//

Acordo histórico do G7 pode deixar Amazon de fora

5

O acordo alcançado este sábado pelos ministros das Finanças do G7, para a aplicação de um imposto mínimo de 15% sobre as empresas, pode deixar a gigante Amazon de fora.

Especialistas ouvidos pelo The Guardian defendem que, tal como está redigido, o projeto para tributação mínima de 15% dos lucros das multinacionais deixará de fora algumas empresas que, embora lucrem milhares de milhões de euros todos os anos, apresentam margens relativamente reduzidas.

O projeto de tributação mínima global de 15% estipula que só será tributável a parte do lucro acima de uma margem de 10%. No caso da Amazon, a empresa vem apresentando margens inferiores.

Em 2020, a gigante teve uma margem de lucro de apenas 6,3%, tendo em conta que tem um modelo de negócio sustentado em margens de lucro muito baixas. Além de fazer um grande reinvestimento, isso permite-lhe ganhar quota de mercado.

“Com base no que diz o comunicado, a Amazon não é contemplada”, afirmou Paul Monaghan, chefe executivo da britânica Fair Tax Foundation. Se houver outro nível de detalhe que permita que a Amazon seja contemplada, ótimo, mas até agora não se soube nada sobre isso.”

“Isto pode ser uma falsa esperança, a menos que afinem os detalhes“, acrescentou Richard Murphy, professor de contabilidade da Universidade de Sheffield.

No sábado, os ministros das Finanças do G7 alcançaram, em Londres, um acordo “histórico” para a aplicação de um imposto mínimo de 15% sobre as empresas.

Em causa está uma proposta que prevê a aplicação de um IRC de 15%, assegurando que “as empresas certas paguem os impostos certos, nos locais certos”.

  Liliana Malainho, ZAP //

5 Comments

  1. Os lucros gerados num certo pais têm de ser taxados com a taxa de IRC em vigor nesse pais, só assim é que a concorrência entre empresas nacionais e estrangeiras pode ser equilibrada. O resto é fogo de vista, querem-nos jogar areia para os olhos e fazer de conta que os grandes pagam impostos, mas não pagam coisa nenhuma.

  2. O Velho Biden , matreiro, lá conseguiu que as multinacionais se fixassem no País de origem: EUA, o G7 caiu como patinhos.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.