Aumentam urgências hospitalares por falta de resposta dos centros de saúde

Tânia Rêgo / ABr

-

Cerca de metade das pessoas que recorrem às urgências hospitalares fazem-no por não conseguir atendimento no centro de saúde ou porque o episódio de doença ocorre fora do horário dos cuidados primários, segundo um inquérito da associação DECO.

Com base em 3.556 respostas a inquéritos lançados em Outubro de 2013, a associação de defesa do consumidor conclui que aumentou o número de doentes que vai ao hospital por não conseguir ser atendido nos centros de saúde.

Do total de inquiridos, há ainda 12% que alega não ter recorrido aos serviços de urgência por falta de dinheiro para pagar a taxa moderadora.

As conclusões do inquérito, divulgadas hoje na revista Teste Saúde, mostram que há cinco anos, num estudo semelhante, apenas um quarto dos inquiridos apresentou motivos idênticos para recorrer ao hospital.

“Os resultados mostram um claro aumento do recurso às urgências hospitalares por falta de resposta dos cuidados de saúde primários”, refere o artigo.

Em 2009, eram quatro em cada 10 os utentes que foram atendidos nos centros de saúde a precisar de uma consulta urgente.

No actual inquérito, o número baixou para metade, com apenas dois em cada 10 a conseguir, quando precisa, consulta urgente nos cuidados de saúde primários.

Outra das razões para os utentes optarem pelas urgências dos hospitais é a convicção de que há “melhores condições de tratamento e de que os profissionais são mais eficientes, por estarem mais habilitados a lidar com situações graves”.

Numa análise à pulseira atribuída na triagem feita nos hospitais, o artigo da Teste Saúde refere que apenas 13% dos inquiridos estariam a necessitar de cuidados imediatos ou quase imediatos (com pulseira vermelha ou laranja).

A pulseira verde ou azul (não urgente ou pouco urgente) foi recebida por quatro em cada 10 utentes questionados.

Em comparação com o inquérito realizado há cinco anos, o tempo de espera para ser visto pelo primeiro médico aumentou ligeiramente, de 70 para 72 minutos.

Contudo, analisando desde o ano 2000, o tempo de espera para ser visto pelo primeiro médico nos hospitais públicos aumentou quase 10 minutos.

Já nos cuidados primários, o tempo de espera aumentou de 55 minutos em 2009 para 62 minutos este ano, depois de uma tendência decrescente entre 2000 e 2009.

Apesar deste aumento, o nível de satisfação dos utentes dos centros de saúde manteve-se igual ao verificado em 2009.

Em relação aos hospitais, a satisfação regista níveis sem alterações (65 em 100 pontos), com os doentes a queixarem-se sobretudo da demora dos resultados dos exames e do tempo “desperdiçado na sala de espera, cujas condições de higiene e conforto desagradam a cerca de um terço dos utentes”.

Nos hospitais privados, os níveis de satisfação são melhores (77 pontos em 100), mas um em cada 10 utilizadores mostra-se descontente com o funcionamento dos serviços.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Manchester United 0-5 Liverpool: o "mimado" Cristiano deveria ter sido expulso

Resultado histórico, mesmo raro em vários aspectos. "Batemos no fundo", admitiu Solskjær. Pogba foi expulso, Cristiano Ronaldo quase. O resultado deste jogo chegava para escrever uma notícia. O jogo de futebol mais aguardado no Reino Unido, …

O avançado Beto na sua apresentação na Udinese.

De trabalhador do KFC a "Haaland português". Pelo meio, Beto esteve para desistir do futebol

Agora a fazer tremer os defesas adversários em Itália, Beto teve uma vida e carreira atribuladas. Chegou a trabalhar no KFC e "por sorte" não deixou o futebol. Foi um salto gigante, mas não maior do …

Abdalla Hamdok, primeiro-ministro do Sudão

Golpe de Estado no Sudão. Primeiro-ministro e outros líderes detidos e internet cortada em todo o país

A internet e a rede telefónica estão a sofrer cortes no Sudão, que já sofreu uma tentativa de golpe de Estado há poucas semanas. Vários ministros, incluindo o primeiro-ministro Abdalla Hamdok, foram detidos. Depois de semanas …

Rui Rio, presidente do PSD

Entre risco e recompensa, direita mantém-se incerta perante chumbo do Orçamento

A esquerda arrisca perder votos caso suceda um cenário de eleições antecipadas com um eventual chumbo do OE. À direita, por sua vez, paira a incerteza. O cenário tem sido equacionado frequentemente nos últimos tempos. Anda …

Sporting está no pódio dos melhores clubes de formação (com Benfica na iminência)

O Ajax é o clube com mais jogadores da sua formação a atuar nas 31 principais divisões europeias. O Sporting surge no terceiro posto, Benfica no oitavo e FC Porto no 16.º. O Observatório do Futebol …

Ministro alemão diz que "é legítimo" proteger fronteiras com muros

O ministro do Interior alemão, Horst Seehofer, considerou que "é legítimo" querer proteger as fronteiras, numa altura em que Estados europeus exigem a ajuda da UE para erguer muros que evitem a entrada de migrantes. A …

Pintor da corte tentou impedir Henrique VIII de casar com Ana de Cleves. O rei ignorou - e arrependeu-se

A aristocrata alemã Ana de Cleves foi a quarta das seis esposas de Henrique VIII, casando-se com o rei inglês a 6 de janeiro de 1540. Depois de mais um divórcio, e de estar dois anos …

Com guerra de palavras à esquerda, Costa recebe apoio de Marcelo. "É o ano com mais alterações"

Estalou o verniz entre Bloco de Esquerda e Governo, pelo que a última esperança para António Costa é a de que os comunistas reconsideram os sinais que têm vindo a dar num passado recente. Marcelo …

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas.

Graça Freitas não fecha a porta a novos confinamentos. "Está tudo em aberto"

Em entrevista ao Diário de Notícias, a diretora-geral da Saúde fez um balanço da pandemia no país. Além de falar sobre o que se pode esperar no inverno, Graça Freitas não afastou a hipótese de …

A extinção dos mamutes-lanosos não foi culpa dos humanos

Durante várias décadas, os cientistas acreditaram que os ancestrais dos atuais elefantes se extinguiram porque eram constantemente caçados pelos humanos. No entanto, a análise de ADN dos antigos campos de pasto dos mamutes-lanosos revela uma …