Ministra Alexandra Leitão prefere app facultativa (e não fecha a porta a aumentos na Função Pública)

José Sena Goulão / Lusa

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, preferia que a aplicação Stayaway Covid não fosse obrigatória. Em relação à Função Pública, a governante explicou que não estão previstos aumentos salariais em 2021, mas admite que tal possa vir a mudar.

Em entrevista ao Jornal de Negócios e à Antena 1, a ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública, Alexandra Leitão, referiu que, “pessoalmente”, preferia que a aplicação Stayaway Covid não fosse obrigatória. “Para ser clara, eu prefiro uma solução que mantenha [a aplicação] facultativa, se assim for possível”, disse a ministra.

Na semana passada, o Governo remeteu ao Parlamento uma proposta que prevê a obrigatoriedade da aplicação, com multas entre os 100 e os 500 euros em caso de incumprimento. O diploma deverá ser discutido pelos deputados na sexta-feira, dia 23.

Questionada sobre se existe alguma orientação para que o Executivo de António Costa instale a aplicação, a ministra recusou responder. “Relativamente a mim em concreto? Com toda a simpatia, vou declinar responder a essa pergunta.”

“Acho que é uma questão do foro pessoal e que não deve ser escrutinada publicamente por ninguém se A ou B tem a aplicação”, acrescentou a governante.

Ainda assim, vaticinou que a sua posição não significa que discorde da proposta aprovada em Conselho de Ministros. “Não foi isso que eu disse. É preciso que o discurso das liberdades seja feito”, justificou, garantindo que o principal objetivo do Governo era levar a Assembleia da República a discutir todas estas questões.

Em relação à Função Pública, Alexandra Leitão não dá como fechadas as negociações para aumentar salários em 2021. Por agora, não estão previstos, mas a ministra admite que tal possa vir a mudar, tanto em sede de negociação suplementar com os sindicatos, como em sede de negociação orçamental.

No ano passado, lembrou, os aumentos só ficaram fechados depois do Orçamento do Estado e da sua votação final. “O que aconteceu no ano passado foi que, após um conjunto de negociações tidas na Assembleia da República, verificou-se que havia uma folga, tornámo-nos a sentar à mesa para definir como é que essa folga era utilizada”, referiu.

Na entrevista, Alexandra Leitão disse também que, no próximo ano, quer cumprir a regra de uma entrada por cada saída na Função Pública para reforçar outros setores além da Saúde e assegurou que vai lutar para que se inicie a discussão em torno da tabela remuneratória única.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Mais de dois milhões de vacinas da gripe começam hoje a ser administradas

A vacinação contra a gripe arranca esta segunda-feira em Portugal, mais cedo do que o habitual devido à pandemia de covid-19, havendo 2,24 milhões de vacinas para serem distribuídas gratuitamente a grupos de risco pelo …

Cientistas encontram galáxias massivas primitivas "sem combustível"

As primeiras galáxias massivas - aquelas que se formaram nos três mil milhões de anos após o Big Bang - deveriam conter grandes quantidades de gás hidrogénio frio, o combustível necessário para fabricar estrelas. Contudo, os …

Cientistas criam frango impresso em 3D (e que é cozinhado através de lasers)

Uma equipa de engenheiros da Universidade de Columbia mostrou que diferentes tipos de lasers podem ser usados ​​para cozinhar frango impresso em 3D. De acordo com um comunicado de imprensa, o frango impresso a 3D passou …

"Contra tudo e contra todos". Moedas fez história em Lisboa

O cabeça de lista da coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança à Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, afirmou hoje ter vencido “contra tudo e contra todos”, porque “a democracia não tem dono”, agradeceu o “voto de confiança” e comprometeu-se …

Ventura admite que “vitória não foi total” ao falhar objetivo de ficar em terceiro

O líder do Chega admitiu hoje que a “vitória não foi total” nas autárquicas de domingo, ao falhar o objetivo de ser a terceira força política, mas defendeu que se “fez história” em Portugal, recusando …

Liveblog Autárquicas. Carlos Moedas ganha Lisboa

Realizam-se este domingo Eleições Autárquicas em Portugal, nas quais está em jogo a eleição de 308 presidentes de câmaras municipais, os seus vereadores e assembleias municipais, bem como 3091 assembleias de freguesia. Acompanhe tudo no …

Contra a "vigarice" das sondagens, "o PSD teve um excelente resultado"

O PSD conseguiu todos os objectivos a que se propôs nestas eleições autárquicas, segundo Rui Rio. O presidente do PSD considera que o partido teve "um excelente resultado" contra a "vigarice" das sondagens e "contra …

Medina assume derrota em Lisboa. "É uma indiscutível vitória de Carlos Moedas"

Fernando Medina acaba de assumir a derrota nas eleições autárquicas, felicitando Carlos Moedas pela vitória na Câmara de Lisboa. "É uma indiscutível vitória pessoal e política de Carlos Moedas", sublinha Medina. "Foi um privilégio servir esta …

Costa: "PS continua a ser o maior partido autárquico nacional"

António Costa canta vitória nas eleições autárquicas, apesar de ainda não se conhecerem os resultados finais de Lisboa, Sintra e Loures. Para o secretário-geral socialista, não há dúvida de que o "PS continua a ser …

O "primeiro amarelo" para Costa e o "CDS superou todos os objectivos"

"O CDS superou todos os objectivos a que se propôs nestas autárquicas". É assim que Francisco Rodrigues dos Santos, líder do CDS-PP, canta vitória, considerando que António Costa "viu o seu primeiro cartão amarelo". Na reacção …