Ministra Alexandra Leitão prefere app facultativa (e não fecha a porta a aumentos na Função Pública)

José Sena Goulão / Lusa

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, preferia que a aplicação Stayaway Covid não fosse obrigatória. Em relação à Função Pública, a governante explicou que não estão previstos aumentos salariais em 2021, mas admite que tal possa vir a mudar.

Em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1, a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, referiu que, “pessoalmente”, preferia que a aplicação Stayaway Covid não fosse obrigatória. “Para ser clara, eu prefiro uma solução que mantenha [a aplicação] facultativa, se assim for possível”, disse a ministra.

Na semana passada, o Governo remeteu ao Parlamento uma proposta que prevê a obrigatoriedade da aplicação, com multas entre os 100 e os 500 euros em caso de incumprimento. O diploma deverá ser discutido pelos deputados na sexta-feira, dia 23.

Questionada sobre se existe alguma orientação para que o Executivo de António Costa instale a aplicação, a ministra recusou responder. “Relativamente a mim em concreto? Com toda a simpatia, vou declinar responder a essa pergunta.”

“Acho que é uma questão do foro pessoal e que não deve ser escrutinada publicamente por ninguém se A ou B tem a aplicação”, acrescentou a governante.

Ainda assim, vaticinou que a sua posição não significa que discorde da proposta aprovada em Conselho de Ministros. “Não foi isso que eu disse. É preciso que o discurso das liberdades seja feito”, justificou, garantindo que o principal objetivo do Governo era levar a Assembleia da República a discutir todas estas questões.

Em relação à Função Pública, Alexandra Leitão não dá como fechadas as negociações para aumentar salários em 2021. Por agora, não estão previstos, mas a ministra admite que tal possa vir a mudar, tanto em sede de negociação suplementar com os sindicatos, como em sede de negociação orçamental.

No ano passado, lembrou, os aumentos só ficaram fechados depois do Orçamento do Estado e da sua votação final. “O que aconteceu no ano passado foi que, após um conjunto de negociações tidas na Assembleia da República, verificou-se que havia uma folga, tornámo-nos a sentar à mesa para definir como é que essa folga era utilizada”, referiu.

Na entrevista, Alexandra Leitão disse também que, no próximo ano, quer cumprir a regra de uma entrada por cada saída na Função Pública para reforçar outros setores além da Saúde e assegurou que vai lutar para que se inicie a discussão em torno da tabela remuneratória única.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

22 mil pessoas vão assistir (no estádio) ao Super Bowl

Um terço das pessoas presentes será composto por profissionais de saúde. Quatro equipas ainda na luta pelo título do campeonato principal de futebol americano. O dia 7 de fevereiro vai contar com uma "visão rara" nos …

Investigadores "voltam atrás no tempo" para calcular idade e local de explosão de supernova

Os astrónomos estão a "voltar atrás no tempo" num remanescente de supernova. Usando o Telescópio Espacial Hubble da NASA, refizeram o percurso dos estilhaços velozes da explosão a fim de calcular uma estimativa mais precisa …

Cientista dos EUA acredita que o monstro do Lago Ness pode ser uma antiga tartaruga marinha

Um importante cientista dos Estados Unidos acredita que desvendou o mistério do Monstro de Lago Ness e pensa que a criatura é uma espécie ancestral de tartaruga marinha. Henry Bauer, professor aposentado de Química e Estudos …

Biden quer banir uma palavra das leis de imigração dos Estados Unidos

Se o projeto de lei proposto por Joe Biden, recém-eleito Presidente dos Estados Unidos, for aprovado, a palavra alien ("estrangeiro") vai desaparecer das leis de imigração norte-americanas, sendo substituída pelo termo noncitizen ("não cidadão"). A …

“As pessoas são mortas na mesquita, na rua e no trabalho". Em Cabul, reina o medo

Os assassínios seletivos de jornalistas, políticos e defensores dos direitos humanos são cada vez mais frequentes no país, com Cabul e várias províncias a registarem um aumento da violência nos últimos meses. O medo está …

"Fiquem em casa". Enfermeiros deixam "grito de alerta desesperado" aos portugueses

A Ordem dos Enfermeiros lançou esta sexta-feira uma campanha de sensibilização a apelar aos portugueses para ficarem em casa, afirmando que é “um grito de alerta desesperado face à situação de catástrofe que se vive …

Senado francês aprovou lei que protege os sons e cheiros do campo

O Senado francês aprovou a lei, esta quinta-feira, que protege o "património sensorial" das áreas rurais do país, depois de várias queixas sobre os ruídos e cheiros típicos do campo. De acordo com o canal televisivo …

Identificado em Portugal o primeiro caso da variante da África do Sul

O primeiro caso de covid-19 associado à variante genética da África do Sul foi identificado esta sexta-feira em Portugal pelo Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA), adiantou à agência Lusa a instituição. O caso identificado …

Está a nascer o primeiro comboio português a hidrogénio (e vai substituir o Vouguinha)

Já arrancou o projecto para o desenvolvimento do primeiro comboio português a hidrogénio. A iniciativa visa transformar as automotoras a gasóleo que circulam na Linha do Vouga - o comboio chamado Vouguinha - por células …

Guardiola diz que Bernardo Silva "sempre foi importante" para City

O treinador Pep Guardiola disse esta sexta-feira que o português Bernardo Silva “está de volta” ao melhor nível e que “sempre foi importante" para o Manchester City, depois de ter "sentido" dificuldades na temporada passada. “Ele …