Bataclan cantou “liberdade” em português com Resistência

A sala de espetáculos Bataclan, em Paris, encheu-se hoje para ouvir o grupo Resistência, com o cantor Miguel Ângelo a afirmar “Je suis Paris” e a justificar a presença do grupo no palco, como prova de que é preciso ser livre e “não ter medo”.

A frase “Je suis Paris“, em referência ao ‘slogan’ que correu mundo depois dos atentados na capital francesa, surgiu no final da canção “Liberdade”, em que a sala entoou “Canta liberdade, alto e sem medo”.

Momentos antes, Miguel Ângelo afirmou: “A próxima canção diz que a liberdade está quase perdida. A nossa vinda aqui esta noite e a nossa celebração mostra o contrário. A liberdade continua nossa. Podemos ir ver concertos, ir ver jogos de futebol, andar de metro, sermos livres e não termos medo.”

Mas foi com um “Bonsoir Paris, Bonsoir Portugal” que os músicos abriram o concerto, mediante sala cheia, muitos aplausos, muitos telemóveis a filmar e, pelo menos, duas bandeiras portuguesa no meio da multidão.

Cerca de 1700 pessoas encheram a sala, segundo as contas da associação de jovens Cap Magellan – que organizou o concerto, no âmbito do 25.º aniversário – e entoaram a primeira música, “Nasce Selvagem“, cantando em coro “mais do que um partido, uma equipa ou religião, tu pertences a ti, não és de ninguém”.

Seguiram-se muitos aplausos e Miguel Ângelo afirmou: “É muito bom estar de volta, de regresso a Paris! É muito bom estar na festa dos 25 anos da Cap Magellan. É muito bom estar nesta festa de música ao vivo. É muito bom estar no Bataclan!

A sala ecoou outros êxitos dos Resistência como “A Noite”, “Não sou o único”, “Vai sem medo”, “Timor”, “Amanhã é sempre longe de mais”, “Aquele Inverno”, “Circo de feras” e “Um lugar ao sol”, entre muitas outras canções.

frf_kmeron / Flickr

-

O Bataclan foi um dos alvos dos atentados da noite de 13 de novembro de 2015, que causaram 130 mortos

Antes do final do concerto, Hermano Sanches Ruivo, vereador-executivo da Câmara de Paris e fundador da Cap Magellan, subiu ao palco para lembrar as vítimas dos atentados de 13 de novembro de 2015, nomeadamente Precilia Correia, que morreu no ataque ao Bataclan, e Manuel Colaço Dias, que morreu no ataque ao Stade de France.

“Não quero um minuto de silêncio, porque o que estamos a viver hoje é felicidade. Mas também temos de lembrar momentos mais difíceis e, nesses momentos difíceis, em 2015, perdemos alguns dos nossos”, afirmou, lembrando os nomes de Precilia Correia e Manuel Colaço Dias, “vítimas do terror” e lançando: “Não devemos viver com medo.”

Na primeira parte do espetáculo, subiram ao palco a cantora franco-angolana Lúcia de Carvalho e o lusodescendente Dani Selva, dois vencedores do Prémio Cap Magellan de melhor revelação artística 2016.

A sala de espectáculos Bataclan, localizada no centro da capital francesa, foi um dos alvos dos atentados da noite de 13 de novembro de 2015, que causaram 130 mortos. O assalto armado à sala de espetáculos causou a morte de 90 pessoas. Um ano depois, a 12 de novembro, o Bataclan reabriu com um concerto do cantor britânico Sting.

Para assinalar os 25 anos de existência, além do concerto no Bataclan, a Cap Magellan organizou ateliês, este sábado e domingo, em torno do conceito de ‘lusodescendência’, na Maison du Portugal – André de Gouveia, sob o título “Primeiros Estados Gerais da Lusodescendência”.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Mais duas mortes e 501 casos nas últimas 24 horas em Portugal

O boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS) indica que Portugal registou, nas últimas 24 horas, 501 novos casos de covid-19. O relatório desta quinta-feira (15 de abril) dá também conta de mais duas mortes …

PCP quer criar crime de enriquecimento injustificado com pena agravada para políticos

O PCP propôs esta quinta-feira, no Parlamento, a criação do crime de enriquecimento injustificado, com penas até três anos, mas que é agravado para titulares de cargos políticos e públicos, até aos cinco. O projeto dos …

Câmara de Lisboa estende testagem gratuita a todos os moradores

A Câmara de Lisboa decidiu alargar, a partir de quinta-feira, a testagem gratuita nas farmácias à covid-19 a todos os moradores, deixando o programa de estar limitado às freguesias com maior incidência da doença, foi …

"Fechaduras", testemunha do julgamento de Tancos, está em parte incerta

Paulo Lemos, conhecido como "Fechaduras", testemunha da acusação e da defesa no caso de Tancos, não compareceu em 08 de março à audiência e voltou a não aparecer esta quinta-feira, com o Tribunal de Santarém …

General que lidera o SIRESP apresenta demissão

O Diário de Notícias avança, esta quinta-feira, que o general que lidera o SIRESP apresentou demissão, tendo invocado "razões pessoais". De acordo com o Diário de Notícias, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, já recebeu …

Agente que matou Daunte Wright vai ser acusada por homicídio de segundo grau

A polícia que matou a tiro, no domingo, um jovem afro-americano em Brooklyn Center, no Minnesota, Estados Unidos, vai ser acusada por homicídio de segundo grau. Depois de ter apresentado a demissão da polícia de Brooklyn …

Sócrates acusa juiz de ir "além do seu poder" e PS de "profunda canalhice"

O ex-primeiro-ministro afirmou que o juiz de instrução "não tem o direito" de o indiciar "de crimes novos" e acusou o "mandante" de Fernando Medina na liderança do PS de "profunda canalhice". Foi a primeira entrevista …

Ana Gomes critica "silêncio ensurdecedor" do PS (e teme que ainda exista "o culto de Sócrates")

A ex-candidata à Presidência da República Ana Gomes criticou esta quinta-feira António Costa e outros dirigentes do PS por se manterem em silêncio relativamente ao caso Operação Marquês e responsabilizou vários governos pela ineficácia no …

Líder do CDS/Madeira recebeu 30 mil euros do financiador do Chega, a seis semanas das regionais

Rui Barreto, líder do CDS na Madeira, recebeu um total de 29.880 euros de César do Paço, o conhecido financiador do Chega. O "empréstimo" foi concedido a poucas semanas das eleições regionais que levaram o …

Autarcas e bombeiros exigem que Governo mantenha SIRESP a funcionar

As declarações do presidente da Altice Portugal de que o SIRESP ia "acabar a 30 de junho" fizeram soar os alarmes. Autarcas e bombeiros querem que o Governo mantenha a rede de emergência. Na quarta-feira, em …