Bancos acusam Berardo de “golpe de Estado” na fundação

António Cotrim / Lusa

A CGD, o BCP e o Novo Banco, com uma exposição de quase mil milhões de euros a José Berardo, queixam-se que o seu cliente quebrou os compromissos assumidos. 

Além disso, garantem que o empresário se movimentou nos bastidores para os afastar do acesso e do controlo da única garantia com valor que receberam do investidor: o acervo de arte moderna parqueado no Centro Cultural de Belém e detido pela Associação Coleção Berardo (ACB).

Entre as iniciativas polémicas de Berardo está a realização, à revelia e sem conhecimento dos três bancos, de uma assembleia-geral que lhes restringiu os direitos e aprovou um aumento de capital que diluiu a sua posição de credores.

Os passos dados por José Berardo nos bastidores para retomar o controlo da coleção de arte moderna com o seu nome e neutralizar a posição dos bancos credores, com um penhor constituído a seu favor sobre os títulos de participação da ACB começaram em 2013. A ida do investidor madeirense ao Parlamento, onde esteve a depor no quadro da Comissão Parlamentar de Inquérito à CGD, colocou o tema na agenda mediática.

Nos últimos dias as duas mais altas figuras do Estado deixaram recados e críticas. O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, avisou que é necessário “respeitar as instituições, a começar nas instituições do poder político”, enquanto o primeiro-ministro declarou que o país está “chocado” com o “desplante” de Berardo e que “espera” que pague as suas dívidas ao banco público.

Berardo disse que “não tinha nada” em seu nome e que as dívidas aos bancos não eram suas, pois foram contraídas, entre 2006 e 2008, pela Metalgest (a sua sociedade familiar) e pela ACB. Berardo acabou a reconhecer o que os bancos chefiados por Paulo Macedo (CGD), por Miguel Maya (BCP) e por António Ramalho (Novo Banco) consideram ser agora claro: que “dobrou” os estatutos da ACB com o propósito de os afastar do único colateral de valor, ou seja, das obras de arte da Colecção Berardo que receberam.

Em 2006, o acervo cultural estava avaliado entre 316 e 400 milhões. Os primeiros episódios que sinalizam uma exposição descontrolada de Berardo à banca, remontam a 2008, quando já eram visíveis as suas dificuldades para liquidar responsabilidades, parte substancial assumida no período da luta de poder dentro do BCP, de que foi um dos protagonistas.

Adquiriu 7% do BCP financiado pela Caixa e pelo próprio BCP, entregando as ações como garantia, conta o Público. Em 2008, a dívida de Berardo ao principal banco do sistema, a CGD aproximava-se, de 400 milhões de euros. A linha vermelha foi pisada a 16 de janeiro daquele ano, com a cotação do BCP a cair para 1,86 euros, abaixo do nível fixado pelos serviços da Caixa (de 1,87 euros) para cobertura de 100% da dívida. O BCP ainda tombou mais e chegou a valer 10% do preço inicial.

A Caixa, o BCP e o BES (agora Novo Banco), e as suas várias administrações e diferentes governos, foram sempre arrastando a decisão. Berardo teve direitos de voto no BCP, participou nas reuniões estratégicas e teve encontros com governadores do BdP.

No final de 2008, continua o jornal, a exposição da banca a Berardo situava-se em torno dos mil milhões de euros: meio por cento do PIB. A 31 de dezembro de 2008, Berardo aceitou dar mais garantias. Foi constituído um penhor, a favor da CGD (40%), BCP (40%) e Novo Banco (20%), sobre 75% dos títulos de participação emitidos pela ACB, com promessa adicional de penhor sobre os restantes 25%.

Os estatutos da ACB passaram a incluir um mecanismo de proteção dos interesses dos três credores, o que conferiu aos bancos controlo sobre as principais decisões e voto nas assembleias-gerais (AG), que teriam de lhes ser comunicadas com antecipação. As AG da ACB são consagradas como o espaço das resoluções mais importantes: contratação de dívida e venda de obras de arte.

Para garantir a observação dos estatutos, explica o Público, a CGD, o BCP e o Novo Banco indicaram o advogado João Vieira de Almeida para presidir à mesa da AG. Por proposta de Berardo, o seu advogado, André Luís Gomes, foi nomeado secretário da mesa da AG.

Nos anos seguintes, muito por força da crise que se alastrou da bolsa, à divida pública e à economia, e por atos de gestão de risco dos banqueiros, as garantias dadas por Berardo à banca mantiveram a trajetória de degradação, sem nunca dar lugar a qualquer execução. A 15 de junho de 2010, houve nova negociação para reforço dos colaterais, passando os bancos credores a ter a penhora de 100% dos títulos da ACB.

A partir de 2013, intensificaram-se as movimentações para afastar os bancos credores. Nesse ano, um cidadão anónimo, requereu junto do Tribunal a declaração de nulidade de um conjunto de normas dos estatutos da ACB acordados em 2008. A iniciativa visava eliminar os direitos estatutários da banca.

Em 2014, a CGD, BCP e Novo Banco, sobrevivem à custa de ajudas do Estado e enfrentam pressões acrescidas para executarem os grandes credores, um dos maiores era Berardo.

A 8 de março de 2016, o Tribunal da Comarca de Lisboa, atende ao pedido de cidadão anónimo e, por sentença, declara nulos os direitos dos credores negociados em 2008. O mecanismo de proteção da Caixa, BCP e Novo Banco é restringido e o investidor madeirense ganha autonomia para alterar as regras da ACB sem depender da sua opinião.

A 6 de maio de 2016, Berardo reúne a AG e modifica os estatutos com reforço das competências da administração da ACB e com perda de direitos das três instituições financeiras. A 4 de outubro de 2016, a CGD, o BCP e o Novo Banco tentam readquirir os direitos de voto na ACB ao invocar legitimidade contratual e legal para regressar aos termos acordados em 2008. A iniciativa não dá frutos.

A 12 de julho de 2017, a CGD, o BCP e o Novo Banco deram instruções para executar a penhora sobre 75% da colecção Berardo, dando preferência a um entendimento que minimize perdas para todas as partes.

Nos últimos dias, Berardo voltou a surpreender ao revelar na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que a Associação tinha aumentado o capital para diluir a posição de credores da CGD, BCP e Novo Banco. Os responsáveis dos três bancos disseram que “não sabiam de nada” até à presença de Berardo no Parlamento, na última sexta-feira, acusando o empresário de ter manobrado para os afastar da coleção de arte.

A Caixa, o BCP e o Novo Banco entregaram, no final do mês passado, no Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, uma ação executiva para conseguir reaver parte do que emprestaram a Berardo.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

"O vírus não existe". Em Itália, os "coletes laranja" exigem a queda do Governo (e que o país saia da UE)

Inspirados nos Coletes Amarelos franceses, nasceram os "coletes laranjas" em Itália, um movimento de contestação contra o Governo que acredita que "o vírus não existe". Apesar de ainda não ser um movimento muito grande, há já …

Época balnear arranca no sábado, mas começa mais tarde no Norte

A época balnear arranca no próximo sábado, 6 de junho, mas não em todo o país. No Norte de Portugal só começa a 27 de junho. Segundo o despacho publicado esta quinta-feira em Diário da República, …

Um terço das empresas de restauração não reabriu

Cerca de um terço das empresas de restauração não retomou a atividade e quase metade tem registado uma faturação média inferior a 10%, revelou a associação representativa do setor. A Associação de Hotelaria, Restauração e Similares …

Ministério Público alemão assume que Maddie McCann está morta

O procuradores do Ministério Público alemão acreditam que Madeleine McCann foi assassinada. O investigador Christian Hoppe, do Bundeskriminalamt, revelou que a criança pode ter sido alvejada quando o suspeito assaltava o apartamento da família. O procuradores do …

Nadadores-salvadores devem privilegiar salvamento "sem entrar na água"

A Federação Portuguesa de Nadadores-Salvadores divulgou hoje alguns dos procedimentos que os vigilantes devem adotar na época balnear face à pandemia, como privilegiar o salvamento “sem entrar na água” ou abordar o náufrago pelas costas. “Ainda …

Confederação do Turismo propõe Lay-off simplificado, banco de horas e horário concentrado

A Confederação do Turismo de Portugal (CTP) propôs ao Governo 99 medidas para mitigar as consequências "gigantescas" que a pandemia está a ter no sector, apontando um cenário de "eclipse total e asfixia". Segundo noticiou esta …

Coreia do Norte ameaça romper acordo militar com Seul

A Coreia do Norte ameaçou hoje romper o acordo militar com a Coreia do Sul e fechar o gabinete de ligação transfronteiriça, se Seul não impedir que ativistas continuem a enviar panfletos através da fronteira. A …

Moratórias no crédito prolongadas até 31 de março de 2021

O Governo decidiu estender a moratória nos empréstimos dos bancos às famílias e empresas afetadas pela crise. As prestações e juros só voltarão a ser pagos depois de 31 de março de 2021, apurou o …

Santana Lopes deixou funções executivas no Aliança. Mas não "deserta"

O fundador do partido Aliança deixou, recentemente, as suas funções executivas por "motivos profissionais", mas promete "não desertar", "muito menos em alturas difíceis". No passado dia 15 de maio, Pedro Santana Lopes pediu a suspensão das …

Pela primeira vez em 30 anos, Hong Kong proíbe vigília em memória de Tiannamen

Pela primeira vez em 30 anos, tanto Hong Kong como Macau não vão ter vigílias em homenagem às vítimas do massacre de Tiananmen. A Polícia de Hong Kong proibiu a vigília em memória do massacre de …