A “zona morta” do Golfo do México atingiu o seu maior tamanho de sempre

A “zona morta” do Golfo do México atingiu neste ano o seu maior tamanho na história, afirmou a Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA). É a segunda maior do mundo, ficando atrás apenas da zona morta do Mar Báltico.

Nestas regiões, o nível de oxigénio na água é tão baixo que as espécies só têm duas alternativas: a migração ou a morte. A “zona morta” do Golfo do México está localizada na foz do Rio Mississippi, que atravessa 10 Estados dos EUA antes de chegar ao Golfo do México, perto de Nova Orleães, no sudeste do país.

De acordo com os cientistas, a zona morta atingiu os 22.729 km², quase a área total de El Salvador e 15 vezes o tamanho da Cidade do México. Trata-se da maior extensão alcançada por esta região desde que começou a ser monitorizada em 1985.

Robert Magnien, diretor do Centro de Pesquisas de Património de Oceanos Costeiros da NOAA, explicou que o crescimento sem precedentes da zona morta do Golfo do México está relacionado principalmente com as atividades humanas.

Segundo o especialista, os resíduos gerados pela população, o aumento da agricultura na região e o uso de fertilizantes e outros produtos químicos influenciaram a expansão da área, onde a vida marinha é impraticável.

O tamanho alcançado pela zona morta mostra que a contaminação causada por fertilizantes, principalmente devido às atividades agrícolas, afetam cada vez mais os recursos costeiros e habitats de espécies no Golfo.

Os nutrientes de fertilizantes são levados pelo rio Mississipi e estimulam o crescimento de algas e plâncton que, enquanto se decompõem, consomem muito oxigénio, vital para a existência de vida marinha na região. Além disso, a decomposição destes organismos aumenta os níveis de nitrogénio e fósforo na água.

De acordo com Magnien, “várias espécies e ecossistemas ambientais são afetados pela expansão da zona morta”, uma vez que a falta de oxigénio provoca a perda do habitat dos peixes, obrigando que os animais migrem para outras zonas para sobreviver.

Outro efeito é a redução da capacidade de reprodução e a diminuição do tamanho médio das espécies.

Consequências

Além das consequências ambientais, o crescimento da zona morta tem impactos económicos que afetam a população que vive na região – como a diminuição do tamanho e da quantidade de camarão, cuja pesca é uma das principais atividades na área.

Um estudo recente encomendado pelo NOAA à Universidade de Duke, nos EUA, mostra que a expansão da zona morta provocou o aumento do preço do camarão devido à sua escassez, afetando não só a economia local, mas o mercado de peixe e frutos do mar.

Domínio Público dos EUA / Wikimedia

Imagem de satélite e ilustração da zona morta do Golfo do México

O diretor da NOAA, Steven Thur, explica que as medições desta região são importantes para antecipar tendências e evitar possíveis impactos negativos.

“Essas medições permitem traçar as melhores estratégias para reduzir os impactos sobre a sustentabilidade, a produtividade dos nossos recursos costeiros e a economia”, afirma.

Até hoje, a maior expansão da “zona morta” do Golfo do México tinha sido registada em 2002, quando atingiu 22 mil km². Nos últimos cinco anos, o tamanho médio da região esteve perto dos 15 mil km².

Agora, grupo de trabalho ligado à Agência de Proteção Ambiental dos EUA tem o objetivo de fazer com que a “zona morta” cubra menos de 5 mil km² de área marinha.

Entre as atividades promovidas pelo governo americano para reduzir o tamanho da região, está a negociação com agricultores do Golfo do México para que o impacto do uso de fertilizantes perto do rio Mississippi seja menor.

Segundo os especialistas, existem mais de 350 zonas mortas no mundo – um número que aumenta a cada ano.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Em apenas três anos, a Austrália perdeu um terço dos seus coalas

A seca, os incêndios florestais e a desflorestação na Austrália levaram o país a perder um terço dos seus coalas nos últimos três anos. A Austrália perdeu cerca de 30% dos seus coalas nos últimos …

Há modelos matemáticos que preveem se uma música vai ser viral — os mesmos utilizados com a covid-19

O uso de modelos matemáticos para antecipar o nível de sucesso de uma música pode começar a ser usado, a partir da publicação do presente estudo, por artistas e editoras para melhorar o desempenho dos …

Alemanha. Funcionário de posto de combustível abatido a tiro por cliente que se recusou a usar máscara

Um homem de 49 anos matou um funcionário de um posto de combustível na Alemanha, após tentar comprar cerveja sem utilizar a máscara. No país, o uso deste equipamento de proteção é obrigatório para entrar …

Um violino gigante flutuou no Grande Canal de Veneza (ao som de Vivaldi)

No passado fim de semana, um violino gigante, com quase 12 metros de comprimento, desceu o Grande Canal de Veneza. A bordo estava um quarteto de cordas, que tocou Four Seasons de Vivaldi. O Noah's Violin …

Assembleia de credores aprova recuperação da Groundforce

Esta quarta-feira, os credores da Groundforce aprovaram a recuperação da empresa. Em causa está uma dívida de 154 milhões de euros. Os credores da Groundforce, reunidos esta quarta-feira em assembleia de credores, no tribunal de Monsanto, …

Europeus acreditam numa "guerra fria" entre os EUA e a China e Rússia

A maioria dos cidadãos da União Europeia (UE), 62%, considera que os Estados Unidos (EUA), com apoio das instituições comunitárias, estão numa nova "guerra fria" com a China, mas recusam envolvimento nacional, revelou um inquérito …

Desenho de Van Gogh esteve guardado mais de 100 anos. Agora, é exibido pela primeira vez

O Museu de Amesterdão, nos Países Baixos, ganhou um novo inquilino: Study for 'Worn Out', um desenho recém-descoberto de Vincent van Gogh. O holandês Vincent van Gogh ainda continua a impressionar o mundo inteiro com a …

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã

No Afeganistão, as professoras estão prontas para desafiar o regime talibã, com receio de que os avanços dos últimos 20 anos tenham sido conquistados em vão. A Vice falou com algumas professoras afegãs que garantem continuar …

Apenas um terço das crianças em 91 países tem acesso a uma alimentação adequada, alerta UNICEF

Apenas um terço das crianças com menos de dois anos em 91 países em desenvolvimento têm acesso aos alimentos que necessitam para um crescimento saudável, revelou um relatório da UNICEF, apontando que nenhum progresso foi …

Preços das casas voltaram a aumentar no segundo trimestre

Entre abril e junho, o índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu 6,6% em termos homólogos. A revelação foi feita esta quarta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). O Índice de Preços da Habitação (IPHab) cresceu …