Associações de militares acusam PS e PSD de censura

Mário Cruz / Lusa

O presidente do PSD, Rui Rio

O motivo da indignação das associações de militares é o facto de o Parlamento ter aprovado uma alteração que faz passar de 4 mil para 10 mil o número mínimo de assinaturas necessárias para que uma petição pública seja discutida em sessão plenária.

As associações de profissionais militares acusaram, esta segunda-feira, PS e PSD de “censura” e “infame e cobarde limitação” à cidadania, devido ao aumento do limite mínimo de assinaturas para que uma petição seja discutida no parlamento.

Esta medida de verdadeira censura, promovida pelos incomodados com as formas mais diretas da democracia, dos que pensam a vida política, na melhor tradição (neo)liberal e oligárquica, como um exercício que apenas alguns são dignos de exercer, atinge a possibilidade dos cidadãos e partidos poderem marcar a agenda parlamentar e também, de forma mais grave, os militares nos seus já limitados e quase inexistentes direitos de participação política. Adita-se assim à cidadania Portuguesa e à cidadania militar em especial, mais uma infame e cobarde limitação”, lê-se no comunicado.

No texto, as direções da Associação Nacional de Sargentos (ANS), Associação de Oficiais das Forças Armadas (AOFA) e Associação de Praças (AP) lamentam uma “prática política de paulatino desvio dos valores democráticos consagrados pela Constituição em vigor e que os militares juraram defender e que, por isso, se torna ainda mais vil e inaceitável”.

“Tais partidos, subvertendo os dispositivos constitucionais consagrados nos Artigos 48.º (participação na vida pública) e 52.º (direito de petição e direito de ação popular) da Constituição da República Portuguesa (CRP), menorizam e desvalorizam, assim e ao mesmo tempo, o exercício da cidadania política, como se tal exercício pudesse caber apenas, de forma privilegiada, a um certo grupo de cidadãos, considerando o resto como facilitismo”, lê-se ainda.

Na quinta-feira, o Parlamento aprovou, em votação final global, uma alteração que faz passar de 4 mil para 10 mil o número mínimo de assinaturas de cidadãos necessárias para que determinada petição pública seja discutida em sessão plenária da Assembleia da República.

O texto final apresentado pela Comissão de Assuntos Constitucionais, com base numa iniciativa do PSD que altera a lei sobre o exercício do direito de petição, teve votos a favor de PS e PSD, contra dos restantes partidos e das duas deputadas não inscritas (ex-Livre e ex-PAN), bem como da socialista Ana Paula Vitorino.

Na iniciativa original, o PSD pretendia que o número mínimo de assinaturas necessárias para discussão de uma petição em plenário passasse a ser de 15.000, mas esse artigo acabou chumbado na especialidade, em que foi aprovada uma proposta de alteração do PS que fixa o limite mínimo em 10 mil assinaturas.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Marcelo é o único que resiste ao desgaste da pandemia. Governo e oposição em queda

O único que está a conseguir resistir ao desgaste político provocado pela pandemia de covid-19 é o Presidente da República, numa altura em que o PS e o PSD surgem em queda nas intenções de …

Três camisolas e uma vitória histórica. Tadej Pogacar é o vencedor do Tour

O ciclista esloveno Tadej Pogacar (UAE Emirates) venceu a 107.ª Volta a França, ao cortar a meta, nos Campos Elísios, integrado no pelotão, no final da 21.ª e última etapa conquistada pelo irlandês Sam Bennett …

Afinal, os vikings não eram loiros nem tinham olhos azuis (e também não eram da Escandinávia)

Um estudo revelou que os Vikings afinal não eram loiros nem provenientes da Escandinávia. O estudo, realizado através da análise de ADN, conclui ainda que indivíduos que não eram vikings foram enterrados como tal. Normalmente, a …

Emmys 2020: "Succession" é a série do ano, "Schitt’s Creek" e "Watchmen" em destaque

A segunda temporada de “Succession”, da HBO, venceu esta madrugada o prémio de Melhor Série Dramática na 72.ª cerimónia dos prémios Emmy, que decorreu em Los Angeles, EUA, sem público por causa da pandemia. Centrada em …

Aulas do 1.º ciclo em escola de Lisboa suspensas. Escola em Viseu fecha portas

As aulas do 1.º ciclo na escola pública das Laranjeiras, em Lisboa, foram suspensas, devido à falta de funcionários em número suficiente, já que um destes testou positivo para a covid-19. De acordo com o Agrupamento …

PCP de "espírito aberto" para conversações sobre OE, mas recusa "chantagens"

O PCP encara as conversações sobre o Orçamento do Estado de 2021 com “espírito aberto”, sem “linhas vermelhas ou azuis”, mas recusa “chantagens” e “pressões” do primeiro-ministro, disse este domingo o secretário-geral dos comunistas. Numa conferência …

Os dinossauros conquistaram o mundo após uma extinção em massa na Terra

Uma equipa internacional de cientistas identificou um evento anteriormente desconhecido de extinção massiva da vida na Terra que ocorreu há 223 milhões de anos e desencadeou a conquista do mundo pelos dinossauros. O estudo liderado por …

FinCEN Files. Isabel dos Santos e marido envolvidos em investigação aos maiores bancos mundiais

Isabel dos Santos e Sindika Dokolo estão entre os clientes confidenciais de bancos que foram reportados às autoridades norte-americanas, segundo uma investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ). A empresária angolana Isabel dos Santos …

Alojamento local, hotéis e pousadas. Governo anuncia mais 4.500 camas para universitários

Acordos com hotéis e alojamentos locais vão reforçar a oferta de alojamento estudantil depois de uma perda de 15% dos lugares em residências. Hotéis, pousadas da juventude e unidades de alojamento local vão disponibilizar “mais 4.500 …

As girafas são tão altas que podem funcionar como um pára-raios fatal

A ideia de que a girafa pode funcionar como um pára-raios não é nova e já se sabe que estes animais já foram mortos por relâmpagos. Porém, agora, cientistas descreveram as circunstâncias em detalhe pela …