Acordo secreto revela que Estado Novo colaborou com o apartheid na guerra colonial

Um acordo secreto, até agora nunca confirmado, validou a colaboração formal entre o Estado Novo e os regimes segregacionistas da África do Sul e Rodésia, em 1970, segundo o historiador Vicente de Paiva Brandão.

“Alcora” é o nome da aliança militar secreta entre Portugal, África do Sul e Rodésia (atual Zimbabué), para combater os movimentos independentistas na África Austral.

“O enfraquecimento dos movimentos de libertação que combatiam as forças portuguesas em Angola e Moçambique interessava manifestamente à África do Sul”, afirmou o historiador, recordando que Pretória enfrentava também resistência semelhante na Namíbia.

“Lisboa e Pretória organizaram-se à época para evitar que África fosse um espaço disputado pelas duas superpotências, que tinham discursos anticoloniais, desde que o resultado das lutas os favorecesse”, explicou o professor-auxiliar da Universidade de Cabo Verde e que se dedicou a estudar estes acordos.

Portugal e África do Sul olhavam para a guerra colonial como uma forma de manter “valores civilizacionais e pró-ocidentais no continente africano”, salientou.

Com a independência do Congo Belga, atual República Democrática do Congo, são criados campos de treino para os guerrilheiros que combatiam os regimes do apartheid e salazarista.

Os sul-africanos olhavam Angola e Moçambique como “vanguarda de defesa do seu próprio país e do regime”, pelo que promoveram “partilha de informações e apoio militar”, que resultou mesmo na cedência de equipamento.

Isto é tudo muito camuflado e há sempre a tentativa que nunca seja conhecido do grande público. Portugal não queria estar associado a um Estado onde vigorava o apartheid e ao mesmo tempo a África do Sul não pretendia estar associado a um Estado considerado colonialista”, resumiu Paiva Brandão.

Paiva Brandão descobriu este acordo após uma “investigação em Oxford a partir das conexões rodesianas, nomeadamente a partir do momento em que há uma rutura de relações entre Ian Smith (primeiro-ministro) e a Grã-Bretanha”.

O acordo foi celebrado em 14 de outubro de 1970, mas a designação oficial foi de “exercício”, para camuflar o alcance diplomático do documento.

O objetivo do acordo era “investigar os processos e meios de conseguir um esforço coordenado tripartido entre Portugal, a República da África do Sul e a Rodésia, tendo em vista fazer face à ameaça mútua contra os seus territórios na África Austral”, lê-se no livro, publicado pela Casa das Letras.

Após 1975, Pretória “ressentiu-se imenso dos processos de independência” de Angola e Moçambique, que passaram a ser palcos de formação de quadros que iriam depois desestabilizar os regimes segregacionistas, na década de 1970 e 1980, culminando na ascensão de Robert Mugabe na Rodésia, independência da Namíbia e democratização da África do Sul.

  // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. As pessoas nem sabem o que mundo político e financeiro são capazes de fazer. Com o Covid vamos tendo uma certa noção através da influência política dos grandes laboratórios no dia a dia das pessoas. O confinamento e a máscara servem sobretudo para o consumo dos produtos da área da saúde e não para parar a contaminação do vírus que conforme vamos vendo não pára realmente. Os governos são meros bonecos nas mãos do lobby.

RESPONDER

Quadro de Van Gogh, que esteve nas mãos dos nazis, vai a leilão. Deverá render 25 milhões de euros

Uma pintura de Vincent van Gogh vai ser leiloada no próximo mês, depois de mais de um século sem ser vista em público. Estima-se que o preço de venda chegue aos 25 milhões de euros. O …

Coreia do Sul lança com êxito o seu primeiro foguetão espacial

A Coreia do Sul lançou hoje o seu primeiro foguetão de fabrico próprio, segundo as imagens transmitidas pela televisão, tornando-se o décimo país do mundo com capacidade para desenvolver e lançar veículos espaciais. O veículo coreano …

"A melhor coisa que pode acontecer a Portugal era o Governo ser derrubado e desaparecer"

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, defendeu hoje que “a melhor coisa que podia acontecer a Portugal”, neste momento, era o executivo liderado por António Costa “ser derrubado e desaparecer”. Miguel Albuquerque afirmou …

Mulher de João Rendeiro tem mais três dias para entregar as obras em falta

O prazo para a entrega das obras acabou esta quarta-feira, mas a juíza do processo em que João Rendeiro foi condenado a dez anos de prisão efetiva deu mais três dias à mulher do ex-banqueiro. Depois …

Uma estrada com alguns automóveis

Sete cidades do Norte podem ir a jogo pela neutralidade carbónica

Gaia, Porto, Matosinhos, Famalicão, Guimarães, Braga e Viana do Castelo poderão ir a jogo na Missão Climate Neutral & Smart Cities, que quer apoiar a redução de emissões em 100 cidades. Uma coligação de sete cidades …

Teste à covid-19

Subvariante da Delta identificada em Israel. Em Portugal há nove casos

Em Portugal, já foram detetados nove casos da variante AY4.2, subvariante da Delta, de acordo com o mais recente relatório do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge sobre diversidade genética do novo coronavírus SARS-CoV-2. O …

FCSH diz que "não existe matéria que comprometa a integridade" do CV de Raquel Varela

O Conselho Científico da FCSH da Universidade Nova de Lisboa diz que não há "matéria que comprometa a integridade" do CV da investigadora Raquel Varela. A investigadora Raquel Varela viu-se envolvida numa polémica depois de ter …

Mexidas no PSD já se fazem sentir no pagamento de quotas dos militantes

Para além das diretas para líder do partido, os sociais-democratas preparam-se para escolher também as direções das distritais de Lisboa e Leiria, o que também poderá ajudar a justificar o crescimento. Para além de no Conselho …

No Reino Unido, o aumento de infeções está a causar preocupação. O que explica este cenário?

No Reino Unido, os casos e internamentos estão a subir, sendo que alguns especialistas já apelam a um regresso de algumas restrições antes do inverno. Mas o que pode estar a causar este aumento dos …

Flamengo acelera compra do Tondela e planeia chegar à Champions em sete anos

O Flamengo quer concluir a compra do Tondela até ao final do ano e planeia levar o clube à Liga Europa dentro de quatro anos e à Champions dentro de sete a oito anos. Num modelo …