EUA preparam-se para deixar de reconhecer pessoas transgénero

A administração Trump está a considerar definir o género como uma condição biológica e imutável determinada pela genitália à nascença. Esta é a medida mais drástica do governo dos EUA para reverter o reconhecimento e a proteção de pessoas transgénero.

O governo de Barack Obama flexibilizou o conceito legal de género em programas federais, incluindo educação e saúde, reconhecendo o género em grande parte como uma escolha individual e não determinado pelo sexo atribuído no nascimento.

Agora, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos está a procurar estabelecer uma definição legal de género sob o Title IX, a lei federal de direitos civis que proíbe a discriminação de género em programas educacionais que recebem assistência financeira do governo, de acordo com o The New York Times.

O organismo argumentou que as agências governamentais tinham de adotar uma definição explícita e uniforme de género determinada “numa base biológica clara, fundamentada na ciência, objetiva e administrável”.

A definição proposta pela agência definiria o sexo como masculino ou feminino, imutável e determinado pelos órgãos genitais com que uma pessoa nasce. Qualquer disputa sobre o sexo de alguém teria de ser esclarecida com recurso a testes genéticos.

“Isso leva a uma posição em que o que a comunidade médica entende sobre os seus pacientes – o que as pessoas compreendem sobre si mesmos – é irrelevante porque o governo discorda”, disse Catherine Lhamon, que liderou o Departamento de Educação dos Direitos Civis do governo Obama.

A medida seria a mais significativa de vários esforços para excluir a população da proteção dos direitos civis e reverter o reconhecimento das pessoas transgénero. No ano passado, o governo tentou impedir que pessoas transgénero servissem nas forças armadas do país.

Várias agências retiraram as políticas de Obama que reconheciam a identidade de género em escolas, prisões e abrigos para sem-abrigo. A administração Trump tentou ainda remover questões sobre identidade de género de uma pesquisa dos censos de 2020 e de uma pesquisa nacional de cidadãos idosos.

As pessoas transgénero têm medo”, disse Sarah Warbelow, diretora jurídica da Human Rights Campaign, que luta pelos direitos LGBT. “Em cada passo em que a administração teve escolha, optaram por virar as costas às pessoas transgénero”. Para Catherine Lhamon, a definição proposta “simplesmente nega a humanidade das pessoas”.

Depois de mais de um ano de discussões, a saúde e os serviços humanos estão a preparar-se para apresentar formalmente a nova definição ao Departamento de Justiça antes do final do ano. Se o Departamento de Justiça decidir que a mudança é legal, a nova definição poderá ser aplicada nos estatutos do Title IX e em todas as agências governamentais.

As decisões anteriores do Procurador Geral Jeff Sessions sobre as proteções transgéneras deram aos defensores dos direitos civis pouca esperança de que o departamento impeça que a nova definição seja aplicada.

A definição, se aplicada, seria mais sentida nos balneários e casas de banho. Além disso, iria erradicar o reconhecimento federal de cerca de 1,4 milhões de norte-americanos (cerca de 0,7% da população dos EUA) que optaram por dar-se como um género diferente do que tinham à nascença.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

A fronteira mais importante da China é imaginária: a Linha Hu

A Linha Hu, também conhecida como linha Heihe-Tengchong, é uma linha imaginária que divida a China em duas partes com áreas quase iguais. Estende-se da cidade de Heihe até Tengchong. Desenhada pela primeira vez em 1935, …

Algumas pessoas moram em aeroportos durante meses (ou até mesmo anos)

Aeroportos não servem de casa apenas para os sem-abrigo. Há pessoas que, involuntariamente ou não, ficam lá durante meses e, em alguns casos, até mesmo anos. Em janeiro, as autoridades de Chicago prenderam um homem de …

Senado da Carolina do Sul aprova fuzilamento como método de execução

Com esta decisão, a Carolina do Sul poderá converter-se no quarto estado do país a incorporar este método de execução de pena de morte, depois do Utah, Oklahoma e Mississípi. De acordo com a agência noticiosa …

"Oxigénio tornou-se ouro". Criminosos lucram com a sua escassez no México

A pandemia de covid-19 deixou a Cidade do México a atravessar uma grande escassez de oxigénio médico. Criminosos estão a aproveitar para lucrar com a situação. A capital mexicana registou um pico de infeções e hospitalizações …

Meteorito do tamanho de um damasco caiu em França (e os astrónomos precisam de ajuda para encontrá-lo)

Os entusiastas do Espaço estão a ser instados a procurar um meteorito do tamanho de um damasco que caiu no fim de semana passado no sudoeste de França.  O meteorito, com peso estimado em 150 gramas, …

Professora pediu a alunos para fingir que eram escravos e escreverem carta para África

Uma professora de uma escola secundária no Mississippi, nos Estados Unidos, está a ser alvo de críticas devido a uma fotografia de um trabalho de casa divulgada nas redes sociais. Foi pedido aos alunos do 8.º …

Obra de Churchill que pertencia a Angelina Jolie vendida por valor recorde

O quadro pintado pelo antigo primeiro-ministro britânico foi vendido por 8,3 milhões de libras. A pintura foi um presente de Winston Churchill para o presidente dos Estados Unidos, Franklin D. Roosevelt, e agora foi leiloada …

Milhares fugiram, mas Sakae Kato ficou. O homem que salva gatos abandonados em Fukushima há 10 anos

Durante a última década, um homem em Fukushima, no Japão, tem salvado todos os gatos na área abandonada de onde milhares de pessoas fugiram durante o desastre da central nuclear - e ainda continua a …

Governador de Nova Iorque "reescreveu relatório" para esconder mortes em lares

  Assistentes do governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, terão reescrito um relatório das autoridades de saúde locais, no verão de 2020, que apontava para um número de mortes por covid-19 nos lares de idosos muito …

"Europa vai andar para trás". Pandemia faz "descarrilar conquistas de igualdade"

Empregos perdidos, horários de trabalho reduzidos e violência doméstica crescente provam que o impacto da pandemia foi mais forte nas mulheres e fez “descarrilar as conquistas de igualdade”, alerta o Instituto Europeu para a Igualdade …