Bebé morreu no parto devido a atraso em cesariana de emergência

Jessica Merz / Flickr

A morte de um bebé durante o parto num hospital de Beja foi motivada por falhas de um médico e de uma enfermeira nos procedimentos clínicos efectuados. A conclusão é da Entidade Reguladora da Saúde, que analisou o caso ocorrido no ano passado.

A deliberação da Entidade Reguladora da Saúde (ERS), emitida a 7 de Setembro e agora divulgada pela Rádio Renascença, constata que o bebé de 40 semanas de gestação que morreu no Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, integrado na Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA), morreu devido a negligência médica.

A morte ocorreu durante o parto, a 9 de Abril de 2015, e em consequência de falhas nos procedimentos médicos adoptados, nomeadamente à demora na realização de uma cesariana de urgência.

O relatório da ERS, citado pela Renascença, salienta que o médico “desvalorizou” os primeiros sinais de preocupação dos exames efectuados, para medir o batimento cardíaco do feto.

Quando esses sinais se tornaram mais preocupantes, o médico decidiu fazer a cesariana de emergência, mas a grávida demorou “30 minutos a chegar ao bloco operatório”, fruto da “distância existente” entre o bloco de partos e a zona de realização das cesarianas, conforme aponta a ERS.

A entidade lembra que, a partir do momento em que se decide fazer uma cesariana de emergência, devem decorrer apenas 15 minutos até que a cirurgia comece, de acordo com uma norma da Direcção Geral de Saúde.

A ERS conclui que, de acordo com os registos hospitalares do batimento cardíaco do bebé, este terá falecido no “lapso de tempo” entre a ida do bloco de partos até ao bloco operatório.

Assim, a entidade conclui que o médico e a enfermeira envolvidos no caso “não agiram segundo a legis artis, com o cuidado que lhes era devido e exigido” e que “não agiram conforme seria de esperar, recomendava e esperava”.

Assim, o caso foi enviado para a Ordem dos Médicos por está em causa um “comportamento passível de consubstanciar infracção disciplinar e consequente aplicação de medida disciplinar”, salienta a ERS, conforme cita a Renascença.

Fica ainda o alerta ao hospital para que adopte todas as medidas necessárias para assegurar “o direito dos utentes à prestação de cuidados de saúde de qualidade e com segurança e em tempo útil e adequado à situação concreta de cada utente”.

ZAP

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Com os sistema implementado actualmente vão surgir muitos casos como este infelizmente. Nos dias de hoje porque razão se espera até ás 40/41 semanas de gestação quando na grande % dos casos os bebes já estão formados, tem tamanho e peso mais que suficiente p/ se fazer um parto ás 38 semanas. Isto é desumano quer p/ os futuros pais quer p/ o bebe e depois acontecem casos como este ou que os bebes ficam c/ graves problemas físicos/mentais. È p/ poupar dinheiro em quê? Em matar seres humanos indefesos? E no fim ninguém é culpado, mas tão somente este desumano sistema de saúde que não lembra a ninguém, somente ao DIABO.

Responder a Miro Cancelar resposta

Jornalistas insultados e ameaçados em jantar-comício de Ventura (sem distanciamento)

Jornalistas foram vaiados, insultados e até ameaçados num jantar-comício do Chega, este domingo. O evento não cumpriu o distanciamento social, reunindo 170 pessoas num sala com 450 metros quadrados. No domingo, no Campo de São Mamede, …

Athletic Bilbao vence Barcelona e conquista Supertaça. Messi expulso após agressão

O Athletic Bilbao ergueu a sua terceira Supertaça de futebol de Espanha, ao vencer 3-2 no prolongamento o FC Barcelona, após 2-2 no final do tempo regulamentar, na final disputada no Estádio Olímpico de Sevilha. Depois …

Regionalização, um "poema de um calceteiro" e (mais) críticas a Marcelo. O último debate presidencial

Os candidatos presidenciais juntaram-se em mais um debate conjunto antes das eleições. Falou-se da ausência de Ventura, regionalização, justiça e até jardinagem. O primeiro tema a marcar o debate das rádios foram as medidas de confinamento …

Em plena pandemia, houve cinco setores que conseguiram faturar mais do que em 2019

Apesar de a pandemia ter levado muitos setores da economia para os piores resultados de sempre, nem todos perderam faturação durante os meses de março a novembro da crise sanitária, algum conseguiram mesmo aumentar. Neste sentido, …

Pesadelo de Özil no Arsenal chega ao fim com transferência para o Fenerbahçe

O futebolista alemão Mesut Özil, dos ingleses do Arsenal, confirmou que vai assinar pelos turcos do Fenerbahçe, depois de vários meses sem jogar pelos 'gunners'. "Estou muito feliz e muito animado, por Deus me ter dado …

Palácio mais antigo da China é descoberto perto de antiga capital. Tem mais de 5000 anos

Um Palácio descoberto no sítio arqueológico de Shuanghuaishu, nos arredores da cidade de Zhengzhou, uma das oito capitais antigas da China, foi construído por volta de 3300 a.C., ou seja, tem atualmente cerca de 5.300 …

"Há exceções a mais". Marques Mendes defende que Governo deve reavaliar medidas de confinamento

No seu habitual espaço de comentário na SIC, no domingo à noite, Luís Marques Mendes falou sobre as novas medidas de confinanento e das eleições presidenciais. Depois de uma semana a bater recordes em números de …

O cenário "é de guerra" e o medo é de a perder. Temido admite que "estamos muito próximos do limite"

Após uma visita ao Hospital Garcia de Orta, que alertava no sábado para um "cenário de pré-catástrofe", Marta Temido admitiu que o Serviço Nacional de Saúde, os operadores sociais e privados estão em "extremo sobreesforço". Marta …

Discutir sobre temas controversos requer mais atividade cerebral do que concordar

Uma nova investigação da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, confirmou aquilo que o senso comum já vaticinava: discutir sobre temas controversos requer muito mais atividade cerebral do que simplesmente concordar. De acordo com a nova …

Estado de emergência vai manter-se até março. Marcelo admite confinar mais o país

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esteve este domingo no Hospital Santa Maria, em Lisboa, onde admitiu confinar mais o país devido à pressão nos hospitais. Em declarações aos jornalistas, Marcelo Rebelo de Sousa, …