“A nossa bandeira foi copiada”. Tensão entre Austrália e Nova Zelândia não tem fim à vista

Não é a primeira vez que as bandeiras da Nova Zelândia e da Austrália são trocadas em eventos e cerimónias oficiais devido às suas semelhanças. O Governo neozelandês parece estar cansado destes equívocos. 

Um desses casos aconteceu nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, no Brasil, durante a cerimónia de entrega das medalhas de uma prova de canoagem feminina. Na hora de hastear as bandeiras, a neozelandesa estava no lugar da australiana e vice-versa.

Os dois países oceânicos partilham histórias e tradições, além de terem uma notável semelhança entre as suas bandeiras, o que leva a este tipo de equívocos em vários eventos e cerimónias oficiais e, por sua vez, raiva e constrangimento.

Por isso, na semana passada, o primeiro-ministro interino neozelandês, Winston Peters, acusou a Austrália de “copiar” a bandeira da sua nação e sugeriu ao país vizinho que mude de uma vez por todas o desenho da sua bandeira.

“Temos uma bandeira que foi, há muito tempo, copiada pela Austrália. Deveriam mudar de bandeira e honrar o facto de termos feito este desenho primeiro”, disse o governante, que está a substituir Jacinda Ardern por estar de licença de maternidade, à rede de televisão estatal (TVNZ).

Este não é o primeiro momento de tensão provocado pelos emblemas nacionais. Em 2016, a Nova Zelândia fez um referendo para decidir se trocava ou não de bandeira, com várias alternativas, mas a consulta popular acabou por rejeitar a mudança.

As bandeiras da discórdia

Mas, afinal, de onde vêm as semelhanças entre ambas e porque é que são alvo de disputa entre os dois países? Tal como várias outras bandeiras de antigas colónias do Império Britânico, as duas baseiam-se no símbolo do Reino Unido, em especial, da Marinha Real.

Segundo a World Encyclopedia of Flags, há até menos de 100 anos, eram vistas variações dessa bandeira em quase toda parte – embora com símbolos locais – desde a Birmânia ao Mandato Britânico da Palestina.

No entanto, tanto a Austrália como a Nova Zelândia partilham outro símbolo em comum: o Cruzeiro do Sul, uma constelação que só pode ser vista do hemisfério sul. A única diferença está apenas no número e na cor das estrelas.

Enquanto que a bandeira neozelandesa tem quatro estrelas vermelhas de cinco pontas, a australiana conta com seis estrelas brancas de sete pontas, sendo uma delas maior, que representa a Comunidade Britânica. Assim sendo, no centro da polémica está quem (e quando) usou esses desenhos pela primeira vez.

A bandeira da Nova Zelândia foi adotada formalmente em 1902. Por sua vez, a da Austrália foi reconhecida em 1954, após três tentativas anteriores realizadas desde 1901. Curiosamente, o neozelandês William Stevens estava entre os cinco vencedores que apresentaram propostas para a bandeira australiana nesse ano.

A diferença de 50 anos entre a aprovação das duas bandeiras aumenta o debate sobre quem é o dono da ideia original. A Nova Zelândia argumenta que o desenho já era usado nos seus barcos desde 1860, e os australianos afirmam que também tinham uma versão semelhante desde o início do século XIX.

Durante décadas, surgiram movimentos reformistas nos dois países, exigindo mudanças no desenho das bandeiras. No entanto, foram poucas as vezes em que as críticas soaram tão alto como nos dias que correm.

Existe uma tensão crescente nas relações bilaterais entre ambos e a polémica das bandeiras parece ser apenas a manifestação visível de uma profunda crise latente.

A crise dos imigrantes

Uma pesquisa feita há alguns anos pelo Instituto Lowy de Políticas Internacionais, na Austrália, revelou que a Nova Zelândia era considerada “a melhor amiga” do país, posição tradicionalmente ocupada pelos EUA.

Mas, com a chegada ao poder de Jacinda Ardern, do Partido Trabalhista, no ano passado, as relações entre os dois países começaram a arrefecer. Na verdade, o Governo australiano e o partido neozelandês começaram a trocar duras críticas e acusações.

A ministra das Relações Exteriores australiana, Julie Bishop, disse que era “muito difícil construir confiança” com um Governo liderado por trabalhistas, enquanto Ardern acusou o Executivo australiano de “espalhar mentiras”.

O ponto mais crítico foi quando a Austrália acusou o Partido Trabalhista neozelandês de estar por trás dos relatórios que revelaram que Barnaby Joyce, ex-vice-primeiro-ministro e líder do Partido Nacional, tinha dupla nacionalidade, tendo perdido o lugar no Parlamento em outubro de 2017.

Mas, na prática, o revés na relação entre os dois países aconteceu antes, mais precisamente, no ano de 2014, quando a Austrália modificou a sua Lei de Imigração e começou a deportar centenas de cidadãos neozelandeses que lá moravam.

Os trabalhistas classificaram como “draconiana” a detenção e deportação dos conterrâneos e as críticas intensificaram-se quando a Austrália anunciou que iria triplicar o custo dos cursos universitários e reduzir os benefícios sociais para os neozelandeses.

Outro episódio crítico aconteceu este mês, quando foi divulgada a prisão de um neozelandês de 17 anos num centro de detenção para adultos em Melbourne. O caso resultou na troca de farpas entre as autoridades dos dois países e, na semana passada, o ministro da Justiça neozelandês, Andrew Little, chegou mesmo a questionar o compromisso da Austrália relativamente aos direitos humanos.

ZAP // BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Parker Solar Probe lança nova luz sobre o Sol

Em agosto de 2018, a Parker Solar Probe da NASA foi lançada para o espaço, tornando-se pouco tempo depois a sonda mais próxima do Sol. Com instrumentos científicos de ponta para medir o ambiente em …

Encontrado no mar das Malvinas navio alemão da I Guerra Mundial 105 anos depois de naufragar

O naufrágio de um cruzador alemão da I Guerra Mundial foi identificado nas Ilhas Malvinas, onde foi afundado pela Marinha britânica há 105 anos. O SMS Scharnhorst foi o principal ativo da esquadra alemã na Ásia …

Boavista 1-4 Benfica | Águia goleia no xadrez do Bessa

O Benfica deu o pontapé de saída da 13ª jornada com uma vitória competente na visita ao Boavista, por 4-1. Num jogo potencialmente perigoso para as aspirações “encarnadas”, frente a um adversário com somente uma derrota …

Cientistas desenvolvem técnica para determinar o humor através da caligrafia

Uma equipa de cientistas estudou a biomecânica dos movimentos das mãos a escrever e a desenhar, e desenvolveu um método para avaliar as propriedades individuais da velocidade de escrita e da pressão do lápis no …

Quase seis mil denúncias de agressões sexuais em viagens da Uber nos EUA

A plataforma de transporte de passageiros Uber divulgou na quinta-feira um relatório, revelando quase seis mil denúncias de agressões sexuais a utilizadores, motoristas e terceiros nos Estados Unidos (EUA), em 2017 e 2018. No relatório de …

Polícia de Los Angeles vai usar dispositivo "ao estilo Batman" para prender suspeitos

A polícia de Los Angeles, nos Estados Unidos, vai adotar, no início do próximo ano, um novo dispositivo, conhecido como BolaWrap 100, que dispara um cinto de fibra sintética a uma velocidade de 200 metros …

Corriere dello Sport defende-se das acusações e garante ser "inimigo do racismo"

O jornal desportivo italiano Corriere dello Sport afirmou esta sexta-feira ser “inimigo do racismo”, defendendo-se das críticas motivadas pela manchete de quinta-feira, com o título “Black Friday” e ilustrada com os futebolistas negros Romelu Lukaku …

Alisadores e tintas para cabelo podem aumentar o risco de cancro da mama

Alisadores e tintas para cabelo são dois produtos comummente utilizados por mulheres. Um novo estudo sugere que estes podem aumentar o risco de cancro da mama, especialmente em mulheres negras. Muitos produtos capilares contêm compostos que …

Black Friday. Marca de cosméticos oferece por engano desconto de 96% e perde 10 milhões em duas horas

Uma falha no site oficial da marca de produtos cosméticos Foreo fez com que o seu artigo mais caro fosse vendido com um desconto de 96%, fazendo com que a empresa sueca perdesse 10 milhões …

Camisola usada por Pelé no seu último jogo foi vendida por 30 mil euros em leilão

Uma camisola usada por Pelé no seu último jogo com a seleção brasileira foi vendida por 30 mil euros num prestigiado leilão de objetos desportivos, realizado na quinta-feira em Turim, Itália. A camisola com o número …