“A nossa bandeira foi copiada”. Tensão entre Austrália e Nova Zelândia não tem fim à vista

Não é a primeira vez que as bandeiras da Nova Zelândia e da Austrália são trocadas em eventos e cerimónias oficiais devido às suas semelhanças. O Governo neozelandês parece estar cansado destes equívocos. 

Um desses casos aconteceu nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro, no Brasil, durante a cerimónia de entrega das medalhas de uma prova de canoagem feminina. Na hora de hastear as bandeiras, a neozelandesa estava no lugar da australiana e vice-versa.

Os dois países oceânicos partilham histórias e tradições, além de terem uma notável semelhança entre as suas bandeiras, o que leva a este tipo de equívocos em vários eventos e cerimónias oficiais e, por sua vez, raiva e constrangimento.

Por isso, na semana passada, o primeiro-ministro interino neozelandês, Winston Peters, acusou a Austrália de “copiar” a bandeira da sua nação e sugeriu ao país vizinho que mude de uma vez por todas o desenho da sua bandeira.

“Temos uma bandeira que foi, há muito tempo, copiada pela Austrália. Deveriam mudar de bandeira e honrar o facto de termos feito este desenho primeiro”, disse o governante, que está a substituir Jacinda Ardern por estar de licença de maternidade, à rede de televisão estatal (TVNZ).

Este não é o primeiro momento de tensão provocado pelos emblemas nacionais. Em 2016, a Nova Zelândia fez um referendo para decidir se trocava ou não de bandeira, com várias alternativas, mas a consulta popular acabou por rejeitar a mudança.

As bandeiras da discórdia

Mas, afinal, de onde vêm as semelhanças entre ambas e porque é que são alvo de disputa entre os dois países? Tal como várias outras bandeiras de antigas colónias do Império Britânico, as duas baseiam-se no símbolo do Reino Unido, em especial, da Marinha Real.

Segundo a World Encyclopedia of Flags, há até menos de 100 anos, eram vistas variações dessa bandeira em quase toda parte – embora com símbolos locais – desde a Birmânia ao Mandato Britânico da Palestina.

No entanto, tanto a Austrália como a Nova Zelândia partilham outro símbolo em comum: o Cruzeiro do Sul, uma constelação que só pode ser vista do hemisfério sul. A única diferença está apenas no número e na cor das estrelas.

Enquanto que a bandeira neozelandesa tem quatro estrelas vermelhas de cinco pontas, a australiana conta com seis estrelas brancas de sete pontas, sendo uma delas maior, que representa a Comunidade Britânica. Assim sendo, no centro da polémica está quem (e quando) usou esses desenhos pela primeira vez.

A bandeira da Nova Zelândia foi adotada formalmente em 1902. Por sua vez, a da Austrália foi reconhecida em 1954, após três tentativas anteriores realizadas desde 1901. Curiosamente, o neozelandês William Stevens estava entre os cinco vencedores que apresentaram propostas para a bandeira australiana nesse ano.

A diferença de 50 anos entre a aprovação das duas bandeiras aumenta o debate sobre quem é o dono da ideia original. A Nova Zelândia argumenta que o desenho já era usado nos seus barcos desde 1860, e os australianos afirmam que também tinham uma versão semelhante desde o início do século XIX.

Durante décadas, surgiram movimentos reformistas nos dois países, exigindo mudanças no desenho das bandeiras. No entanto, foram poucas as vezes em que as críticas soaram tão alto como nos dias que correm.

Existe uma tensão crescente nas relações bilaterais entre ambos e a polémica das bandeiras parece ser apenas a manifestação visível de uma profunda crise latente.

A crise dos imigrantes

Uma pesquisa feita há alguns anos pelo Instituto Lowy de Políticas Internacionais, na Austrália, revelou que a Nova Zelândia era considerada “a melhor amiga” do país, posição tradicionalmente ocupada pelos EUA.

Mas, com a chegada ao poder de Jacinda Ardern, do Partido Trabalhista, no ano passado, as relações entre os dois países começaram a arrefecer. Na verdade, o Governo australiano e o partido neozelandês começaram a trocar duras críticas e acusações.

A ministra das Relações Exteriores australiana, Julie Bishop, disse que era “muito difícil construir confiança” com um Governo liderado por trabalhistas, enquanto Ardern acusou o Executivo australiano de “espalhar mentiras”.

O ponto mais crítico foi quando a Austrália acusou o Partido Trabalhista neozelandês de estar por trás dos relatórios que revelaram que Barnaby Joyce, ex-vice-primeiro-ministro e líder do Partido Nacional, tinha dupla nacionalidade, tendo perdido o lugar no Parlamento em outubro de 2017.

Mas, na prática, o revés na relação entre os dois países aconteceu antes, mais precisamente, no ano de 2014, quando a Austrália modificou a sua Lei de Imigração e começou a deportar centenas de cidadãos neozelandeses que lá moravam.

Os trabalhistas classificaram como “draconiana” a detenção e deportação dos conterrâneos e as críticas intensificaram-se quando a Austrália anunciou que iria triplicar o custo dos cursos universitários e reduzir os benefícios sociais para os neozelandeses.

Outro episódio crítico aconteceu este mês, quando foi divulgada a prisão de um neozelandês de 17 anos num centro de detenção para adultos em Melbourne. O caso resultou na troca de farpas entre as autoridades dos dois países e, na semana passada, o ministro da Justiça neozelandês, Andrew Little, chegou mesmo a questionar o compromisso da Austrália relativamente aos direitos humanos.

ZAP // BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

A mais recente espécie de macaco foi encontrada em laboratório e não numa expedição

A nova espécie de macaco, o Popa langur, foi descoberta em laboratório. Ao contrário do que se possa pensar, muitas das espécies descobertas não são encontradas numa expedição. A descoberta do Popa langur, um macaco encontrado …

Desapareceu tão misteriosamente como apareceu o monólito do deserto do Utah (e apareceu outro na Roménia)

O monólito de metal descoberto, na semana passada, no meio do deserto do Utah, nos EUA, desapareceu sem deixar rasto. O mistério adensa-se em torno do objecto que alguns já apelidaram de "extraterrestre", até porque …

The Crown: O que é verdade e ficção na nova temporada?

Não é novidade que as famílias reais da Europa, em especial a família real britânica, sempre despertaram muita curiosidade e interesse por parte do público. Desta forma, a plataforma de streaming Netflix decidiu investir, em …

Hubble avista possível "jogo de sombras" do disco em torno de um buraco negro

Algumas das vistas mais deslumbrantes do nosso céu ocorrem ao pôr-do-Sol, quando a luz do Sol penetra nas nuvens, criando uma mistura de raios brilhantes e escuros formados pelas sombras das nuvens e pelos feixes …

No Japão, houve mais suicídios num mês do que mortes por covid-19 no ano todo

No mês de outubro, o número de suicídios no Japão foi superior ao número de mortes por covid-19 desde o início da pandemia. De acordo com os dados do governo, foram registados 2153 suicídios no …

YouTube cria o primeiro videoclipe "infinito" de sempre. Reúne todas as versões de "Bad Guy" de Billie Eilish

"Bad Guy" de Billie Eilish tornou-se o primeiro vídeo de música infinito de sempre. Celebrando o facto de ter atingido a marca de mil milhões de visualizações, a artista juntou-se ao YouTube e criou uma …

Marítimo 1 - 2 Benfica | Águia faz terapia no “divã” de Pizzi

Após duas derrotas consecutivas para o campeonato (contra o Boavista e o Braga), o Benfica regressou às vitórias, na visita ao Marítimo, por 2-1. Um resultado que não disfarça as dificuldades e a intranquilidade que …

A Coreia do Sul vai ter táxis aéreos. Serão usados em serviços de emergência e turismo

A empresa chinesa de mobilidade aérea EHang concluiu três voos de teste na Coreia do Sul para demonstrar o seu novo transporte de passageiros. Trata-se de um táxi aéreo com capacidade de resposta de emergência …

Tartarugas marinhas transportadas para a Flórida depois de sofrerem reação hipotérmica

Quarenta tartarugas marinhas em vias de extinção foram transportadas para a Florida, nos Estados Unidos, depois de sofrerem uma reação de hipotermia na costa de Massachusetts. Quando as tartarugas marinhas são expostas à água fria por …

Apoiante de Trump doou 2,5 milhões para combater os resultados eleitorais. Agora, quer o dinheiro de volta

Um investidor de capital de risco da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, que doou 2,5 milhões de dólares para ajudar o ainda Presidente norte-americano, Donald Trump, a contestar os resultados eleitorais que deram a …