Acordo secreto revela que Estado Novo colaborou com o apartheid na guerra colonial

Um acordo secreto, até agora nunca confirmado, validou a colaboração formal entre o Estado Novo e os regimes segregacionistas da África do Sul e Rodésia, em 1970, segundo o historiador Vicente de Paiva Brandão.

“Alcora” é o nome da aliança militar secreta entre Portugal, África do Sul e Rodésia (atual Zimbabué), para combater os movimentos independentistas na África Austral.

“O enfraquecimento dos movimentos de libertação que combatiam as forças portuguesas em Angola e Moçambique interessava manifestamente à África do Sul”, afirmou o historiador, recordando que Pretória enfrentava também resistência semelhante na Namíbia.

“Lisboa e Pretória organizaram-se à época para evitar que África fosse um espaço disputado pelas duas superpotências, que tinham discursos anticoloniais, desde que o resultado das lutas os favorecesse”, explicou o professor-auxiliar da Universidade de Cabo Verde e que se dedicou a estudar estes acordos.

Portugal e África do Sul olhavam para a guerra colonial como uma forma de manter “valores civilizacionais e pró-ocidentais no continente africano”, salientou.

Com a independência do Congo Belga, atual República Democrática do Congo, são criados campos de treino para os guerrilheiros que combatiam os regimes do apartheid e salazarista.

Os sul-africanos olhavam Angola e Moçambique como “vanguarda de defesa do seu próprio país e do regime”, pelo que promoveram “partilha de informações e apoio militar”, que resultou mesmo na cedência de equipamento.

Isto é tudo muito camuflado e há sempre a tentativa que nunca seja conhecido do grande público. Portugal não queria estar associado a um Estado onde vigorava o apartheid e ao mesmo tempo a África do Sul não pretendia estar associado a um Estado considerado colonialista”, resumiu Paiva Brandão.

Paiva Brandão descobriu este acordo após uma “investigação em Oxford a partir das conexões rodesianas, nomeadamente a partir do momento em que há uma rutura de relações entre Ian Smith (primeiro-ministro) e a Grã-Bretanha”.

O acordo foi celebrado em 14 de outubro de 1970, mas a designação oficial foi de “exercício”, para camuflar o alcance diplomático do documento.

O objetivo do acordo era “investigar os processos e meios de conseguir um esforço coordenado tripartido entre Portugal, a República da África do Sul e a Rodésia, tendo em vista fazer face à ameaça mútua contra os seus territórios na África Austral”, lê-se no livro, publicado pela Casa das Letras.

Após 1975, Pretória “ressentiu-se imenso dos processos de independência” de Angola e Moçambique, que passaram a ser palcos de formação de quadros que iriam depois desestabilizar os regimes segregacionistas, na década de 1970 e 1980, culminando na ascensão de Robert Mugabe na Rodésia, independência da Namíbia e democratização da África do Sul.

Lusa // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. As pessoas nem sabem o que mundo político e financeiro são capazes de fazer. Com o Covid vamos tendo uma certa noção através da influência política dos grandes laboratórios no dia a dia das pessoas. O confinamento e a máscara servem sobretudo para o consumo dos produtos da área da saúde e não para parar a contaminação do vírus que conforme vamos vendo não pára realmente. Os governos são meros bonecos nas mãos do lobby.

RESPONDER

FC Porto 1-0 Guimarães | Dragão já vê Sporting no horizonte

O Porto venceu no fecho da 28ª jornada da Liga NOS pela margem mínima, na recepção ao Vitória SC, e conseguiu o principal objectivo, que passava por somar os três pontos e reduzir para quatro …

Italiano faltou ao trabalho durante 15 anos, mas ganhou quase 600 mil euros

Um funcionário de um hospital no sul de Itália recebeu o salário durante 15 anos, apesar de nunca ter aparecido para trabalhar. De acordo com a polícia italiana, citada pela cadeia televisiva CNN, Salvatore Scumace está …

Google ficou sem o domínio na Argentina (e Nicolás achou que ia ser o novo dono)

Na última quarta-feira, um jovem argentino achou que ia ficar rico à custa da distração da Google no seu país. Acabou por não acontecer e tudo ficou resolvido. "Que pague a dívida externa", "que compre vacinas", …

Lola, a robô humanóide, dá "passos de bebé" (e equilibra-se com as mãos)

Uma equipa de cientistas está a ensinar a robô humanóide Lola a dar "passos de bebé", equilibrando-se com as suas mãos em vários pontos de contacto. Há muito tempo que os investigadores estudam a locomoção de …

Presidente da República veta decreto sobre inseminação post mortem

O Presidente da República vetou, esta quinta-feira, o decreto do Parlamento sobre inseminação post mortem, considerando que suscita dúvidas no plano do direito sucessório e questionando a sua aplicação retroativa. Na mensagem dirigida à Assembleia da …

Primeiro-ministro francês está a receber centenas de peças de lingerie no correio

O primeiro-ministro francês tem estado a receber roupa interior feminina na sua caixa de correio. Foi a forma encontrada pelas lojas de lingerie para protestarem contra as restrições da pandemia que as obrigam a estar …

Inteligência artificial "identifica" autores dos Manuscritos do Mar Morto

Investigadores da Universidade de Groningen, nos Países Baixos, recorreram à inteligência artificial para concluir que os Manuscritos do Mar Morto foram redigidos por vários escribas, o que abre uma "nova janela" para o estudo do …

Inteligência Artificial vai ajudar a identificar fontes de poluição no Bangladesh

A produção de tijolos é uma fonte de poluição que ameaça a saúde da população e do planeta, mas regular esta indústria pode ser uma tarefa difícil para as autoridades. Para resolver o problema, uma …

Portimonense 1-5 Benfica | "Águia" arrasa em solo algarvio

O Benfica regressou aos triunfos depois de ter vencido o Portimonense por 5-1, numa partida relativa à 28.ª jornada da Liga NOS, após o desaire registado na recepção ao Gil Vicente.  Porém, não foi um duelo …

Vigaristas burlaram mulher de 90 anos em 32 milhões de dólares

Uma mulher de Hong Kong, de 90 anos, foi defraudada em 32 milhões de dólares por burlões que se fizeram passar por agentes policiais chineses, via chamada telefónica. A Agence France-Presse (AFP) escreve que um jovem …