Uma Arca de Noé de micróbios podia salvar a humanidade

IRRI Images / Flickr

Uma equipa de investigadores está a sugerir a criação de um cofre global de microbiota para proteger a saúde da humanidade a longo prazo.

Além do óbvio, o corpo humano é também composto por um conjunto de bactérias, vírus e fungos – nomes que, num primeiro contacto, tendemos a conotar com uma carga negativa. No entanto, estes biliões de microrganismos são-nos essenciais.

Todavia, e porque nem na biologia o mundo é cor-de-rosa, há muitos micróbios que correm o risco de desaparecerem, como acontece com muitas espécies de animais. Este desaparecimento colocam em perigo a saúde da humanidade a longo prazo, alerta um grupo de investigadores.

Para contornar a situação, os cientistas propõem a criação de uma espécie de Arca de Noé de micróbios. O artigo científico foi publicado recentemente na Science.

Os cientistas sugerem então que estes microrganismos sejam recolhidos junto de populações que vivem em locais muito afastados, e que, desta maneira, não estejam em contacto com antibióticos, alimentos processados e outras ameaças inerentes à vida moderna.

Mas porquê? De acordo com os cientistas, quem vive nas sociedades urbanas está a perder a sua diversidade de micróbios. Para ilustrar esta problemática dão o exemplo dos americanos, que têm metade dos micróbios intestinais dos cidadãos da Amazónia.

O Science Daily refere que a equipa compara a sua solução ao “Svalbard Global Seed Vault”, um banco de armazenamento mundial de sementes, que foi criado para ser usado em caso de desastres naturais ou provocados pelo Homem.

Maria Gloria Dominguez-Bello, principal autora do estudo e professora na Universidade Rutgers, alerta para o facto de “estarmos a enfrentar uma crise global de saúde, que exige que capturemos e preservemos a diversidade do microbioma humano, enquanto ela ainda existir”.

“Estes micróbios co-evoluíram com os humanos durante centenas de milénios. Ajudam-nos a ingerir alimentos, a fortalecer o nosso sistema imunitário e protegem-nos contra germes invasores. Durante gerações, vimos uma enorme perda de diversidade microbiana associada a um aumento mundial de doenças autoimunes e outras”, explica a cientista.

Este banco de microrganismos, defende o estudo, seria a estratégia ideal a adotar para a prevenção de doenças futuras, graças à reintrodução de micróbios perdidos.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Mais de 50 jornalistas subscrevem abaixo-assinado em defesa de Maria Flor Pedroso

Mais de 50 jornalistas, entre os quais Adelino Gomes, Henrique Monteiro, Anabela Neves e Francisco Sena Santos, subscreveram esta sexta-feira um abaixo-assinado em defesa da jornalista Maria Flor Pedroso, diretora de informação da RTP. "Confrontados com …

O maior sítio arqueológico submerso do mundo mora no México (e está a surpreender os especialistas)

Uma equipa de especialistas está a explorar há cerca de quatro anos o Grande Aquífero Maia, localizado no México, e tem feito descobertas surpreendentes que vão desde numerosos sítios arqueológicos a vestígios de homens primitivos.  Durante …

Passes baixam para 70 e 80 euros para utentes da região Oeste

Os passes nos transportes públicos para Lisboa vão baixar para 70 euros para utentes de Alenquer, Arruda dos Vinhos, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras, e para 80 euros dos restantes concelhos da região. A …

Parar de comer quando se está cheio nem sempre é fácil (e há uma razão para isso)

Com alguns alimentos, parar de comer — mesmo quando se está cheio — nem sempre é fácil. Isto porque algumas destas comidas podem ter sido feitas de forma a que tal aconteça. Nenhum alimento é criado …

Há milhares de misteriosos buracos no fundo do mar da Califórnia

Surgiu um novo mistério perto da costa de Big Sur, na Califórnia, no fundo do Oceano Pacífico: há milhares de pequenos fragmentos redondos retirados dos sedimentos do fundo do mar.   A descoberta foi feita como parte …

NASA apresenta "mapa do tesouro" para encontrar água em Marte

Uma equipa de cientistas da NASA elaborou um mapa da água congelada que existe em Marte e que se acredita estar a apenas 2,5 centímetros abaixo da superfície do Planeta Vermelho - isto é, à …

Já se sabe como é que planetas florescem a partir de pequenos pedaços de poeira

Uma equipa de investigadores validou uma teoria que pode explicar como é que os planetas crescem a partir de pequenos pedaços de poeira interestelar. O crescimento de um pequeno pedaço de poeira até um planeta inteiro …

Rainha Isabel II está a procura de um gestor de redes sociais

A família real britânica está à procura de um gestor de redes sociais. O salário vai oscilar entre os 53 e 59 mil euros anuais por 37 horas semanais, de segunda a sexta-feira. A rainha Isabel II …

Cinco antepassados de crocodilos viveram há 150 milhões de anos na Lourinhã

Pelo menos cinco crocodilomorfos, antepassados dos crocodilos, viveram na região da Lourinhã há 150 milhões de anos, durante o período do Jurássico. Num artigo publicado na Zoological Journal of the Linnean Society, os paleontólogos Alexandre Guillaume, …

A radiação de Chernobyl está a deixar as abelhas esfomeadas (e isso é má notícia)

Apesar de não haver humanos na Zona de Exclusão de Chernobyl, a área em torno da cidade ucraniana de Pripyat onde a Central Nuclear de Chernobyl entrou em colapso em 1986, e apesar do nível …