/

Alunos universitários estarão a contrair covid-19 de propósito (para vender o seu próprio plasma)

A Universidade Brigham Young-Idaho, nos Estados Unidos, lançou uma investigação após relatos de alunos que potencialmente contraíram a covid-19 para que pudessem vender o seu próprio plasma.

“A BYU-Idaho está profundamente preocupada com relatos de indivíduos que se expuseram intencionalmente ou a outras pessoas à covid-19, com a esperança de contrair a doença e serem pagas pelo plasma que contém anticorpos contra covid-19”, escreveu a universidade num comunicado. “A universidade condena esse comportamento e está à procura ativamente evidências de tal conduta entre o nosso corpo discente.”

De acordo com o jornal britânico The Independent, se a investigação confirmar que um estudante procurou ativamente contrair o vírus para vender o seu próprio plasma, o aluno poderia ser suspenso e potencialmente expulso da universidade.

“A contração e propagação do covid-19 não é uma questão leve”, escreveu a escola. “Pedimos a todos os membros da comunidade do campus que ajam com respeito e responsabilidade, observando todos os protocolos universitários e de saúde pública e colocando o bem-estar dos outros acima do benefício ou conveniência pessoal”.

O comunicado da universidade foi publicado apesar de um funcionário do departamento de saúde local ter dito à CNN que não há provas de que esta prática esteja, de facto, a acontecer.

Atualmente, 109 alunos da BYU-Idaho testaram positivo para a covid-19. A escola alertou que pode ser forçada a mudar as aulas presenciais para online se os casos continuarem a aumentar no campus e em todo o estado.

Esta situação surge numa altura em que centros locais de plasma em Idaho se terão alegadamente oferecido a pagar pelas doações.

O plasma está em alta demanda desde o início da pandemia, uma vez que o líquido rico em anticorpos pode ser usado para tratar pacientes com covid-19 gravemente doentes.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.