Alexander Lukashenko reeleito para sexto mandato. Noite de eleições marcada por confrontos com a polícia

Tatyana Kenkovich / EPA

O chefe de Estado cessante da Bielorrússia, Alexander Lukashenko, foi reeleito para um sexto mandato ao vencer as presidenciais com 80,23% dos votos. A noite de domingo foi marcada por protestos antigovernamentais e confrontos com a polícia. 

Manifestantes antigovernamentais envolveram-se na noite deste domingo em confrontos com a polícia em Minsk, que utilizou granadas sonoras antimotim e canhões de água, referiam media russos e bielorrussos, na sequência de eleições presidenciais, realizadas sob grande tensão.

A agência noticiosa russa Ria Novosti divulgou estes confrontos, à semelhança dos media bielorrussos da oposição tut.by, Nacha Niva e Nexta, nos arredores do monumento Stella da capital.

Um jornalista da AFP disse ter escutado a explosão de granadas sonoras perto deste local e viu forças policiais, equipadas com escudos, em direção aos manifestantes. O local dos protestos estava, no entanto, inacessível devido a um forte dispositivo policial. Segundo os mesmos media, também ocorreram várias detenções.

Vídeos filmados por testemunhas e divulgados pela Nacha Niva e Nexta, nas redes sociais, mostravam grupos de manifestantes a concentrarem-se nas ruas, com as forças policiais e tentarem dispersá-los com recurso à força. Diversos manifestantes desafiavam os cordões policiais, agitando bandeiras da oposição, junto aos cordões policiais, que impediam o acesso a numerosas ruas do centro de Minsk.

Segundo os media bielorrussos da oposição, também decorreram manifestações em numerosas cidades do país do leste europeu.

A campanha eleitoral para as presidenciais foi assinalada por uma mobilização sem precedentes em apoio de Svetlana Tikhanovskaia, sem experiência política prévia.

Na noite deste domingo, Tikhanovskaia considerou ser apoiada pela “maioria” dos cidadãos, ao referir não acreditar nas projeções oficiais que fornecem larga vantagem ao Presidente Alexander Lukashenko. “Acredito no que veem os meus olhos e vejo que a maioria está connosco”, disse Svetlana Tikhanovskaia, ao reagir perante os media à difusão das sondagens realizadas à saída das assembleias de voto e que atribuem 79,7% dos sufrágios ao atual chefe de Estado, no poder há 26 anos.

De acordo com a agência noticiosa estatal Belta, a candidata da oposição unificada, Svetlana Tikhanovskaia, terá obtido, segundo as sondagens, 6,8%, resultado muito inferior ao previsto por diversos analistas. No entanto, a Comissão Eleitoral da Bielorrússia indicou que várias assembleias de voto, que deveriam ter encerrado às 20h locais (18h em Lisboa), continuavam abertas devido à grande afluência de eleitores.

Antes dos confrontos, o Governo bielorrusso tinha destacado várias equipas das forças de segurança para as ruas de Minsk, que bloquearam estradas e ruas de acesso ao centro da capital e posicionavam-se junto de edifícios públicos, enquanto surgiam apelos na televisão estatal para que as pessoas não saiam de casa.

Desde a chegada de Alexander Lukashenko ao poder, em 1994, nenhuma corrente da oposição conseguiu afirmar-se na paisagem política bielorrussa. Muitos dos seus dirigentes foram detidos, à semelhança do que sucedeu neste escrutínio, e em 2019 nenhum opositor foi eleito para o parlamento.

Os resultados das últimas quatro eleições presidenciais não foram reconhecidos como justos pelos observadores da Organização para a Segurança e a Cooperação na Europa (OSCE), que denunciaram fraudes e pressões sobre a oposição.

Pela primeira vez desde 2001, e por não ter recebido um convite oficial a tempo, a OSCE não esteve presente na votação para acompanhar os resultados.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. É a democracia a funcionar, 80% do povo votante elege (ou reelege) um dirigente e quase 20% do +povo votante restante contesta e arma rebuliço.
    Já aconteceu outras vezes, caso Trump, caso Bolsonaro, e muitos outros.
    É a isto que chamam democracia?

    • Piada ou ignorância??
      Espero bem que seja a primeira…
      A Bielorrússia é basicamente uma ditadura, tipo a Rússia de Putin!
      Com a ajuda do Putin, este louco está no poder há 26 anos…
      O Trump e o Bolsonaro são ditadores do mesmo género (embora mais ignorantes e alicinados) e, só não fazem o mesmo nos seus países porque, felizmente, por lá ainda vai havendo alguma democracia!…

      • Obrigado professor iluminado, sou tão burro que nem sabia que era uma ditadura, é preciso um Eu! para me ensinar essas coisas.
        Está há 26 anos no poder mas, excluindo algumas fraudes eleitorais, o povo votou nele em massa, até prova em contrário, o que faz dele um louco, mas o povo tem juízo e vota em consciência.
        Vou deixar de comentar por aqui, só recebo críticas de idiotas egocêntricos que se julgam iluminados e detentores do conhecimento absoluto.

        • Recebes críticas porque escreves disparates!!
          E, se não aguentas as críticas às asneiras que escreves, o melhor é mesmo não comentares…
          Só alguém que não sabe quem é o Lukashenko, nem faz ideia do que se passa na Bielorrússia, é que escreve um disparate como: “É a democracia a funcionar”!…

RESPONDER

Governo "devolve" 59 milhões em TSU às empresas para compensar aumento do salário mínimo

O Governo vai "compensar" as empresas em aproximadamente 59,2 milhões de euros devido ao aumento do salário mínimo nacional, estimou o ECO, tendo por base os dados avançados pelo Executivo aos parceiros sociais. De acordo com …

Decisões tardias, jogos políticos ou desinformação. Por que razão a República Checa não está a conseguir fugir da pandemia

Numa altura em que vários países da Europa começam a pensar em desconfinar, o oposto acontece na República Checa. O país já ultrapassou as 20 mil mortes e volta a entrar num novo confinamento. Mas …

Ministério Público abre inquérito para averiguar adjudicações de vereador de Coimbra

A Procuradoria-Geral da República afirmou esta terça-feira que instaurou um inquérito para averiguar as alegadas adjudicações feitas pelo vereador Jorge Alves, que renunciou ao cargo, nos Transportes Urbanos de Coimbra a uma empresa detida pelo …

Reino Unido. Dados sobre assassinos e violadores não foram enviados para a UE

A condenação no Reino Unido de 109 assassinos, 81 violadores e um indivíduo que cometeu ambos os crimes não foi transmitida aos países da União Europeia (UE) devido a uma falha informática e ao consequente encobrimento …

Vaga de frio no Texas. Mulher processa empresa de energia depois de receber conta de 9.000 dólares

Uma mulher residente no estado do Texas, nos Estados Unidos, avançou com uma ação coletiva de mil milhões de dólares contra o seu fornecedor de energia depois de a empresa apresentar uma conta de eletricidade …

Sérgio Conceição elogia SC Braga e fala de pessoas "subservientes" que querem "tachinhos"

Na antevisão do jogo com o SC Braga, marcado para esta quarta-feira, a contar para a segunda mão das meias-finais da Taça de Portugal, Sérgio Conceição referiu-se a algumas incidências do último dérbi, mostrou-se desagradado …

Arábia Saudita. Repórteres sem Fronteiras pedem acusação do príncipe herdeiro pela morte de Khashoggi

A organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) entrou com uma ação judicial na Alemanha, na qual pede a acusação do príncipe herdeiro saudita Mohammed Bin Salman por crimes contra a humanidade, incluindo o assassinato do jornalista …

População prisional reduziu 18% nos últimos quatro anos

A ministra da Justiça salientou hoje que, nos últimos quatro anos, a população prisional baixou de 13.779, no final de 2016, para 11.300 no final de 2020, o que traduz uma redução de cerca de …

"A rebeldia de João Félix". Imprensa espanhola destaca o temperamento do avançado

João Félix volta a ser o centro das atenções da imprensa desportiva espanhola, depois de na última jornada da La Liga o internacional português celebrar o seu golo com recurso a alguns palavrões em direção …

Debaixo de fogo devido a comparações a Hitler, Amazon altera ícone da sua aplicação

A Amazon mudou o novo logótipo da sua aplicação de smartphone depois de várias vozes críticas terem comparado a imagem ao ditador alemão Adolf Hitler. A gigante do comércio eletrónico lançou o novo ícone em janeiro …