/

À procura da Doença X. Médico que descobriu o Ébola alerta para perigo de novas pandemias

Nos países mais afetados pelo Ébola, como a República Democrática do Congo, continuam a detetar-se casos de pacientes que aparentam ter sintomas da doença, mas que testam negativo. Este pode ser um sinal de que uma nova doença poderá estar a aparecer.

Em 1976, Jean-Jacques Muyembe Tamfum ajudou a descobrir o vírus do Ébola e, desde então, tem estado na linha da frente na caça aos novos patógenos. De acordo com o especialista, a Humanidade enfrenta um número desconhecido de novos vírus potencialmente fatais que emergem das florestas tropicais de África.

“Vivemos num mundo onde surgirão novos patógenos. E isso constitui uma ameaça para a Humanidade”, alertou o médico, em declarações à CNN.

A identificação do Ébola baseou-se numa cooperação que interligou as partes mais remotas das florestas tropicais da África a laboratórios de alta tecnologia no Ocidente. Agora, os especialistas defendem que o Ocidente deve contar com cientistas africanos no Congo para atuarem como sentinelas para alertar contra doenças futuras.

À CNN, Muyembe alertou para a possibilidade de, no futuro, surgirem outras doenças zoonóticas, que são transmissíveis de animais para humanos, à semelhança da covid-19 e das grandes pandemias dos últimos 40 anos.

Questionado pela cadeia televisiva sobre se, no futuro, poderão surgir pandemias ainda piores do que a covid-19, o especialista não tem dúvidas: “Sim, penso que sim“.

Novos vírus no horizonte

Desde que a febre amarela foi identificada, em 1901, os cientistas encontraram, pelo menos, mais 200 vírus zoonóticos. Mark Woolhouse, professor de doenças infeciosas da Universidade de Edimburgo, na Escócia, esclareceu que são descobertas, em média, três a quatro novas doenças por ano, sendo que a maioria tem origem em animais.

O especialista referiu que o número crescente de vírus acontece por culpa da ação humana, uma vez que a destruição dos habitats naturais dos animais e o comércio de animais selvagens potenciam o seu aparecimento. Aliás, conforme destaca a CNN, existem estudos que ligam os surtos de Ébola à destruição progressiva da floresta tropical africana.

De que forma é que o Ébola infetou seres humanos pela primeira vez é ainda um mistério, mas os cientistas acreditam que as doenças zoonóticas surgem quando animais selvagens são massacrados.

Uma das formas mais rápidas de os vírus viajarem pelo mundo é através do comércio – muitas vezes ilegal – de carne resultante de caça furtiva, de animais exóticos como crocodilos, tartarugas ou chimpanzés. “Este tipo de carne, ao contrário do que se pensa, não é consumida por pobres. É para os ricos e privilegiados. Consumi-la é sinónimo de status“, contou à CNN Adams Cassinga, CEO da Conserv Congo.

Na maioria das publicações científicas existe uma suposição de que haverá cada vez mais contágios à medida que os seres humanos continuarem a destruir habitats selvagens. A solução passa por proteger as florestas. A consequência é a nossa própria proteção.

  Liliana Malainho, ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE