sublinhando que este se trata de um importante avanço médico.

A verdade é que este não é o primeiro transplante de uma dadora morta, mas, até ao momento, nenhum tinha resultado num nado vivo. “Até ao momento, o nosso caso é o único do mundo a utilizar útero de doadora falecida e conseguir um nascimento. Tivemos oito nascimentos na Suécia e um nos Estados Unidos de úteros transplantados de doadoras vivas”, afirmou Ejzenberg, numa entrevista citada pelo Diário de Notícias.

O transplante de um útero de uma dadora morta traz algumas vantagens, explicou a equipa. “Com uma dadora morta, reduz-se o risco porque não há risco para a dadora, e reduzem-se também os custos porque não é preciso o internamento e a longa cirurgia para a dadora.” Além disso, “encontrar uma dadora viva pode ser difícil”.

Após o sucesso do parto, o útero transplantado foi retirado porque a recetora tinha de ser medicada com imunossupressores para certificar que não havia rejeição do órgão. Segundo a líder da equipa, continuar a terapêutica iria ser muito dispendioso, pelo que acaba por ser preferível usar os fundos disponíveis para efetuar mais transplantes.

Este caso de sucesso no Brasil acontece depois de dez tentativas falhadas nos Estados Unidos, República Checa e Turquia.

Voluntária recrutada na Internet

Em entrevistas anteriores, Dani Ejzenberg já tinha explicado o processo de recrutamento. “As pacientes do estudo foram recrutadas a partir de comunidades na Internet que reúnem pacientes com Rokitansky, a ausência congénita de útero de que sofre a transplantada.”

Neste caso, a fertilização aconteceu quatro meses antes do transplante. “Só depois de aspirar os óvulos e ter certeza de que a paciente tinha bons embriões e uma chance real de gravidez é que realizámos o transplante”, uma cirurgia que terá durado 10 horas e meia. Apenas um mês após a operação, a brasileira começou a ter período.

A equipa médica responsável por este feito considera que este procedimento traz esperança para mulheres com uma série de afeções, nomeadamente aquelas que foram submetidas a uma histerectomia (remoção do útero) e que até agora só podiam adotar ou recorrer à maternidade de substituição.

Ainda assim, o ginecologista adverte que, apesar de ter corrido tudo bem, a experiência não deve ser repetida tão cedo. “Não estamos a selecionar mais pacientes. Este tipo de procedimento ainda é experimental e só pode ser realizado por equipas treinadas, em ambiente de pesquisa e após autorização dos órgãos competentes.”

Ao The Guardian, um ginecologista britânico concorda com Ejzenberg e acrescenta que é necessário investigar mais até que este procedimento possa ser generalizado. Ainda assim, adianta, este processo pode permitir a mulheres transexuais engravidar (pelo menos em teoria).

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Greve na limpeza vai parar Hospital de São João no Porto

Os trabalhadores da limpeza do Hospital de São João, no Porto, entraram em greve este sábado. As desinfeções em ambulatório ou a limpeza de consultórios e da urgência não estão a ser feitas. Na …

Há um enorme buraco na atmosfera de Marte (e a água está a escapar)

Uma vez a cada dois anos, um gigantesco buraco abres-e na atmosfera marciana, deixando escapar para o Espaço uma parte das escassas reservas de água do Planeta Vermelho. O estranho mecanismo meteorológico, nunca visto na Terra, …

Musk vai construir um túnel de alta velocidade em Las Vegas

A Boring Company conseguiu um contrato de 48,7 milhões de dólares para construir um sistema subterrâneo, chamado LVCC Loop, em Las Vegas. A empresa Boring Company, de Elon Musk, foi a escolhida para construir um túnel …

Cientistas podem ter descoberto a verdadeira origem da canábis

A origem da canábis é um mistério, mas a análise de pólen antigo sugere que a planta evoluiu cerca de três quilómetros acima do nível do mar no planalto tibetano. Documentos que datam da Idade Média …

Sporting vs FC Porto | Um ano depois, a Taça para os leões

O Sporting venceu o FC Porto, mais uma vez nas grandes penalidades, e arrecadou a 17ª Taça de Portugal. Num jogo muito disputado no Estádio do Jamor, que terminou empatado 1-1 no tempo regulamentar, o Porto …

Marcelo pede aos portugueses para votarem. "Ficar em casa é um erro enorme"

O Presidente da República pediu hoje aos portugueses que façam o "pequeno sacrifício" de votar nas eleições para o Parlamento Europeu e não deixem "nas mãos de 20% ou de 25% a decisão que é …

Uma cidade inteira dos EUA está refém de cibercriminosos

A cidade de Baltimore, nos Estados Unidos, está sob ataque. Mas a ameaça não vem de pessoas armadas com pistolas e bombas. Há duas semanas, cibercriminosos usaram ransomware - um tipo de software nocivo que restringe …

Abandonado em bebé no aeroporto de Gatwick, Steve encontrou a família 33 anos depois

Um bebé foi abandonado no chão de uma casa de banho do aeroporto de Gatwick a 10 de abril de 1986. Foi quando Beryl Wright encontrou o recém-nascido que começou o mistério que só se …

Monges encontram receita perdida e voltam a fabricar cerveja medieval belga após 224 anos

Os monges da abadia de Grimbergen, na província de Brabante Flamengo, na Bélgica, encontraram a receita original de uma cerveja que era produzida artesanalmente no local há 224 anos e voltarão a fabricá-la. Monges da Abadia …

Nova app permite transmitir consentimento ao par num encontro

Vem aí uma nova app para encontros que nos permite sinalizar quando é que o nosso par tem o nosso consentimento para avançar para o próximo passo. A aplicação permite também ganhar pontos conforme se …