/

Austrália: Djokovic nem passou do aeroporto

Jonathan Nackstrand / AELTC

Não por não estar vacinado mas por causa de um documento que era necessário para…as “isenções médicas”.

A “novela” Novak Djokovic ganhou um episódio inesperado nesta quarta-feira. O tenista foi autorizado a participar no Open da Austrália, o primeiro grand slam do ano, mesmo sem estar vacinado – pelo menos nunca revelou que se vacinou e mostrou publicamente que era contra a vacinação poder ser obrigatória para jogar torneios de ténis.

Na Austrália será. Em Novembro a organização do Australian Open confirmou que qualquer jogador ou jogadora tem de apresentar comprovativo de vacinação, se quiser participar no famoso torneio em Melbourne.

Djokovic, que venceu as três últimas edições do torneio, não estará vacinado mas teve direito a uma “isenção médica” e por isso entrou no quadro principal masculino. A Federação Australiana de Ténis indicou que essa isenção foi aprovada após “um exame rigoroso envolvendo dois grupos independentes de especialistas”.

Os motivos não foram revelados, as dúvidas apareceram e as críticas espalharam-se. Mas, afinal, o tenista sérvio poderá mesmo não jogar no Open da Austrália. Provavelmente, nem pisará o chão de qualquer rua australiana.

Ao chegar à Austrália, nesta quarta-feira, Novak Djokovic não teve autorização para sequer sair do aeroporto.

Vários jornais explicam que alguém da sua equipa falhou na documentação. Foi apresentado aos seguranças um documento que não é válido para as pessoas que receberam a tal “isenção médica” e que não estão vacinadas contra a COVID-19. O documento não apresenta essa excepção.

Por isso, as últimas indicações apontam para um Djokovic retido no aeroporto de Melbourne, quase “preso” naquele edifício.

O primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, tinha avisado: “Ficamos à sua espera e à espera das justificações para isto. Se não houver, ele não será tratado de forma diferente e voltará para casa no primeiro avião“.

Entretanto, continuam as dúvidas à volta do motivo que permitiu ao líder da tabela ATP ter esta excepção. O tenista terá alegado que já foi infectado pelo vírus e, supostamente, não precisa de ser vacinado.

  Nuno Teixeira da Silva, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE