/

Afinal, Adolf Hitler não tinha ascendência judaica

2

Heinrich Hoffmann / German Federal Archives

Desde o final da Segunda Guerra Mundial que existem muitas teorias de que Adolf Hitler é descendente de judeus. A questão tem sido alvo de um intenso debate entre vários historiadores, mas não há nenhuma justificação suficientemente palpável para a corroborar.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Adolf Hitler liderou um regime que massacrou milhões de pessoas em toda a Europa, onde as principais vítimas foram os judeus. Como tal, foi um choque quando o advogado do líder nazi, Hans Frank, afirmou, antes da sua execução em 1946, que o ditador tinha uma costela judaica.

Como advogado pessoal do Fuhrer, e governador-geral da Polónia durante a Segunda Guerra, Hans Frank acabou por ser executado durante os julgamentos de Nuremberga em 1946. Em 1953, sete anos depois, as suas memórias e declarações foram publicadas no livro Im Angesicht des Galgens.

O que não se esperava é que este pudesse conter uma revelação bombástica: Frank sugeriu que Adolf Hitler era descendente de judeus.

O braço direito dos nazis afirmou que realizou uma investigação sobre a árvore genealógica de Hitler a pedido do próprio em 1930. De acordo com Frank, o meio-sobrinho do ditador havia encontrado evidências da sua ascendência judaica e estava a usar essas informações para o ameaçar.

No livro é descrito que a avó paterna de Hitler, Maria Anna Schicklgruber, teria sido cozinheira de uma família judia em Graz, na Áustria. Durante este período, supostamente, Schicklgruber engravidou de um homem desconhecido e deu à luz o pai de Hitler, Alois Schicklgruber, em 1837. O bebé foi registado como uma “criança ilegítima” quando nasceu, uma vez que o paradeiro do seu pai era desconhecido.

Ao longo da sua vida, o Fuhrer sempre disse que Johann Georg Hiedler – o homem que se casou com Maria Anna Schicklgruber em 1842 – era o seu avô paterno e todos acreditavam nessa versão.

No entanto, contra todos os argumentos, Frank sugere que o pai de Alois era o filho do patrão de Maria Anna Schicklgruber, Frankenberger Sr.

Hans Frank garantiu que as cartas entre Schicklgruber e Frankenberger corroboravam essa teoria, já que este havia enviado dinheiro à jovem para pagar uma pensão de alimentos. O advogado sugeriu isso como uma evidência de que o avô paterno de Hitler era realmente judeu.

Contudo, e como realça o Ati, de acordo com a lei tradicional judaica, o status de judeu é apenas transmitido pela mãe. Uma vez que a suposta descendência de Hitler teria sido transmitida apenas através do seu pai, isso significaria que um ritual de conversão seria necessário para que este fosse considerado judeu.

PUBLICIDADE

Várias teorias sem fundamento

Durante a década de 1950, o autor alemão Nikolaus von Preradovich encontrou uma falha nos argumentos de Frank. Preradovich disse ter descoberto que “não havia judeus em Graz antes de 1856”, mas isso não impediu que a história sobre a herança genética de Hitler se difundisse.

A teoria da ascendência judaica de Hitler ressurgiu em 2019 quando o psicólogo Leonard Sax divulgou um artigo onde analisou a alegação. No estudo, publicado no Journal of European Studies, Sax revelou ter encontrado evidências nos arquivos austríacos de que havia de facto uma comunidade judaica em Graz antes de 1850, ao contrário do que tinha dito Preradovich.

De acordo com de Sax, Emanuel Mendel Baumgarten, um dos primeiros indivíduos judeus eleitos para o conselho municipal de Viena em 1861, havia pedido ao governador da Estíria – a província austríaca onde Graz está localizada – para levantar as restrições aos judeus que viviam na região.

Ainda assim, estas justificações não foram suficientes para provar que o avô paterno do ditador era judeu. Desta forma, a teoria da conspiração foi rejeitada por muitos historiadores.

O historiador Richard Evans, autor da Trilogia do Terceiro Reich, foi um dos especialistas que contestou o estudo de Sax. “Mesmo que houvesse judeus a viver em Graz na década de 1830, na época em que o pai de Adolf Hitler, Alois, nasceu, isso não prova nada”, explicou.

PUBLICIDADE

Evans recorda ainda que Frank teve um desentendimento com Hitler e estava a enfrentar uma sentença de morte, razões que o fazem acreditar que o advogado já não tinha nada a perder ao publicar um livro que, provavelmente, estava carregado de mentiras.

Além disso, Evans diz não haver nenhuma evidência de que a avó de Hitler esteve em Graz, nem qualquer prova de que uma família com o apelido “Frankenberger” estava a morar na zona durante esse período.

Também o historiador Ian Kershaw apontou, no livro Hitler 1889-1936: Hubris, lançado em 1998, que o homem que supostamente seria o avô de Hitler teria apenas 10 anos quando Alois nasceu.

Ao contrário de Hitler, Eva Braun, a sua companheira, tinha antepassados judeus. Em 2014, um documentário do canal britânico Channel 4 teve por base um cabelo que alegadamente pertenceu a Braun, no qual foi encontrado um fragmento de ADN transmitido pela linha maternal – o haplogrupo N1b1 – associado aos judeus asquenazim, de origem europeia.

  Ana Isabel Moura, ZAP //

2 Comments

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.