100 anos depois da 1ª Guerra Mundial, qual é a probabilidade de uma terceira?

Parece improvável que, cem anos depois do início da Primeira Guerra Mundial, outra guerra a essa escala possa acontecer.

Mas era exactamente isto que as pessoas acreditavam antes do assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando e da sua esposa por um extremista sérvio em junho de 1914.

Atualmente, existem no mundo alguns focos de conflito: a Europa e a Rússia vivem um momento de tensão devido à situação na Ucrânia, e a China e o Japão também discutem o controlo de algumas ilhas no Mar do Leste da China.

Nestes tempos, há dois riscos específicos. O primeiro é de que países menores possam arrastar os maiores para conflitos.

Em 1914, depois do assassinato do arquiduque Ferdinando, a Rússia, a França e a Grã-Bretanha alinharam pelo o lado da Sérvia, enquanto a Alemanha apoiou a Áustria.

O segundo risco é que os governos fiquem tentados a acreditar que podem iniciar guerras limitadas e bem-sucedidas que vão acabar rapidamente. Estarão errados.

Literatura

Nos dias de hoje presume-se que o nosso mundo globalizado está demasiado “inter-ligado”  para que uma guerra mais ampla possa acontecer. Talvez, mas em 1910, um homem chamado Norman Angell pensava exactamente assim.

George Grantham Bain Collection (Library of Congress)

Norman Angell achava que o mundo estava suficientemente "conectado" para haver uma guerra... Estava errado.

Norman Angell achava que o mundo estava demasiado “ligado” para poder haver uma guerra. Estava errado.

Angell escreveu o livro A Grande Ilusão para provar que a guerra seria uma loucura, devido aos laços comerciais existentes entre as grandes potências da época.

O livro foi um grande sucesso mas, apesar de Angell estar certo na sua percepção de que um conflito seria uma loucura, e de ter recebido o Prémio Nobel da Paz 22 anos depois, a guerra aconteceu de qualquer forma.

No entanto, as coisas mudaram muito em cem anos. Independentemente do que possa parecer, o nosso mundo é menos perigoso, e a tendência para a guerra é menor do que era.

A ameaça de um conflito nuclear também já não existe.

De momento, existem mais de 30 guerras em curso no mundo. Mas estas guerras tiram menos vidas humanas do que antes.

Entre anos como 1950, quando a Guerra da Coreia começou, ou 2007, quando o número de mortes na Guerra do Iraque finalmente começou a cair, ocorriam perto de 148 mil mortes por ano devido a guerras.

De 2008 a 2012 este número caiu de forma dramática, para 28 mil por ano. E poderá ser ainda menor em 2014.

Analisando os números de uma forma um pouco diferente, vemos que nos 14 anos do século 21, até agora, o número médio de mortes em guerras foi de 55 mil – apesar de haver sempre polémica sobre estes números, principalmente no que diz respeito ao número exacto de pessoas que morreram no Iraque depois da ofensiva americana e britânica no país.

Mas este número é a metade do que foi registado na década de 1990 e um terço do número de mortes que ocorreram durante a Guerra Fria.

Teremos uma guerra mundial num futuro próximo?

Não conseguimos saber mais do que Norman Angell sabia em 1910 quando lançou o seu livro. Mas, desta vez, de certeza, é mais seguro esperar que não teremos uma guerra brevemente.

E Norman Angell não o teria dito melhor.

ZAP / BBC

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Qualquer pensador profundo já percebeu que a 3ª Guerra Mundial vai acontecer!
    Ela não é agora, ainda vai levar um tempo, os países estão a se preparar, mas já se tornou inevitável.

RESPONDER

Governo já garantiu 370 camas no setor privado

O Governo já garantiu 370 camas no setor privado, sendo que quase metade, 164, são para doentes covid. Há atualmente 3.338 pacientes infetados com o novo coronavírus internados em hospitais. A informação foi confirmada por fonte …

Covid-19 pode ter chegado aos EUA em dezembro de 2019. País prepara-se para o pior inverno da história

Depois de ter sido confirmado que o novo coronavírus já circulava em Itália desde setembro de 2019, agora surge um relatório que refere que a covid-19 pode ter infetado um pequeno número de pessoas nos …

Maior parte dos médicos aposentados que voltam ao SNS prefere trabalhar em tempo reduzido

A maior parte dos médicos aposentados que regressa ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) opta por trabalhar em tempo reduzido, adianta o Jornal de Notícias. De acordo com o Jornal de Notícias, do total de 216 …

Bruxelas ameaça avançar com Fundo de Recuperação sem Hungria e Polónia

A Comissão Europeia (CE) está a perder a paciência e, caso não haja progressos nas negociações, ameaça avançar com o Fundo de Recuperação europeu sem a 'luz verde' da Hungria e da Polónia. O ultimato foi …

Empresas que reforcem lay-off não podem fechar portas, mas podem reduzir horários a 100%

O chamado “apoio à retoma progressiva” vai permitir que em dezembro as empresas saltem para o escalão seguinte, que garante mais financiamento, mas o Governo exige que mantenham atividade. Contudo, garante que tal não condiciona …

Reunião no Infarmed. Pico foi atingido em 25 de novembro, peritos pedem que não haja medo das vacinas

Especialistas, dirigentes dos partidos políticos e parceiros sociais voltaram esta quinta-feira a reunir-se para analisar a situação epidemiológica da covid-19, em vésperas de nova renovação do estado de emergência e da decisão sobre as medidas …

Governo tem algumas soluções para o Novo Banco (que dispensam o Retificativo)

Apesar do chumbo da transferência de 476 milhões de euros do Fundo de Resolução para o Novo Banco, o Governo garante que existem algumas soluções para que o contrato seja cumprido. Uma das hipóteses é a …

Giroud entra para a história da Champions ao marcar póquer ao Sevilha

Olivier Giroud tornou-se o jogador mais velho de sempre a marcar um póquer na Liga dos Campeões. É também o único atleta do Chelsea a fazê-lo. O Chelsea venceu o Sevilha, por 4-0, numa partida da …

Governo vai criar uma agência de emprego para pessoas com deficiência

O Governo vai criar uma agência de emprego para deficientes, um programa de investimento de apoio ao trabalho, mas também às empresas que contratem, que será de âmbito nacional e que deverá arrancar no primeiro …

Investigadores espanhóis descobrem nova estirpe do vírus num caso de reinfeção

Uma equipa de investigadores do serviço de Microbiologia e Doenças Infeciosas do Hospital Gregorio Marañón de Madrid descobriu que a reinfeção pelo novo coronavírus numa mulher teve origem numa estirpe diferente do SARS-CoV-2. O estudo baseia-se …