A “zona morta” do Golfo do México atingiu o seu maior tamanho de sempre

A “zona morta” do Golfo do México atingiu neste ano o seu maior tamanho na história, afirmou a Administração Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA). É a segunda maior do mundo, ficando atrás apenas da zona morta do Mar Báltico.

Nestas regiões, o nível de oxigénio na água é tão baixo que as espécies só têm duas alternativas: a migração ou a morte. A “zona morta” do Golfo do México está localizada na foz do Rio Mississippi, que atravessa 10 Estados dos EUA antes de chegar ao Golfo do México, perto de Nova Orleães, no sudeste do país.

De acordo com os cientistas, a zona morta atingiu os 22.729 km², quase a área total de El Salvador e 15 vezes o tamanho da Cidade do México. Trata-se da maior extensão alcançada por esta região desde que começou a ser monitorizada em 1985.

Robert Magnien, diretor do Centro de Pesquisas de Património de Oceanos Costeiros da NOAA, explicou que o crescimento sem precedentes da zona morta do Golfo do México está relacionado principalmente com as atividades humanas.

Segundo o especialista, os resíduos gerados pela população, o aumento da agricultura na região e o uso de fertilizantes e outros produtos químicos influenciaram a expansão da área, onde a vida marinha é impraticável.

O tamanho alcançado pela zona morta mostra que a contaminação causada por fertilizantes, principalmente devido às atividades agrícolas, afetam cada vez mais os recursos costeiros e habitats de espécies no Golfo.

Os nutrientes de fertilizantes são levados pelo rio Mississipi e estimulam o crescimento de algas e plâncton que, enquanto se decompõem, consomem muito oxigénio, vital para a existência de vida marinha na região. Além disso, a decomposição destes organismos aumenta os níveis de nitrogénio e fósforo na água.

De acordo com Magnien, “várias espécies e ecossistemas ambientais são afetados pela expansão da zona morta”, uma vez que a falta de oxigénio provoca a perda do habitat dos peixes, obrigando que os animais migrem para outras zonas para sobreviver.

Outro efeito é a redução da capacidade de reprodução e a diminuição do tamanho médio das espécies.

Consequências

Além das consequências ambientais, o crescimento da zona morta tem impactos económicos que afetam a população que vive na região – como a diminuição do tamanho e da quantidade de camarão, cuja pesca é uma das principais atividades na área.

Um estudo recente encomendado pelo NOAA à Universidade de Duke, nos EUA, mostra que a expansão da zona morta provocou o aumento do preço do camarão devido à sua escassez, afetando não só a economia local, mas o mercado de peixe e frutos do mar.

Domínio Público dos EUA / Wikimedia

Imagem de satélite e ilustração da zona morta do Golfo do México

O diretor da NOAA, Steven Thur, explica que as medições desta região são importantes para antecipar tendências e evitar possíveis impactos negativos.

“Essas medições permitem traçar as melhores estratégias para reduzir os impactos sobre a sustentabilidade, a produtividade dos nossos recursos costeiros e a economia”, afirma.

Até hoje, a maior expansão da “zona morta” do Golfo do México tinha sido registada em 2002, quando atingiu 22 mil km². Nos últimos cinco anos, o tamanho médio da região esteve perto dos 15 mil km².

Agora, grupo de trabalho ligado à Agência de Proteção Ambiental dos EUA tem o objetivo de fazer com que a “zona morta” cubra menos de 5 mil km² de área marinha.

Entre as atividades promovidas pelo governo americano para reduzir o tamanho da região, está a negociação com agricultores do Golfo do México para que o impacto do uso de fertilizantes perto do rio Mississippi seja menor.

Segundo os especialistas, existem mais de 350 zonas mortas no mundo – um número que aumenta a cada ano.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Empresa quer vender dispositivos que extraiem água potável do ar

A empresa israelita Watergen está a planear começar a vender uma versão para o consumidor do seu aparelho que extrai água potável do ar ainda este ano. A tecnologia do gerador atmosférico da empresa está em …

"Sem padrinhos, nem donos". Líder da JP levanta congresso centrista

O candidato à liderança do CDS Francisco Rodrigues dos Santos arrancou este sábado no congresso centrista, que está a decorrer em Aveiro, a maior ovação dos delegados, com um discurso inflamado, em defesa de um …

Quando chegaram à Europa pela primeira vez, as batatas eram "hereges"

Os espanhóis foram os primeiros europeus a encontrar batatas na América do Sul nos anos 1530. Porém, quando foram trazidas para o Velho Continente, não foram bem recebidas por todos. Depois de terem sido encontradas pelos …

Ano vai ser "inevitavelmente" de contestação social, avisa CGTP

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, disse esta sexta-feira que este ano vai ser “inevitavelmente” de contestação social se o Governo e as empresas continuarem a insistir num modelo de baixos salários. O líder da intersindical …

Maior ameaça ao crescimento português vem de Espanha

Diz o ditado popular que de Espanha nem bom vento, nem bom casamento. Mas, na verdade, o crescimento económico do país vizinho tem contribuído para puxar pela economia portuguesa. Agora, quando se prevê um abrandamento …

Cabo Verde esteve sem Internet durante 24 horas

O arquipélago de Cabo Verde voltou a ter acesso à Internet na tarde desta sexta-feira, cerca de 24 horas depois de uma instabilidade provocada por falhas no fornecedor internacional do serviço. O país tinha ficado sem …

Ventura em operação de charme no Porto depois de um atraso muito criticado no Parlamento

O deputado André Ventura, eleito pelo Chega, tem agendada para este sábado uma verdadeira operação de charme no Porto, com encontros com o presidente da Associação Comercial do Porto e com apoiantes do partido. Iniciativas …

Assistente social acusada de maltratar 14 crianças em centro de acolhimento

O Ministério Público (MP) acusa uma mulher de 46 anos, que era assistente social e diretora técnica de um centro de acolhimento na Maia, no distrito do Porto, de maltratar 14 crianças nesta instituição. De …

Marcelo não vê razão de preocupação com empresas portuguesas de Isabel dos Santos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta sexta-feira ter sinais de que não há razão para preocupação nos setores económicos e empresas portuguesas nas quais a Isabel dos Santos está a vender …

Mina de lítio em Montalegre. "Impactes negativos minimizáveis” e 370 empregos

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) da concessão de exploração de lítio, em Montalegre, conclui que o projeto possui “impactes negativos” que, no entanto, “não são significativos”, “são minimizáveis” e de “abrangência local”. O EIA do …