As alergias alimentares estão a tornar-se cada vez mais comuns em todo o mundo

As alergias alimentares podem ser fatais e estão a disparar em todo o mundo, sobretudo nos países mais ricos. A mudança de hábitos alimentares e a falta de exposição a alergénios nos primeiros anos de vida podem explicar esse aumento.

Ingerir pequenas quantidades de um alimento a que se é alérgico pode desencadear urticária, edemas e dores de estômago, mas uma dose maior pode causar anafilaxia – uma reação grave, acompanhada de falta de ar e diminuição da pressão sanguínea.

De acordo com Cristopher Warren, autor de vários estudos sobre alergias alimentares, nos últimos anos “as admissões em urgências devido a anafilaxia induzida por alimentos aumentaram substancialmente nos EUA e na Europa”, noticia o Expresso.

Os grades responsáveis pela maioria desses internamentos são frutos secos (amendoim e nozes), peixe, leite, ovo, marisco, soja, trigo e sementes.

Mas, em Portugal, as alergias mais frequentes nos jovens são não só ao marisco e frutos secos, mas também aos frutos da família das rosáceas (pêssegos, maçãs, ameixas e cerejas), de acordo com a imunoalergologista Célia Costa.

Ultimamente, não só tem aumentado a prevalência das alergias, como se alargou o espectro de alimentos que as causam.

“Têm surgido novas alergias porque os hábitos alimentares têm mudado e, quanto maior for a exposição maior é a probabilidade de uma reação alérgica”, explica Alexandra Santos, professora de Alergia Pediátrica na King’s College London.

“Há um sério e preocupante aumento dos distúrbios alérgicos nos últimos anos”, alerta Graham Rook, professor de Ciências Biomédicas na University College London, em declarações ao Expresso.

Mas qual é a razão? E o que se pode fazer para evitar?

“Há um problema de falha de controlo do sistema imunológico. O processo de aprender a tolerar ocorre sobretudo nos primeiros anos de vida, quando as crianças desenvolvem populações de linfócitos T reguladores, uma espécie de polícia que desliga a resposta imunológica. Para os gerar a criança deve ser exposta a esse alergénio por via oral nos primeiros tempos de vida”, sublinha o investigador.

Depois de décadas a adiar a introdução de alimentos na infância, estudos revelam agora que dar amendoim a crianças até aos 11 meses reduz em 80% o risco de desenvolverem alergia ao fruto seco.

Introduzir amendoim, ovo e leite de vaca entre os quatro e os seis meses de idade é recomendado e “não se deve evitar nenhum alimento em particular durante a gravidez ou amamentação para prevenir a alergia”, adianta Alexandra Santos.

A vitamina D, assegurada pela exposição ao sol, é igualmente importante. Um estudo comprovou que bebés com baixo teor de vitamina D eram mais propensos a ter alergia ao ovo ou ao amendoim.

Além disso, ter cães também “parece diminuir o risco de uma criança desenvolver alergia”, o que está incluído numa lógica mais ampla de que é importante expor o sistema imunológico a uma variedade de micróbios no início da vida, para que possa desenvolver-se adequadamente.

O parto normal, que expõe o bebé aos microrganismos da flora vaginal, é fundamental para a prevenção primária. “A nossa espécie (e sistema imunológico) evoluiu em conjunto com uma ampla gama de micróbios que viviam em redor e dentro de nós, mas nas últimas décadas começámos a tratá-los como patógenos que precisam de ser eliminados”, explica Christopher Warren.

As alergias alimentares continuam, no entanto, a ser difíceis de diagnosticar, nomeadamente porque “há uma variedade de outras condições não alérgicas que podem resultar em sintomas semelhantes, como a intolerância alimentar, a intoxicação alimentar ou a doença celíaca”, adianta o investigador.

“A alergia alimentar é uma reação mediada pelo sistema imunológico, que reconhece uma substância que até pode ser banal como uma coisa estranha e desencadeia uma reação imunitária de rejeição”, explica Célia Costa.

“Na intolerância não há mecanismo imunológico, mas uma reação adversa que muitas vezes depende da quantidade. Ou seja, há um limiar de tolerância para cada pessoa”, diz, referindo que os sintomas são exclusivamente gastrointestinais, não havendo o risco de anafilaxia.

Mas, por enquanto, “a única forma de diagnosticar [as alergias] com segurança é conduzir um desafio alimentar oral, que envolve alimentar cuidadosamente o paciente com o alergénio suspeito”, explica Cristopher Warren.

“Obviamente, isso pode ser perigoso, demorado e caro, por isso tanto pacientes como médicos são relutantes em realizá-los. Em vez disso, são usados testes de sangue ou de picada na pele, ambos com taxas muito altas de falsos positivos“, diz o professor.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Presidente de associação solidária acusado de violar e escravizar mulheres em situações precárias

O presidente da associação "Paz no Coração" está a ser acusado por 60 crimes sexuais. Atualmente, encontra-se em prisão preventiva. Alfredo Marques Carvalho, líder da associação, acolhia vítimas de violência doméstica, atiradas para a rua com …

Sócrates sai em defesa de Vieira. Em Portugal, "prende-se primeiro e pergunta-se depois"

Em Portugal, "prende-se primeiro e pergunta-se depois", considera o antigo primeiro-ministro José Sócrates, num artigo de opinião publicado esta segunda-feira no qual reage às detenções de Luís Filipe Vieira e Joe Berardo. "Tudo igual, tudo igual, …

Thomas Daley: o ouro para quem sofreu muito

Bullying na escola, morte do pai, homossexualidade, incapaz de caminhar. Thomas Daley venceu uma prova de saltos para a água, em Tóquio, ao lado do também britânico Matty Lee. Surpresa nos saltos para a água, nos …

Depois de uma época dourada, Portugal cai sete lugares no ranking da inovação

A economia nacional caiu sete posições, naquela que é a primeira inversão na trajetória ascendente desde 2014. Apesar do recuo, Portugal melhorou em 18 dos 32 indicadores. A notícia, avançada esta segunda-feira pelo jornal Público, dá …

Mortes de crianças com covid-19 disparam na Indonésia. No Reino Unido aumentam casos graves entre jovens

Médicos britânicos alertaram para o aumento do número de crianças e jovens infetados com covid-19 a dar entrada nos hospitais, apelando à vacinação para não "sofrerem desnecessariamente" com a evolução da doença. "Os doentes estão a …

Empresa portuguesa arrisca multa por enviar ilegalmente resíduos de plástico para a Roménia

Uma empresa portuguesa foi apanhada a enviar resíduos de plástico para a Roménia sem cumprir os requisitos necessários para o fazer. Segundo noticia o Público, a Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento …

Marcos Freitas e Fu Yu brilham no ténis de mesa, Yolanda Sequeira avança no surf

Do ténis de mesa ao surf, a armada portuguesa em Tóquio tem estado em destaque. Marcos Freitas, Fu Yu e Yolanda Sequeira progrediram nas suas respetivas competições. O português Marcos Freitas apurou-se hoje para os oitavos …

Um pouco por todo o mundo, protesta-se contra o "passaporte da escravidão" às vacinas

O fim-de-semana foi marcado por manifestações em Itália, na Grécia, na França, no Reino Unido e na Austrália contra as proibições a quem não tem certificados de vacinação ou testes PCR. Vários governos têm apertado as …

Benfica à procura de fazer cortes no ataque. Carlos Vinícius será o primeiro a cair

Carlos Vinícius continua a não fazer parte das contas de Jorge Jesus e deverá estar de saída. O Benfica quer reduzir o leque de avançados do clube. O Benfica continua a estudar o mercado à procura …

Governo proíbe salários de estagiários abaixo dos 532 euros

Uma das 64 medidas da Agenda do Trabalho Digno e Valorização dos Jovens no Mercado de Trabalho passa por eliminar uma norma que permite pagar pouco mais de 400 euros nos estágios profissionais. Assim, os estagiários …