A 24 de março, estudantes americanos vão marchar pelas suas vidas em Washington

Cristobal Herrera / Lusa

Estudantes do liceu de Pine Trails Park, Parkland, Florida, visitam memorial de homenagem aos colegas mortos no tiroteio

Um grupo de estudantes que sobreviveu ao tiroteio da semana passada, numa escola de Parkland, na Florida, está a preparar uma marcha em Washington para exigir mudanças na política de armamento dos Estados Unidos.

Os sobreviventes do tiroteio que provocou a morte de 17 pessoas, levado a cabo pelo ex-estudante Nikolas Cruz numa escola de Parkland, vão até a Washington, no dia 24 de março, para realizar a “Marcha pelas Nossas Vidas”.

Esta foi a forma encontrada pelos estudantes norte-americanos para exigir ao Presidente Donald Trump e à sua administração sérias mudanças na legislação sobre o controlo de armas em vigor no país.

Estamos apenas no início de 2018 e, nos EUA, este tiroteio foi já o 18.º episódio a envolver armas de fogo em escolas ou locais próximos de estabelecimentos de ensino.

No caso de Nikolas Cruz, a espingarda automática AR-15 que usou pode ser comprada, na Florida, a partir dos 18 anos. Em janeiro, o FBI foi alertado de que o aluno de 19 anos tinha uma arma, que “manifestava desejo de matar” e que era provável que realizasse um tiroteio numa escola. Mas falhas nos protocolos de investigação impediram que a tragédia fosse evitada.

A ONG Everytown for Gun Safety, que apoia uma política de armas mais rígida e controlada, já anunciou que vai juntar-se ao grupo de estudantes no dia do protesto. Além disso, outros grupos que estiveram envolvidos na organização da última “Marcha das Mulheres” também vão apoiar o movimento destes jovens.

Antes desta marcha, haverá ainda uma manifestação no dia 14 deste mês, que marca um mês do ataque. O evento convida alunos de todo o país a saírem das salas de aula às 10h00 locais durante 17 minutos, um minuto por cada vida perdida. Mais de 20 mil jovens apoiam este movimento.

Outra manifestação semelhante vai acontecer no dia 20 de abril, data em que o massacre de Columbine, no Colorado, onde morreram 13 pessoas, completa 19 anos.

Celebridades como George e Amal Clooney, Oprah Winfrey, Steven Spielberg, Lady Gaga, Cher, Rowan Blanchard, Justin Bieber, Amber Tamblyn, Amy Schumer, Olivia Wilde, Bryce Dallas Howard, Julianne Moore e Alyssa Milano já fizeram doações para ajudar o movimento e muitos vão mesmo juntar-se aos estudantes em Washington.

Esta quarta-feira, Trump vai encontrar-se com pais, professores e estudantes numa audiência em que vão participar as pessoas que foram afetadas pelos massacres ocorridos nas escolas de Parkland, Columbine e Newton.

Donald Trump é apoiante da American Rifle Association e não subscreveu as medidas que restringiam as atividades dos portadores de armas de fogo. No entanto, nos últimos dias, os protestos dos alunos têm vindo a intensificar-se e, por isso, a Casa Branca está a tentar passar a mensagem de que o chefe de Estado está disposto a ouvir novas propostas sobre o uso e porte de armas de fogo.

ZAP // Hypeness

PARTILHAR

RESPONDER

"Em Casa d’Amália": RTP comemora cententário da fadista

A Fundação Amália Rodrigues junta-se à RTP para assinalar o centenário da fadista. O programa Em Casa d’Amália tem estreia marcada para a próxima sexta-feira (10) e reúne várias figuras da música portuguesa da atualidade. O …

Desapareceram 21 milhões de números de telefone na China. Mas o mistério foi resolvido

O porta-voz de uma das três maiores operadoras chinesas confirmou o desaparecimento dos utilizadores, mas deu uma explicação para este mistério. Nos últimos dias, surgiram vários relatos de notícias que davam conta de que, entre janeiro …

Mercadona doa 20 mil quilos de chocolate aos profissionais de saúde e aos mais carenciados

A Mercadona anunciou, esta quarta-feira, a doação de 20 mil quilos de chocolate ao Banco Alimentar Contra a Fome do Porto. O objetivo é proporcionar uma Páscoa mais doce aos mais carenciados e aos que …

"Paciente 1" em Itália recupera (e dá as boas-vindas a Giulia, a sua filha recém-nascida)

Giulia, a filha recém-nascida do "paciente 1" de Itália, veio para trazer alguma esperança ao país, em plena pandemia de covid-19. Mattia, de 38 anos, foi internado no dia 20 de fevereiro no hospital de Codogno, …

Investigadores transformaram o coronavírus em música (e já o podemos ouvir)

Uma equipa de investigadores do Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT) conseguiu transformar em som a estrutura da proteína spike, que permite que o novo coronavírus adira às células para infetá-las. Até agora, já pudemos ver …

Autoeuropa quer recorrer ao lay-off (e retomar produção a 20 de abril)

A administração da Autoeuropa quer promover um regresso gradual ao trabalho a partir de 20 de abril, pretendendo recorrer ao lay-off simplificado para os trabalhadores que não regressem ao trabalho nessa data. “O regresso ao trabalho …

Ex-mulher de astronauta acusada de mentir sobre o "primeiro crime espacial"

A ex-mulher da astronauta da NASA Anne McClain, Summer Worden, foi acusada formalmente de mentir sobre o "crime espacial" que McClain terá cometido. Em agosto de 2019, o jornal norte-americano The New York Times noticiou que …

Em Singapura, os parques de estacionamento são agora quintas urbanas

A pandemia de covid-19 está a obrigar alguns países a adaptarem-se. É o caso de Singapura, que está a transformar os parques de estacionamento em quintas urbanas para aumentar a produção alimentar. Só 1% do território …

O empresário mais odiado do mundo quer sair da prisão (para desenvolver um medicamento para a covid-19)

Martin Shkreli, o empresário mais odiado do mundo, quer sair brevemente da prisão para ajudar a desenvolver um tratamento para a covid-19. Num artigo publicado no site da empresa de Shkreli, Prospero Pharmaceuticals, juntamente com outros …

Ceferin acusado de ganância. "Manter a Liga dos Campeões foi um ato criminoso irresponsável"

O primeiro-ministro da Eslovénia, Janz Jansa, teceu duras críticas à forma como a UEFA e o seu presidente, Aleksander Ceferin, lidaram com a fase inicial da pandemia de covid-19. "Manter a Liga dos Campeões foi um …