A Astronomia foi fundamental para o sucesso do desembarque na Normandia

U.S. Coast Guard, Department of Defense

O papel da Astronomia no planeamento do desembarque na Normandia foi fundamental para o sucesso dos Aliados, sobretudo para estudar as marés.

Num artigo publicado na Sky & Telescope, o astrónomo da Universidade Estadual do Texas, Donald Olson, destacou a influência da Astronomia no destacamento de tropas aliadas nas praias da Normandia, marco com mais de 75 anos.

Nas décadas após a Segunda Guerra Mundial, os estrategas da invasão perceberam de forma clara que, para além da necessidade de Lua abundante oriunda da Lua durante a noite, a hora do nascer do sol e os efeitos das fases da Lua nas marés desempenhariam um papel crucial para a escolha da data do desembarque.

A posição do Sol e da Lua relativamente à Terra determina a força das marés e os períodos de tempo com águas baixas ou alta, explicou o cientista.

Os Aliados exigiram uma maré baixa por volta do amanhecer e, nesta parte da costa da Normandia, esta maré só ocorre perto de uma lua nova ou lua cheia. A conjugação destes critérios deixou os Aliados com três potenciais datas em vista: 5, 6 e 7 de junho. Nenhum destes dias apresentava uma “Lua crescente tardia”.

“Uma invasão de primavera em maio ou junho foi o ideal, porque esta data deixaria às forças aliadas todo o verão para fazer recuar as forças alemães anda antes de o mau chegar com a entrada do Outono ou do Inverno (…) Os preparativos para a invasão não foram concluídos em maio, então o general Dwight D. Eisenhower adiou o ataque até junho”, sustentou Donald Olson.

“Os Aliados queriam pouca água para explodir os obstáculos alemães na praia, mas também queriam que a água subisse para que pudessem chegar à praia com os barcos e para estes não ficarem presos (…) Se vissem uma maré descendente, a embarcação de desembarque ficaria parada durante 12 horas, o que era uma parte importante do plano do Dia D: o aumento da água, logo após a maré baixa”.

Contudo, esta estreita janela de oportunidade também foi contra aquilo que esperavam os Aliados a 6 de junho de 1944. A diferença entre a maré baixa e maré alta era de 6 metros. Perto da maré baixa no Dia D, as defesas submarinas dos alemães foram expostas para serem destruídas pelas tripulações de demolição dos Aliados.

O problema neste espaço de tempo, explicou, era que as equipas de demolição tinham apenas 30 minutos para completar a tarefa, sob fogo inimigo, antes que a maré que ia subindo fosse demasiado profunda. Às 7 da manhã do dia 6 de junho, o nível da água subia 30 centímetros a cada 10 minutos.

Esta subida acelerada fez com que as equipas de demolição eliminassem com sucesso apenas cinco dos 16 buracos previstos pelas defesas submarinas de Omaha Beach. A consequente perda de vidas relacionada com as restantes defesas submarinas contribuiu para o apelido da praia de Bloody Omaha.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. O desembarque na Normandia foi um episódio importante da 2ª. Guerra Mundial. Ninguém pode contestar. Mas não foi o factor decisivo que a propaganda ocidental pretende fazer crer.
    Essa frente – a chamada segunda frente – há muito que era reclamada pela URSS. E só teve lugar quando as potências ocidentais perceberam que a URSS seria capaz de vencer sozinha a Alemanha. Isso traria consequências geoestratégicas de vulto e foi preciso impedir que tal se verificasse.
    Isto é História. O resto é propaganda.

RESPONDER

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as vespas esfomeadas (e isso é má notícia)

A Zona de Exclusão de Chernobyl é a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat, onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986. Apesar de não haver humanos na região, e …

Beethoven deixou a 10.ª sinfonia inacabada (e a IA vai completá-la)

Um dos maiores dilemas da história da música é a obra inacabada de Ludwig van Beethoven (1770-1827), a "10ª sinfonia", com muitos músicos a esforçar-se para finalizá-la, utilizando alguns dos fragmentos disponíveis, mas sem sucesso. Desta …

Orcas bebé têm maior probabilidade de sobreviver se viverem com a avó

Crias de orca que vivam com a avó têm uma maior probabilidade de sobreviver quando comparadas às outras orcas. A experiência destas espécimes mais velhas é essencial para o grupo. Tal como nos humanos, as avós …

A "capital mundial das pessoas feias" mora na Itália

Piobbico, na Itália, é uma cidade medieval repleta de grandes edifícios de pedra cercados por florestas exuberantes. No entanto, a cidade é conhecida pela feiura dos seus habitantes. Esta cidade, com cerca de 2.000 habitantes, alberga …

Jovem norte-americano despistou-se e caiu ao rio. Siri chamou os bombeiros

Um jovem norte-americano estava a caminho da universidade quando perdeu o controlo do carro, que derrapou sobre gelo, e foi parar ao rio Winnebago. Como não conseguiu encontrar o seu telemóvel, recorreu à Siri para …

Basta uma máscara impressa para enganar os sistemas de reconhecimento facial

Especialistas da empresa de inteligência artificial Kneron testaram sistemas em três continentes e vários falharam. O reconhecimento facial é, cada vez mais, um método de controlo e de segurança encarado como credível e, inclusivamente, usado …

Pandit olha para as vacas como família e quer produzir "leite ético" para vegans

Um agricultor nos Estados Unidos quer produzir "leite ético" para vegans, mantendo como prioridade o bem-estar e a saúde das vacas. Ultimamente, o consumo de leite tem sido posto cada vez mais em causa. Não só …

Jogadores do Arsenal doam um dia de salário para ações solidárias

Os futebolistas e a equipa técnica do Arsenal vão doar um dia de salário para ações solidárias de Natal. Os elementos técnicos também entraram na iniciativa, que prevê, ainda, a doação da receita do próximo …