À procura da Doença X. Médico que descobriu o Ébola alerta para perigo de novas pandemias

Nos países mais afetados pelo Ébola, como a República Democrática do Congo, continuam a detetar-se casos de pacientes que aparentam ter sintomas da doença, mas que testam negativo. Este pode ser um sinal de que uma nova doença poderá estar a aparecer.

Em 1976, Jean-Jacques Muyembe Tamfum ajudou a descobrir o vírus do Ébola e, desde então, tem estado na linha da frente na caça aos novos patógenos. De acordo com o especialista, a Humanidade enfrenta um número desconhecido de novos vírus potencialmente fatais que emergem das florestas tropicais de África.

“Vivemos num mundo onde surgirão novos patógenos. E isso constitui uma ameaça para a Humanidade”, alertou o médico, em declarações à CNN.

A identificação do Ébola baseou-se numa cooperação que interligou as partes mais remotas das florestas tropicais da África a laboratórios de alta tecnologia no Ocidente. Agora, os especialistas defendem que o Ocidente deve contar com cientistas africanos no Congo para atuarem como sentinelas para alertar contra doenças futuras.



À CNN, Muyembe alertou para a possibilidade de, no futuro, surgirem outras doenças zoonóticas, que são transmissíveis de animais para humanos, à semelhança da covid-19 e das grandes pandemias dos últimos 40 anos.

Questionado pela cadeia televisiva sobre se, no futuro, poderão surgir pandemias ainda piores do que a covid-19, o especialista não tem dúvidas: “Sim, penso que sim“.

Novos vírus no horizonte

Desde que a febre amarela foi identificada, em 1901, os cientistas encontraram, pelo menos, mais 200 vírus zoonóticos. Mark Woolhouse, professor de doenças infeciosas da Universidade de Edimburgo, na Escócia, esclareceu que são descobertas, em média, três a quatro novas doenças por ano, sendo que a maioria tem origem em animais.

O especialista referiu que o número crescente de vírus acontece por culpa da ação humana, uma vez que a destruição dos habitats naturais dos animais e o comércio de animais selvagens potenciam o seu aparecimento. Aliás, conforme destaca a CNN, existem estudos que ligam os surtos de Ébola à destruição progressiva da floresta tropical africana.

De que forma é que o Ébola infetou seres humanos pela primeira vez é ainda um mistério, mas os cientistas acreditam que as doenças zoonóticas surgem quando animais selvagens são massacrados.

Uma das formas mais rápidas de os vírus viajarem pelo mundo é através do comércio – muitas vezes ilegal – de carne resultante de caça furtiva, de animais exóticos como crocodilos, tartarugas ou chimpanzés. “Este tipo de carne, ao contrário do que se pensa, não é consumida por pobres. É para os ricos e privilegiados. Consumi-la é sinónimo de status“, contou à CNN Adams Cassinga, CEO da Conserv Congo.

Na maioria das publicações científicas existe uma suposição de que haverá cada vez mais contágios à medida que os seres humanos continuarem a destruir habitats selvagens. A solução passa por proteger as florestas. A consequência é a nossa própria proteção.

Liliana Malainho Liliana Malainho, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Marinha dos EUA está a desenvolver drones para matar ovos em ninhos de pássaros selvagens

A Marinha norte-americana e a empresa Hitron Technologies uniram esforços para desenvolver um drone autónomo projetado especificamente para procurar e destruir o maior inimigo da Marinha: os pássaros. Os drones, que estão já a ser testados …

Cientistas criam hologramas que se movem pelo ar

Uma equipa de cientistas da Universidade Brigham Young, nos Estados Unidos, conseguiu desenvolver um holograma que projeta imagens em movimento. Se é fã de Star Treck, ficará impressionado com a mais recente inovação. Um grupo de …

Gangue detido por falsificar a especiaria mais cara do mundo

As autoridades espanholas detiveram um gangue que fazia milhões de euros por ano a falsificar a especiaria mais cara do mundo: o açafrão. Os 17 membros da quadrilha foram detidos na região de Castela-Mancha. Os criminosos …

Santuário medieval recebe escultura em pedra que usa máscara contra a covid-19

Uma catedral histórica do Reino Unido renovou um santuário do século XIV, acrescentando um detalhe que coloca em evidência o momento pandémico que o mundo vive. Agora, a nova escultura está a usar uma máscara …

Aos 10 anos, Adewumi chegou à elite mundial do xadrez (e fugiu ao Boko Haram)

Tanitoluwa Adewumi foi perseguido pelo Boko Haram, fugiu da Nigéria e foi sem-abrigo nos Estados Unidos. Agora, com apenas 10 anos, chegou à elite mundial do xadrez. Grande Mestre é um dos títulos vitalícios concedidos pela …

Hegemonia económica da China cada vez mais longe. Queda demográfica coloca Pequim sob pressão

O objetivo do país é tornar-se na maior potência económica do mundo nos próximos anos, mas a corrida pela hegemonia - disputada com os EUA - pode não ser uma meta fácil de alcançar. O …

Miss Universo 2021. Concorrente da Singapura usa roupa com o slogan "Stop Asian Hate"

Bernadette Belle Ong, uma concorrente do Miss Universo 2021, vestiu uma roupa com as cores de Singapura que continha as palavras Stop Asian Hate ("parem com o ódio contra os asiáticos"). Bernadette Belle Ong aproveitou o …

A Índia está a tornar quase impossível a vacinação dos sem-abrigo

A Índia está a dificultar o processo de vacinação dos sem-abrigo, uma vez que o programa requer um número de telemóvel e uma morada residencial. Muitas pessoas não têm nem um, nem outro.  Na Índia, quase …

Violência contra as mulheres é "uma pandemia", alerta ONU

Uma década após a criação da Convenção de Istambul, o marco dos tratados de direitos humanos para acabar com a violência de género, as mulheres enfrentam um ataque global aos seus direitos e segurança, alertaram …

Já se sabe qual a ocasião mais perdida do ano devido à pandemia (e há uma campanha para compensar)

Tomar um café com um amigo ou um familiar é o momento mais perdido do último ano devido à pandemia de covid-19. Nos últimos 12 meses, e em todas as cidades europeias, estima-se ter havido …