A maior cimeira do clima da história ficou muito aquém das expectativas

ZIPI / EPA

A Cimeira do Clima das Nações Unidas (COP25), que decorreu em Madrid, concluiu este domingo o documento final sobre a ambição climática em 2020 e do Acordo de Paris, mas o acordo alcançado ficou muito aquém das expectativas.

O acordo alcançado, sob o título “Chile-Madrid, Hora de Agir”, foi concluído 48 horas depois de previsto e fechado com reservas, não convencendo responsáveis políticos nem organizações ambientais que esperavam mais da cimeira que reuniu 200 países.

A presidente da cimeira, Carolina Schmidt, mostrou-se insatisfeita com os resultados alcançados, considerando “triste” não conseguir chegar a um acordo quando se esteve “tão perto”. Schmidt, que é também ministra do Meio Ambiente chileno, apelou à necessidade de “uma resposta mais sólida, urgente e ambiciosa” para enfrentar a crise climática.

“Não estamos satisfeitos”, queixou-se Schmidt, lembrando que havia a esperança de conseguir encerrar o artigo 6.º do Acordo de Paris “para implementar um mercado de carbono robusto com integridade ambiental, focado em gerar recursos para transitar para um desenvolvimento sustentável, baseado em baixas emissões e resiliente ao clima”.

“É triste não conseguir chegar a um acordo final, quando estivemos tão perto”, lamentou, reconhecendo no entanto que existe um avanço “concreto” que faz “olhar com esperança” para o futuro, considerando que o documento este domingo assinado é um legado “ambicioso e ambientalmente sólido”.

Em declarações à SIC Notícias, Christoph Bals, da organização não governamental Germanwatch, explicou que, na prática, a cimeira serviu essencialmente para mostrar os pontos fortes e os pontos fracos do Acordo de Paris.

Guterres fala em deceção

Por sua vez, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, mostrou-se “dececionado com os resultados” da cimeira sobre o clima, mas apelou aos países que continuem a lutar contra a crise climática sem se “renderem”.

“A comunidade internacional perdeu uma oportunidade importante para mostrar uma maior ambição na mitigação e adaptação para enfrentar a crise climática”, lamentou António Guterres, no final da cimeira da ONU, a maior de toda a história.

No encontro, os países conseguiram chegar a acordo quanto à urgência para conter as alterações climáticas, mas não houve consenso quanto aos pontos essenciais. Por exemplo, as regras dos mercados internacionais de carbono foi um dos assuntos adiado para o próximo ano. “Não devemos render-nos”, apelou o secretário-geral da ONU, numa declaração escrita citada pela agência de notícias espanhola EFE.

As organizações ambientalistas Oikos e Zero consideram “pouco positivo” o resultado da cimeira, acusando os EUA, a Austrália e o Brasil de proteger interesses económicos.

“Atolados por negociações de má-fé que colocam a política e os interesses dos combustíveis fósseis acima das pessoas e do planeta, muitos países – liderados pelos Estados Unidos, Austrália e Brasil – mais uma vez expuseram a sua apatia ao sofrimento de milhões e uma rejeição voluntária da ciência”, denunciam em comunicado conjunto hoje divulgado, horas depois de anunciado o acordo na cimeira.

Bolsonaro critica “jogo favorável” à Europa

Também o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, deixou críticas ao desfecho da cimeira de Madrid, denunciando um “jogo comercial” favorável à Europa. “Eu não sei como as pessoas não entendem que se trata apenas de um jogo comercial”, afirmou o chefe de Estado num encontro com a imprensa à saída da sua residência oficial, no Palácio da Alvorada.

E acrescentou: “Eu gostaria de saber se existe uma resolução para a Europa ser reflorestada ou se vão continuar a perturbar apenas o Brasil?”.

O Brasil deveria ter acolhido a COP25, mas desistiu logo após a eleição do Presidente Jair Bolsonaro que, questionado sobre esta decisão respondeu: “Fui eu que decidi. Eles teriam feito o seu carnaval no Brasil”.

O Presidente português considerou também que os resultados ficaram aquém do esperado porque ainda “há países que negam evidência” das alterações climáticas, e resistem.

“Portugal tem em curso para irmos também muito mais longe em matéria de alterações climáticas, mas há países que resistem, e como é preciso um acordo mundial há países que negam evidência ou que, aceitando a evidência, resistem”, disse Marcelo Rebelo de Sousa.

Pontos essenciais da COP25

Após duas semanas de negociações, não foi possível chegar a um acordo sobre as regras dos mercados internacionais de carbono.

Aumentar a ambição dos países na ação para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e assim combater as alterações climáticas foi um dos temas chave da cimeira. Um primeiro esboço de acordo foi considerado insuficiente e criticado por vários países e entidades não governamentais por não ser claro.

Reformulado, o acordo pede um aumento da ambição dos compromissos de luta contra as alterações climáticas, seguindo o calendário marcado pelo Acordo de Paris. Cria as bases para que em 2020 os países apresentem compromissos de redução de emissões de gases com efeito de estufa mais ambiciosos.

O acordo alcançado reconhece que as políticas climáticas devem ser permanentemente atualizadas com base nas informações da ciência. Também reconhece o papel do Painel Intergovernamental das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), referindo os dois relatórios publicados este ano sobre o uso do solo e os oceanos.

A cimeira confirmou que a luta contra as alterações climáticas é uma questão transversal que envolve matérias que vão das finanças à ciência, da indústria à energia, dos transportes às florestas ou agricultura.

Reconheceu a importância dos oceanos no sistema climático e como resposta aos relatórios do IPCC ficaram acordadas duas iniciativas para 2020, uma sobre oceanos e outra sobre o uso da terra.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Nokia vai criar para a NASA a primeira rede móvel operacional na Lua

O grupo finlandês Nokia vai fabricar para a NASA aquela que será a primeira rede móvel móvel na Lua, como parte de um projeto de base humana permanente da agência espacial norte-americana, foi esta segunda-feira …

Sarkozy acusado de "associação criminosa". Investigação sobre ligações à Líbia continua

Nicolas Sarkozy, o antigo Presidente francês, está a ser acusado de "associação criminosa" como parte de uma investigação sobre o financiamento da sua campanha presidencial de 2007, particularmente acerca dos seus alegados vínculos com o …

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em três milénios

A última década foi a mais quente do Oceano Atlântico em quase três milénios, aponta uma nova investigação da Universidade de Massachusetts em Amherst, nos Estados Unidos, e da Universidade de Quebec, no Canadá. As …

NASA apresenta rover "transformer" que vai explorar os penhascos íngremes de Marte

A NASA acaba de apresentar um rover de quatro rodas, denominado DuAxel, que se pode dividir em dois rovers de duas rodas separados. O robô foi projetado para, um dia, explorar alguns dos terrenos mais …

Veneno de vespa pode ter muito "potencial" na composição de antibióticos

Com o passar dos anos, a população começa a ficar mais resistente a certos medicamentos e estes deixam de fazer efeito. Agora, uma equipa de investigadores desenvolveu novas moléculas anti-microbianas a partir do veneno de …

"Ou és infetado ou morres de fome". Trabalhadores da Amazon nas Filipinas denunciam condições precárias

Trabalhadores contratados pela empresa de segurança Ring da Amazon que trabalham em call centers nas Filipinas denunciam condições de trabalho que dizem ser precárias, mostrando-se ainda mais preocupados com a situação por causa da pandemia …

"Momento muito duro". André Almeida sofreu rotura de ligamentos e arrisca paragem longa

O futebolista internacional português André Almeida sofreu uma entorse do joelho direito, que resultou numa “rotura do ligamento cruzado anterior e do ligamento lateral interno”, informou esta segunda-feira o Benfica. O lateral dos encarnados saiu aos …

Apoio à retoma. Empresas com perdas de 25% podem reduzir horário até 33% já esta terça-feira

Empregadores com quebra de faturação igual ou superior a 25% vão poder reduzir até 33% o horário dos trabalhadores, entre outubro e dezembro, segundo a alteração ao regime de retoma progressiva de empresas em crise. O …

Chega quer tornar voto obrigatório e sanções para quem não cumprir

O deputado único do Chega entregou uma nova proposta no âmbito do projeto de revisão constitucional do partido para tornar o voto obrigatório para todos os cidadãos que o possam exercer e sanções para quem …

A Alemanha quer tornar o teletrabalho um direito legal

O Governo alemão prepara-se para publicar um projeto de lei que dará aos trabalhadores do país o direito legar de trabalhar a partir de casa. A medida aplicar-se-á a todos as atividades laborais que possam …