Parlamento acaba com taxas moderadoras nos centros de saúde

PS, PSD, BE e PCP preparam-se para aprovar, esta sexta-feira, uma proposta do Bloco de Esquerda que põe fim à cobrança da taxa moderadora nos centros de saúde e noutros serviços, como consultas hospitalares, desde que o utente seja referenciado por um médico do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

A matéria começou por ser discutida no âmbito da nova Lei de Bases da Saúde, mas acabou por se autonomizada, devendo agora ser aprovada na generalidade e aprofundada pelos partidos na especialidade.

“Consideramos que tudo o que é prescrito deve ser feito pelos utentes e por isso não há aqui nada a moderar. Tem de ser gratuito. É um cinismo dizer-se que cobrar uma taxa sobre um raio-X que foi prescrito é moderar a procura”, disse o deputado do Bloco de Esquerda Moisés Ferreira, ao Diário de Notícias. “As taxas de moderação nos cuidados de saúde primários são uma barreira e propomos que isso acabe”.

Na proposta de alteração apresentada pelo Bloco ao Decreto-Lei n.º 113/2011, de 29 de novembro, pode ler-se que a dispensa da cobrança das taxas abrange “atendimento, consultas e outras prestações de saúde no âmbito dos Cuidados de Saúde Primários”, ou seja, nos centros de saúde. Isto quando “a origem de referenciação para estes for o Serviço Nacional de Saúde”.

PS e PSD afirmaram ao DN que irão votar a favor, mas já a pensar nas alterações que vão propor na fase da discussão em comissão parlamentar, depois da votação na generalidade esta sexta-feira.

A deputada socialista Jamila Madeira indica que o documento que será votado “é uma continuação do projeto do PS, com o espírito da proposta do partido durante o debate da lei de Bases”. “Mas temos aqui umas nuances para discutir na especialidade”, antevê.

O mesmo acontece com o PSD, que esteve quase para pedir uma votação separada das duas alíneas que compõem a proposta do Bloco, por não estar de acordo com a primeira – referente à isenção dos cuidados de saúde primários.

“Não nos podemos esquecer de que neste momento já há seis milhões de portugueses como isenção de taxas moderadoras; aqueles que mais precisam já estão dispensados. Se não existir regulação, há pessoas que vão marcar todos os dias consultas”, afirmou o deputado social-democrata José Matos Rosa.

Apesar disto, o grupo parlamentar acabou por decidir aprovar a medida a pensar na possibilidade de alteração do texto final durante a discussão na especialidade. “O PSD vai viabilizar a proposta do Bloco de Esquerda”. Até porque a segunda parte da proposta – abolição das taxas nas consultas e exames que se seguem ao primeiro diagnóstico – é do agrado do partido. “Existe uma duplicação de pagamentos que deve ser dispensada”.

O PCP reafirma a sua posição: “O Partido Comunista é desde a sua criação contra as taxas moderadoras. Aliás, ao longo do tempo temos apresentado em diferentes sedes a revogação da lei que institui as taxas moderadoras”, segundo a deputada comunista Carla Cruz. “Naturalmente, acompanhamos as iniciativas que vão no sentido da remoção de obstáculos aos cuidados de saúde. Votaremos favoravelmente a proposta do Bloco e apresentaremos também uma iniciativa para alargar ainda mais a isenção dos cuidados de saúde, não só para os doentes crónicos”.

Contra a proposta está o CDS-PP, que acusa o Bloco de inventar uma “manobra para voltarem a discutir aquilo que apresentaram no âmbito da Lei de Bases. A proposta foi chumbada no grupo de trabalho. Ou seja, não aprovaram pela porta, agora querem aprovar pela janela”, aponta a deputada Isabel Galriça Neto.

Para os centristas, o importante “não é abolir as taxas moderadoras. É moderar a procura e garantir que ninguém possa ser prejudicado por insuficiência económica. Nós consideramos que está acautelado o interesse público”.

De acordo com a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS), no ano passado existiam 5.770.804 cidadãos isentos de pagar taxas moderadoras. A maioria (2.671.330) por razões económicas. Há também um número significativo de pessoas que não pagou estas taxas por ter menos de 17 anos (1.685.129) ou por ter um comprovativo de incapacidade igual ou superior a 60% (260 836).

Para o presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares quer isto dizer que “as pessoas que realmente têm necessidade já estão isentas. Mais de 50% da população está isenta destas taxas”.

Alexandre Lourenço admite que tem conhecimento de “muitas taxas moderadores em dívida aos hospitais”, mas que as unidades hospitalares “têm tido uma atitude muito tolerante quanto a esta matéria; até de acordo com as instruções do ministério da Saúde. Por isso, não existe ninguém a quem fique limitado o acesso por via das taxas moderadoras”, afirma.

ZAP //

 

PARTILHAR

12 COMENTÁRIOS

  1. Querem serviços de saúde de BORLA nesta União €uropeia?
    Querem ensino de BORLA nesta União €uropeia?
    Querem melhores empregos e vencimentos nesta União €uropeia?
    Querem no inverno casas com aquecimento barato nesta União €uropeia?
    Querem comprar carro mais barato nesta União €uropeia?
    Emigrem como disse o Passos Coelho
    MAS EMIGREM PARA A ALEMANHA

    • Não considerando “Anormal”, desejar o melhor em termos de vida Social . Continuo a manifestar o meu desejo de bem estar para todos , no meu País, na minha Terra, na minha Cidade ou Aldeia. Sem por isso exortar ninguém a uma diaspora sem sentido. O Passos Coelho e você, caro amigo estão perfeitamente livres de viajar !!!!!………. Portugal precisa dos que cá estão !

    • Não, não quero isso tudo. Não há nada de borla. De borla significa impostos altos e significa potencial para abuso do sistema.

      Ausência de taxas moderadoras resulta em toda a gente ir para as urgências quando tem uma constipação (conheço casos). O que resulta em longos tempos de espera para quem de facto tem uma urgência, e em alguns casos mortes por via do longo tempo de espera.

      Alguns serviços devem ser gratuitos e pagos por impostos, mas não tudo. Prefiro impostos baixos e gerir o meu próprio dinheiro. Cada vez vejo mais valor no modelo Americano.

        • Custa mais porque produz resultados muitíssimo superiores…

          – Melhores universidades do mundo, por qualquer métrica objectiva (mais trabalhos referenciados, mais prémios Nobel, etc.)
          – Mais investimento em R&D que toda a UE junta
          – Mais inovação médica e científica que toda a UE junta
          – Maior número de ensaios clínicos que toda a UE junta
          – A maioria dos novos medicamentos produzidos no mundo provêem dos EUA, ao ponto de várias farmacêuticas Europeias terem os seus centros de R&D nos EUA.

          A Europa anda a reboque dos EUA.

          Quanto aos cuidados de Saúde, qualquer pessoa nos EUA que trabalhe no duro e tenha um mínimo de cabeça vai ter acesso a um Seg. de Saúde através do emprego que lhe dá acesso aos melhores cuidados de Saúde do mundo.

          Tudo isto são factos indiscutíveis.

  2. O Costa prometeu boas condicoes d vida para os que quizessemv regressar …. Mas de promessas está o povo farto e poucos , ou nenhuns , regressaram porque o que o governo tinha para oferecer eracmais impostos

    • O IRS não server de comparação para nada neste país onde ninguém declara nada menos que seja obrigado. Veja o caso do Berardo…

    • meus caros detesto trazê-los à realidade mas nunca haverá nenhuma ferramenta que acabe com as desigualdades, como tal temos de usar o que temos e tentar melhorar.

RESPONDER

Nicolas Sarkozy vai mesmo ser julgado por corrupção

A justiça francesa validou definitivamente a realização do julgamento do ex-Presidente num caso revelado por escutas telefónicas em que é nomeadamente acusado de corrupção de um magistrado. De acordo com a AFP, o Tribunal de Recurso de …

Luís Filipe Vieira pediu informações sobre Keylor Navas em Madrid

O presidente do Benfica aproveitou a visita a Madrid para saber mais pormenores sobre a situação do guarda-redes dos merengues. O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, dirigiu-se na passada segunda-feira a Madrid para ultimar os …

Jovens que acusaram Harry de “traição da raça” condenados com pena de prisão

O caso remonta a dezembro de 2018, quando surgiram as primeiras notícias de uma investigação da BBC que envolvia a família real britânica. Um grupo neonazi era responsável por uma propaganda online onde sugeriam que o …

UEFA confirma três jogos de suspensão para Neymar

A UEFA anunciou, esta quarta-feira, que rejeitou o recurso do Paris Saint-Germain e manteve os três jogos de suspensão a Neymar, na sequência de insultos aos árbitros na partida com o Manchester United, da Liga …

Transportes estão cada vez mais cheios. Carris vai comprar 100 novos autocarros

A Carris vai lançar dois concursos para a aquisição de 100 novos autocarros, 70 dos quais a gás natural e 30 elétricos, anunciou o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina. Falando na apresentação da …

Apenas 59% dos habitantes da Europa ocidental confiam na vacinação. França é o país com mais dúvidas

Na Europa oriental, apenas metade da população olha para as vacinas como uma forma segura de prevenção de saúde. No caso da zona ocidental, o número sobe para os 59%, mas fica ainda distante dos …

César Peixoto é o novo treinador da Académica

O antigo futebolista é o novo treinador da Académica, sucedendo a João Alves no comando técnico dos estudantes, anunciou o clube que integra a II Liga portuguesa. César Peixoto vai ser apresentado às 17h00, em conferência …

Tribunal diz que ausência de resistência de vítima de violação é "desejo de sobreviver"

Quando as vítimas não resistem, revelam "o desejo de sobreviver a uma situação cujo controlo não detêm", adotando um comportamento de preservação, diz o Tribunal da Relação de Lisboa. O Tribunal da Relação de Lisboa considerou …

Draghi abre a porta a cortes nas taxas de juro

Mario Draghi afirmou esta terça-feira que se o objetivo de ficar abaixo dos 2% de inflação estiver ameaçado, "estímulos adicionais serão necessários". O presidente do BCE admitiu mesmo uma descida das taxas. O presidente do BCE, Mario …

SNS dá “sinais de cansaço” e tem sistema “que não é amigo do cidadão”

A Convenção Nacional da Saúde concluiu esta terça-feira que o SNS “dá sinais de cansaço” e avisa que os portugueses “não podem ter listas de espera de anos” por consultas ou cirurgias, nem ter “enormes …