Argentina torturou os seus próprios soldados na guerra das Malvinas

Kenneth Ian Griffiths / Wikimedia

Prisioneiros de guerra argentinos nas ilhas Malvinas, 16 Junho 1982

Prisioneiros de guerra argentinos nas ilhas Malvinas, 16 Junho 1982

Soldados argentinos foram submetidos a abusos e torturas pelos seus próprios superiores, durante a guerra das Malvinas contra a Grã-Bretanha em 1982, revelam documentos agora libertados pelas Forças Armadas da Argentina.

Depoimentos de soldados argentinos relatam ter sido espancados por oficiais durante a guerra das Malvinas por terem deixado as trincheiras em busca de comida.

Em abril, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, determinou a libertação de todos os documentos militares secretos produzidos durante o conflito.

Durante anos, veteranos de guerra argentinos denunciaram ter vivido condições terríveis durante o conflito, incluindo a ausência de calçado e fardamento apropriado em situações de frio intenso, afirma o correspondente da BBC em Buenos Aires, Ignacio de los Reyes.

É a  primeira vez que documentos oficiais com estas revelações são trazidos a público.

Os documentos, até agora secretos, descrevem ameaças de execução e soldados a ser amarrados dentro de covas vazias.

Um tenente relata que um outro oficial lhe amarrou as mãos e pernas às costas e o deixou durante mais de oito horas com o rosto na areia molhada de uma praia gelada das Malvinas.

Um sargento relata que teve de ser operado depois de ter sido pontapeado nos testículos.

“Estes documentos levantam a cortina sobre factos que foram escondidos durante muitos anos pelas Forças Armadas argentinas”, diz Ernesto Alonso, membro de um grupo de veteranos de La Plata.

Exercício de colonialismo

A guerra das ilhas Malvinas, ou Falklands, na nomeação oficial britânica, começou em abril de 1982, quando tropas da Argentina invadiram o território ultramarino britânico.

Uma força expedicionária britânica foi enviada às ilhas e retomou o seu controlo em junho.

O conflito durou 74 dias e deixou mais de 900 mortos. Três cidadãos das ilhas e 255 militares britânicos morreram no conflito.

O número de argentinos mortos é estimado em cerca de 650.

A derrota da Argentina precipitou o fim da brutal ditadura militar no país, que já enfrentava problemas económicos graves e falta de apoio popular.

Apesar de a invasão ter sido alvo de críticas generalizadas na Argentina, muitos cidadãos continuam a reivindicar a posse das ilhas.

A presidente argentina, Cristina Fernández de Kirchner, já descreveu a presença britânica como um “flagrante exercício de colonialismo do século XIX“.

O governo britânico diz que defenderá a autodeterminação dos habitantes das ilhas.

A maioria esmagadora dos moradores das Malvinas votou em março de 2013 pela manutenção do status de território britânico.

Actualmente, cerca de 2,9 mil pessoas vivem nas ilhas.

ZAP / BBC

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. Os covardes dos militares argentinos só são valentes contra os fracos. Contra verdadeiros homens (os soldados ingleses) até se b0rraram.

  2. Como leitor assíduo, sugiro que melhorarem o português das vossas notícias. Usem a palavra “controlo” e não “controle”! Não precisamos de galicismos. E escrevam “2900” e não “2,9 mil” pessoas. “2,9 mil pessoas” lê-se: duas unidades e nove décimas de mil pessoas.

  3. A guerra das Falkland (Malvinas) foi uma das últimas guerras entre países modernos e ditos civilizados. É evidente que o RU tem uma lei para si e outra para os outros países – caso por exemplo de Gibraltar….

    Para todos os efeitos, nada justifica uma invasão à má-fé e que levou ao exercício do poder bruto e força desmesurada na respectiva retaliação.

    Acredito piamente que o RU também o fez porque teve o apoio encapotado dos USA…..

    • Apoio encapotado? Totalmente assumido! Nunca o esconderam, visto à luz da Lei internacional as Malvinas são território britânico, após os argentinos terem hesitado e abandonado as ilhas no século XIX! É que os ingleses não como os portugueses que abandonam tudo ou desistem por esta ou aquela palha!

RESPONDER

Nova aplicação deteta insuficiência cardíaca através da voz

Foi desenvolvida uma nova aplicação para smartphones que prevê a insuficiência cardíaca através da voz. A tecnologia baseia-se num dos sintomas mais comuns: a falta de ar. O sintoma mais comum da insuficiência cardíaca é a …

Atividade física ajuda a prevenir a perda de visão

Uma nova investigação sugere que o exercício físico pode ser um componente-chave na prevenção da perda de visão. Os benefícios da atividade física são cada vez mais conhecidos, mas há alguns que devem ser tidos em …

Dubai vai construir uma cidade marciana no deserto

O Dubai tem em mãos um projeto ambicioso: a construção de uma cidade marciana. O projeto foi apresentado por uma empresa sediada em Copenhaga e Nova Iorque e é uma parte do plano dos Emirados …

Coreia do Norte voltou a rejeitar negociações com os Estados Unidos

A Coreia do Norte disse, esta terça-feira, que não tenciona retomar o diálogo com os Estados Unidos, quando o vice-secretário de Estado norte-americano, Stephen Biegun, chegou à Coreia do Sul para discutir diplomacia nuclear. Num comunicado …

Construiu uma cadeira de rodas com bicicletas elétricas para a namorada. Agora, vai produzi-la em massa

Para Zack Nelson, construir esta  peça inovadora de engenharia foi "super divertido e surpreendentemente simples". Há cerca de um ano, Zack Nelson, o youtuber de tecnologia do canal JerryRigEverything, uniu duas bicicletas elétricas para criar uma …

A reeleição de Trump nunca esteve tão ameaçada. A culpa é do pessimismo dos americanos

A gestão do Presidente norte-americano face à pandemia e a perspetiva de uma crise económica ameaçam a reeleição de Donald Trump. Um estudo de opinião da Fundação Peter G Peterson para o The Financial Times indica …

Ministros da Indonésia promovem colar de eucalipto como cura para a covid-19

O ministro da Agricultura da Indonésia foi muito criticado por especialistas por alegar que um colar feito de eucalipto pode ajudar a impedir a transmissão da covid-19. Segundo o The Guardian, o ministro da Agricultura da …

SATA pede auxílio ao Estado no valor de 163 milhões de euros

A SATA, companhia aérea detida a 100% pela Região Autónoma dos Açores, precisa do valor até ao final do ano para pagar dívidas. A SATA pediu um auxílio ao Estado de 163 milhões de euros para …

Cortiça portuguesa usada em foguetões da Space X

A Corticeira Amorim forneceu a Space X, de Elon Musk, para componentes usados nos foguetões espaciais da empresa, adiantou o presidente da empresa, António Rios Amorim. "É o nosso maior cliente [deste segmento] neste momento desde …

Pandemia põe em risco mais de 40% dos empregos no Algarve

Além do Algarve, outros destinos turísticos europeus, como ilhas do sul da Grécia, Canárias e Baleares, estão também em risco. As regiões onde o turismo tem mais peso enfrentam um risco maior de destruição de emprego, …