Argentina torturou os seus próprios soldados na guerra das Malvinas

Kenneth Ian Griffiths / Wikimedia

Prisioneiros de guerra argentinos nas ilhas Malvinas, 16 Junho 1982

Prisioneiros de guerra argentinos nas ilhas Malvinas, 16 Junho 1982

Soldados argentinos foram submetidos a abusos e torturas pelos seus próprios superiores, durante a guerra das Malvinas contra a Grã-Bretanha em 1982, revelam documentos agora libertados pelas Forças Armadas da Argentina.

Depoimentos de soldados argentinos relatam ter sido espancados por oficiais durante a guerra das Malvinas por terem deixado as trincheiras em busca de comida.

Em abril, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, determinou a libertação de todos os documentos militares secretos produzidos durante o conflito.

Durante anos, veteranos de guerra argentinos denunciaram ter vivido condições terríveis durante o conflito, incluindo a ausência de calçado e fardamento apropriado em situações de frio intenso, afirma o correspondente da BBC em Buenos Aires, Ignacio de los Reyes.

É a  primeira vez que documentos oficiais com estas revelações são trazidos a público.

Os documentos, até agora secretos, descrevem ameaças de execução e soldados a ser amarrados dentro de covas vazias.

Um tenente relata que um outro oficial lhe amarrou as mãos e pernas às costas e o deixou durante mais de oito horas com o rosto na areia molhada de uma praia gelada das Malvinas.

Um sargento relata que teve de ser operado depois de ter sido pontapeado nos testículos.

“Estes documentos levantam a cortina sobre factos que foram escondidos durante muitos anos pelas Forças Armadas argentinas”, diz Ernesto Alonso, membro de um grupo de veteranos de La Plata.

Exercício de colonialismo

A guerra das ilhas Malvinas, ou Falklands, na nomeação oficial britânica, começou em abril de 1982, quando tropas da Argentina invadiram o território ultramarino britânico.

Uma força expedicionária britânica foi enviada às ilhas e retomou o seu controlo em junho.

O conflito durou 74 dias e deixou mais de 900 mortos. Três cidadãos das ilhas e 255 militares britânicos morreram no conflito.

O número de argentinos mortos é estimado em cerca de 650.

A derrota da Argentina precipitou o fim da brutal ditadura militar no país, que já enfrentava problemas económicos graves e falta de apoio popular.

Apesar de a invasão ter sido alvo de críticas generalizadas na Argentina, muitos cidadãos continuam a reivindicar a posse das ilhas.

A presidente argentina, Cristina Fernández de Kirchner, já descreveu a presença britânica como um “flagrante exercício de colonialismo do século XIX“.

O governo britânico diz que defenderá a autodeterminação dos habitantes das ilhas.

A maioria esmagadora dos moradores das Malvinas votou em março de 2013 pela manutenção do status de território britânico.

Actualmente, cerca de 2,9 mil pessoas vivem nas ilhas.

ZAP / BBC

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Os covardes dos militares argentinos só são valentes contra os fracos. Contra verdadeiros homens (os soldados ingleses) até se b0rraram.

  2. Como leitor assíduo, sugiro que melhorarem o português das vossas notícias. Usem a palavra “controlo” e não “controle”! Não precisamos de galicismos. E escrevam “2900” e não “2,9 mil” pessoas. “2,9 mil pessoas” lê-se: duas unidades e nove décimas de mil pessoas.

  3. A guerra das Falkland (Malvinas) foi uma das últimas guerras entre países modernos e ditos civilizados. É evidente que o RU tem uma lei para si e outra para os outros países – caso por exemplo de Gibraltar….

    Para todos os efeitos, nada justifica uma invasão à má-fé e que levou ao exercício do poder bruto e força desmesurada na respectiva retaliação.

    Acredito piamente que o RU também o fez porque teve o apoio encapotado dos USA…..

    • Apoio encapotado? Totalmente assumido! Nunca o esconderam, visto à luz da Lei internacional as Malvinas são território britânico, após os argentinos terem hesitado e abandonado as ilhas no século XIX! É que os ingleses não como os portugueses que abandonam tudo ou desistem por esta ou aquela palha!

Responder a João Cancelar resposta

Marcelo pede tolerância zero contra o racismo (e pede “sentido nacional” a Governo e oposição)

O Presidente da República recomendou esta quinta-feira aos democratas “tolerância zero” e “sensatez” para combater o racismo, ao comentar as ameaças de que foram alvo três deputadas e outros sete ativistas. “Os democratas devem ser muito …

43% das escolas no mundo sem condições de higiene para reabertura segura

Mais de 40% das escolas no mundo não têm acesso a condições básicas de higiene, como água para lavar as mãos e sabão, aumentando os riscos de reabertura no contexto da pandemia de covid-19, alertam …

Mais seis mortes, 325 novos casos e 237 recuperados

Portugal regista esta quinta-fira mais seis mortes por covid-19, 325 novos casos de infeção e mais 237 pessoas dadas como recuperadas em relação a quarta-feira, segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo …

"Filme fantástico". Novo livro revela cartas entre Kim Jong-un e Donald Trump

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, qualificou o seu relacionamento com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, como um “filme fantástico”, segundo os editores de um livro a ser publicado, que revela a correspondência entre …

Grupo avisa Bruxelas que Portugal pode tornar-se ilha ferroviária na Europa

Um grupo de portugueses ligados ao setor ferroviário alertou a comissária europeia dos Transportes para a possibilidade de Portugal se tornar uma ilha ferroviária na Europa devido ao atraso em adotar "a bitola europeia" nas …

China encontra traços do coronavírus em asas de frango importadas do Brasil

Traços do novo coronavírus foram encontrados em asas de frango importadas do Brasil, na cidade de Shenzhen, no sul da China, noticiou, esta quinta-feira, um jornal oficial do Partido Comunista Chinês (PCC). Os traços foram detetados …

Denúncia de Rui Pinto leva a congelamento de conta bancária da Doyen

Oito milhões de euros que estavam numa conta bancária do fundo de investimento Doyen foram congelados pelas autoridades portuguesas. Uma denúncia do whistleblower português Rui Pinto levou o fundo a ser investigado por suspeitas de fraude …

Preocupado com a Bielorrúsia, Macron ligou a Putin (e aproveitaram para falar da vacina russa)

O Presidente francês, Emmanuel Macron, manifestou esta quarta-feira ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, "uma preocupação muito grande" quanto à situação na Bielorrússia após a reeleição do chefe de Estado autoritário bielorrusso, Alexander Lukashenko. Segundo indicou …

Obras do Hospital Militar de Belém custaram mais do triplo do valor estimado

As obras no Hospital Militar de Belém, em Lisboa, custaram mais do valor inicialmente estimado, avançou o Diário de Notícias esta quarta-feira. De acordo com o jornal, estava inicialmente previsto que a reabilitação de três …

Autópsia a Valentina revela descolamento do crânio

A autópsia a Valentina, a menina de 9 anos encontrada morta na serra D’el Rei, em Peniche, distrito de Leiria, em meados de maio, revela descolamento do crânio, avança esta quinta-feira o Correio da Manhã. …