Procuradores acusam Ivo Rosa de “minar” Operação Marquês

Manuel de Almeida / Lusa

O juiz Ivo Rosa

Os procuradores da Operação Marquês fizeram uma reclamação ao Tribunal da Relação de Lisboa porque entendem que o juiz Ivo Rosa está a reter os recursos interpostos pelo Ministério Público junto do Tribunal da Relação.

De acordo com a edição deste sábado do jornal Público, os procuradores do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), Rosário Teixeira e Vitor Pinto, acusam o juiz Ivo Rosa de “relegar a subida dos recursos (do Ministério Público) para o que se interpuser da decisão final, acabando por violar objetivamente a lei e deixar o processo seguir para o julgamento completamente ‘minado'”, no âmbito do debate instrutório da Operação Marquês, em que o principal arguido é José Sócrates.

A acusação é feita pelos dois procuradores numa reclamação enviada para o Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) a 20 de setembro, na qual contestam a decisão do juiz acerca do momento em que devem ser enviados para a Relação os recursos interpostos pelo Ministério Público.

Em junho deste ano, o juiz considerou que as declarações prestadas por arguidos no âmbito de outros processos não podem ser usadas no inquérito nem no julgamento.

Neste seguimento, Ivo Rosa retirou da Operação Marquês os depoimentos de Ricardo Salgado no processo Monte Branco, bem como no caso Espírito Santo, além de ter retirado ainda as declarações feitas por Hélder Bataglia, que discorreu sobre a sua relação com um primo de Sócrates e com o Grupo Espírito Santo através da sua empresa, a Escom, no âmbito do processo Monte Branco.

Os procuradores recorreram agora de ambas as decisões, mas os recursos não foram enviados de imediato para o Tribunal da Relação para apreciação, mas “empurrados” para o fim da fase instrutória.

“O que se constata é que meritíssimo juiz de instrução criminal vem decidindo oficiosamente nestes autos, a pouco e pouco, tipo ‘conta-gotas’, pela invalidade ou pela impossibilidade de utilização de provas deste tipo, em vez de guardar essa decisão para o momento oportuno ou adequado, que é o da decisão instrutória”, pode ler-se na reclamação enviada pelos procuradores, citada pela mesma fonte.

Os procuradores alegam que se Ivo Rosa decidisse sobre a inclusão de provas apenas no final da instrução, o eventual recurso que o Ministério Público então poderia fazer, seguia imediatamente para a instância superior.

Segundo consta na reclamação, ao não proceder assim, “ou seja decidindo quando lhe apraz, ao longo da Instrução”, o juiz Ivo Rosa “dispensa-se de o fazer de novo na decisão instrutória, e consegue, assim, relegar a subida dos recursos [do MP] para o que se interpuser da decisão final, acabando por violar objetivamente a lei, e deixar o processo seguir para o julgamento completamente ‘minado’.”

ZAP //

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. O que esperavam? Com o Costa a roubar a cadeira de PM a justiça .. já era – queriam que um mentiroso corrupto e seus amigos criminosos deixassem a justiça trabalhar????

    • Quem??? Se ele foi posto lá para isso mesmo… que mais se pode fazer??? Ou os procuradores públicos são muito bons e arranjam boas e fiáveis testemunhas ou este farsante de juiz vai livrar toda a gente como já começou a fazer.

  2. Os procuradores usaram todas as artimanhas e mais uma durante a investigação e usaram e abusaram do juiz Carlos Alexandre e da PGR. Agora não podem com quem cumpre a lei.

Pandemia fez com que quase metade dos portugueses poupe menos

Quase metade dos portugueses (48%) afirma poupar menos devido ao impacto da pandemia, embora mais de um terço assuma que a crise sanitária está a ter um efeito positivo nos seus gastos, segundo um estudo …

"Ministra da Insensibilidade Social". CDS pede a demissão de Ana Mendes Godinho

O CDS criticou este sábado a reação da ministra a Solidariedade Social à morte de 18 idosos num lar em Reguengos de Monsaraz e considerou que Ana Mendes Godinho desvaloriza o impacto da pandemia nos …

Esgotos de dois milhões de portugueses monitorizados para prever segunda vaga de covid-19

Os esgotos de dois milhões de portugueses estão a ser monitorizados para detetar a eventual presença do vírus da covid-19 e prever uma nova vaga. O Jornal de Notícias avança este sábado que a análise está …

Covid-19. Mais 198 infetados e 3 mortes em Portugal

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 198 casos de infeção por covid-19 e três óbitos, de acordo com o boletim epidemiológico publicado pela Direção-Geral da Saúde (DGS). O boletim epidemiológico Direção-Geral da Saúde (DGS) desde …

Média já divulgaram publicidade institucional (mas Estado ainda não lhes pagou)

O Sindicato dos Jornalistas lamentou esta sexta-feira que o Governo não tenha disponibilizado os 15 milhões de euros relativos à compra antecipada de publicidade institucional, vincando que o executivo está em dívida com as empresas …

Autoridades admitem que extrema-direita vá vigiar manifestações antifascistas de domingo

A Frente Unitária Antifascista anunciou que vai organizar no próximo domingo duas manifestações - uma Lisboa (Praça Luís de Camões) e outra no Porto (Avenida dos Aliados). O mote é a luta contra o fascismo. Estas manifestações …

Marcelo não entende por que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido (e leu os relatórios de Reguengos)

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse, em declarações transmitidas pela RTP3, que não entende porque é que Portugal continua na "lista negra" do Reino Unido. Em declarações transmitidas pela RTP3 a partir de …

Estado só recuperou 21% dos créditos tóxicos do BPN

O Estado apenas recuperou 21% dos créditos tóxicos do Banco Português de Negócios, que derivaram da nacionalização da instituição bancária em 2008. Até final de 2019, o Estado só conseguiu recuperar 21% da carteira de créditos …

Novas matrículas "só" vão durar 45 anos (por causa das palavras obscenas)

O novo formato de matrículas entrou em vigor a 2 de março. As novas matrículas vão durar menos tempo do que poderiam porque não serão usadas combinações “que possam formar palavras ou siglas que se …

Novo lay-off conta apenas com 1% das adesões do simplificado

O sucedâneo do lay-off simplificado conta apenas com 1.268 adesões nas primeiras duas semanas. Este valor é apenas 1% do número de empresas que acederam ao primeiro apoio. Nas primeiras duas semanas desde a sua implementação, …