AstraZeneca anuncia novos atrasos na entrega da vacina à União Europeia

O Grupo AstraZeneca anunciou novos atrasos na entrega da sua vacina contra a covid-19 à União Europeia, invocando restrições à exportação.

Perante as dificuldades de produção, o grupo AstraZeneca decidiu utilizar as suas unidades de produção fora da União Europeia, mas “infelizmente, as restrições à exportação vão reduzir as entregas no primeiro trimestre” e “provavelmente” no segundo, segundo um porta-voz do grupo citado pela agência France Presse.

Em 29 de janeiro, a Agência Europeia do Medicamento (EMA) deu ‘luz verde’ à utilização da vacina da farmacêutica AstraZeneca contra a covid-19 na União Europeia.

Foi a terceira vacina a ser aprovada pelo regulador europeu.

A presidente da Comissão Europeia avisou na passada segunda-feira que outros países poderão seguir o exemplo de Itália e bloquear as exportações de vacinas contra a covid-19 e disse esperar um reforço na entrega no segundo semestre.

Numa entrevista a um jornal alemão, a presidente da Comissão Europeia salientou esperar que quase 100 milhões de doses por mês da vacina da covid-19 sejam entregues no segundo trimestre na UE, onde os programas de imunização estão a decorrer a um ritmo muito lento. “Esperamos uma média de quase 100 milhões de doses por mês no segundo trimestre e um total de 300 milhões até ao final de junho”, sublinhou.

Segundo Ursula von der Leyen, a AstraZeneca continua a falhar na entrega de vacinas à UE e, até agora, entregou “menos de 10%” do volume previsto até final de março, tal como estava no contrato assinado entre a farmacêutica e o executivo comunitário.

Primeiro-ministro francês critica laboratórios por atrasos

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, criticou este sábado os laboratórios pelos atrasos na entrega de vacinas contra a covid-19, enquanto hospitais da populosa região de Paris começaram a transferir pacientes para outras zonas do país.

As declarações de Castex foram proferidas durante uma visita ao centro de vacinação em Saint-Maixent-L’Ecole (noroeste de França), numa altura em que se especula sobre um confinamento na região parisiense da Ile de France, para reduzir a disseminação do vírus e diminuir a pressão sobre as unidades de saúde.

“Temos o objetivo de ultrapassar os 10 milhões de vacinados em 15 de abril”, sublinhou o primeiro-ministro, acrescentando que “é melhor ser cauteloso, porque os laboratórios sofreram alguns atrasos no seu prazo de entrega”.

As declarações de Castex coincidem com o anúncio de novos atrasos na entrega da vacina AstraZeneca com que o Governo francês contava para acelerar a campanha de vacinação, atualmente com cerca de cinco milhões de pessoas imunizadas, aproximadamente metade com a segunda dose.

A França ultrapassou na sexta-feira as quatro milhões de infeções pelo novo coronavírus e mantém-se o sexto país do mundo com maior número de contágios. Pela primeira vez desde novembro, o país ultrapassou os 4.000 pacientes internados nos cuidados intensivos.

A situação dos hospitais na região parisiense, onde vivem 12 milhões de pessoas, quase 20% de toda a população francesa, continua muito crítica, com uma taxa de ocupação de quase 96% nos cuidados intensivos.O aumento do número de doentes graves levou a que começassem a ser transferidos de helicóptero pacientes para outros hospitais do país.

Os hospitais da região da capital iniciaram a suspensão de 40% das operações não urgentes, para poderem tratar os novos pacientes com covid-19.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

2 COMENTÁRIOS

  1. Para mim podem devolver esta porcaria para o país do Brexit. De certeza que não vou ser vacinado com esta bogus.
    E agora já podem devolver à UE os 300 milhões ou mais que receberam para ‘desenvolver’ a vacina de agua destilada

  2. Há uma coisa que eu gostava muito de conseguir entender.
    Quando duas empresas fazem um contrato para fornecimento de um produto ou um serviço há sempre cláusulas para aplicar caso uma das partes falhe. E normalmente isso traduz-se em multas ou algo no género.

    Os laboratórios que criam as vacinas falharam e muito no fabrico e entrega das ditas.

    Primeiro, gostava de saber como é que os laboratórios anunciaram e escreveram em contrato que iriam fornecer não sei quantos milhões por mês sem terem tudo acautelado e sem terem a certeza de o conseguirem fazer. Não estudaram bem o plano de fabrico? Não têm já grande experiência no fabrico de vacinas e outros produtos para saberem se conseguem ou não cumprir o calendário indicado no contrato?

    Em segundo lugar, que penalização eles levaram pela quebra imensa do contrato que fizeram? Alguém me sabe explicar?

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …