Zelenskyy apela à retirada da população de Donetsk. Mykolaiv sofre o ataque “mais forte de sempre”

11

Sergey Dolzhenko/EPA

Volodymyr Zelenskyy

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, apelou no sábado à retirada da população na região de Donetsk, para escapar ao “terror russo”, devido ao bombardeamento de cidades no leste do país que estão a causar baixas civis.

“O governo tomou a decisão de determinar a retirada obrigatória da região de Donetsk”, sublinhou Zelenskyy, no vídeo noturno diário dirigido à população, frisando: “por favor, retirem-se”.

“Nesta fase da guerra, o terror é a principal arma da Rússia”, realçou Zelenskyy, referindo-se aos ataques de Moscovo contra cidades da região do leste da Ucrânia, que todos os dias têm resultado em baixas entre civis.

A vice-primeira-ministra ucraniana, Iryna Vereshchuk, já tinha anunciado a retirada obrigatória de toda a população de Donetsk, uma das duas regiões administrativas na região do Donbass, que permanece parcialmente sob controlo de Kiev.

Vereshchuk justificou esta decisão com a destruição das redes de gás e pela ausência de aquecimento no próximo inverno na região.

Ataque “mais forte de sempre” em Mykolaiv

Entretanto, continuam os ataques. De acordo com o autarca de Dnipropetrovsk, Valentyn Reznichenko, a cidade meridional de Nikopol foi atacada este domingo. No Telegram, disse que cerca de 50 rockets atingiram áreas residenciais em Nikopol, ferindo um homem e danificando casas e canos de gás e água.

Durante a madrugada, também a cidade de Mykolaiv, no sul da Ucrânia, próxima do Mar Negro, foi fortemente bombardeada. O autarca Oleksandr Sienkovych lançou o aviso também no Telegram.

“Hoje, Mykolaiv sofreu um bombardeamento em massa. Provavelmente o mais forte de sempre. Explosões poderosas foram ouvidas depois da uma da manhã e por volta das cinco da manhã. Vários objetos foram destruídos, prédios residenciais foram danificados”, escreveu.

Nesse ataque morreram Oleksiy Vadatursky e a sua mulher, Raisa Mykhailivna. Vadatursky era um dos homens mais ricos da Ucrânia, proprietário da Nibulon, uma empresa agrícola especializada na produção e exportação de grãos de trigo, cevada, milho (a única empresa agrícola na Ucrânia com frota e estaleiro próprios).

A administração Estatal Regional de Mykolaiv anunciou a morte do casal no Telegram, declarando: “Oleksiy Opanasovych fez muito por Mykolaiv, fez muito pela Ucrânia. A sua contribuição para o desenvolvimento da indústria agrícola e naval, o desenvolvimento da região, é inestimável”.

Forças ucranianas atacam a Crimeia

Um ataque de drone das forças ucranianas contra a base russa na Crimeia terá ferido seis pessoas, antes das comemorações previstas para marcar o “Dia da Marinha”, levando ao cancelamento das festividades, avançou a agência de notícias russa TASS. O aparelho terá detonado junto ao edifício sede da frota russa no mar Negro.

Esta acusação ocorreu horas antes de o Presidente russo, Vladimir Putin, supervisionar as comemorações do Dia da Marinha em sua cidade natal, São Petersburgo, e de aprovar a doutrina naval da Rússia, ações entretanto suspensas.

“Não houve mortes, seis pessoas ficaram feridas, duas em estado moderado, o resto está em condição estável”, informou este domingo o governador de Sevastopol, Mikhail Razvozhaev.

O alegado ataque à região, anexada pela Rússia em 2014, pode ser visto como um primeiro sinal de tentativa de recuperação da península da Crimeia, tal como foi prometido por Zelenskyy, no início do conflito

Ucrânia negou a autoria de ataque, dizendo-se vítima de “provocação deliberada”.

Entrada da ONU e da Cruz Vermelha em Olenivka

A Rússia, visando “uma investigação objetiva do ataque ao centro de detenção preventiva em Olenivka, que levou à morte de um grande número de prisioneiros de guerra ucranianos, convidou oficialmente especialistas da ONU e do Comité Internacional da Cruz Vermelha”, avançou no Telegram o Ministério da Defesa russo.

O Governo da Ucrânia já tinha pedido às Nações Unidas que investigasse o ataque.

A 28 de julho, o campo de prisioneiros de guerra ucranianos foi atacado, em Olenivka. A Rússia acusa a Ucrânia do ataque, enquanto a Ucrânia afirma que foram os russos a atacar o campo onde os últimos militares que defenderam Mariupol esperavam uma troca de prisioneiros.

Letónia garante ter gás suficiente para o inverno

A Letónia tem gás natural suficiente para enfrentar o próximo inverno, apesar da suspensão imediata no fornecimento anunciado no sábado pela Gazprom, garantiu a ministra da Economia letã, Ilze Indriksone.

O governo do país báltico reagiu após o corte anunciado pela Gazprom e depois da principal empresa de gás da Letónia, Latvijas Gaze (LG), ter divulgado que está a comprar gás russo, pago em euros, através de um intermediário não identificado.

A revelação feita pela LG causou algum alvoroço no país, já que em abril o governo anunciou a suspensão das importações de gás natural vindo da Rússia.

A ministra letã, citada pelos media locais, referiu que o país não esperava obter gás russo no próximo inverno, mesmo antes do anúncio da Gazprom, que alegou a violação das condições de abastecimento.

O país báltico proibiu as importações de gás russo por lei, a partir de 01 de janeiro de 2023, depois de ter suspendido durante algum tempo, na reação ao início da invasão russa da Ucrânia, em final de fevereiro.

Segundo Indriksone, existe gás natural suficiente armazenado num tanque subterrâneo na cidade de Inculkans. O depósito é operado pela Conexus Baltic Grid, uma rede de fornecimento de gás que também está conectada ao terminal de gás natural liquefeito (GNL) no porto lituano de Klaipeda.

As declarações de Indriksone estão em sintonia com o que outras autoridades do governo letão disseram, sobre a possibilidade de um corte no fornecimento.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Letónia defendeu que a União Europeia deve considerar a Rússia como um estado patrocinador do terrorismo.
As suas declarações foram publicadas no Twitter, na mesma publicação em que condenou o assassinato brutal de prisioneiros de guerra ucranianos em Olenivka.

  Taísa Pagno , ZAP //

11 Comments

  1. A falta de vergonha não tem limites. Diariamente a Ucrânia bombardeia Donetsk e outras cidades sob controlo dos separatistas do Donbass, por vezes com armas proibidas, matando civis e destruindo habitações. Sem que para isso exista qualquer razão estratégica. E é Zelensky que vem agora queixar-se dos bombardeios russos no leste da Ucrânia. Quando se irá perceber que Zelensky é um meliante que proplonga desnecessariamente a guerra na Ucrânia, para servir os interesses americanos?

    • Na guerra todos os beligerantes mentem, “os maus são sempre os outros”. E quando numa guerra moderna, temos a comunicação social inteira ao serviço das mentiras de um dos beligerantes, resta procurar entender através dessas mentiras repetidas até à exaustão. Veja por exemplo, os ucranianos não conseguem estabelecer, de forma credível, o número de civis nacionais mortos pelos “terroristas e criminosos russos” Ou seja, depois de cinco meses de invasão russa, não conseguem indicar um número aproximado a 200 mortos e nem um número de feridos civis aproximado a 2 000. Quase anedota, relatam que um ataque russo com 20 ou 30 bombas e destruídos montes de edifícios, uma velhinha de 78 anos foi ferida e transportada ao hospital. Claro que existem mortos e feridos ucranianos, é uma guerra, mas os números avançados indicam, a uma mente racional, que o ataque russo tem como estratégia causar o menor número de baixas civis possíveis. Porém, quando a NATO se instala, de armas e bagagens na Ucrânia, duvido que os russos continuem a ser “bondosos”, os números de mortos e feridos civis irá crescer, na proporção do investimento da NATO. Uma inutilidade, a Rússia, uma potência nuclear só poderá ser vencida por implosão, nunca militarmente.

  2. Não percebi se o Nuno Cardoso da Siva pretende ter sentido de humor ou se é apologista do terror, mas parece que o tema não é para rir.

  3. O tema não é para rir. Mas é para distrair o Sr. Zelensky e a sua esposa com sessões de fotos. Ele continua a ser artista, mas isto não é um filme com mortos virtuais São mortos verdadeiros.
    E nós é que pagamos para a América encher os bolsos.
    Quando obrigam esta gente a sentar-se a uma mesa para negociarem a paz.
    Ah pois …..não interessa à América e seus seguidores
    Putin não é flor que se cheire, mas este Zelensky também não cheira melhor

    • Quantas vezes mais quer que se sentem em que a Russia e Putin não aceitam negociações? A unica coisa que assinaram foi a libertação dos cereais e veja o resultado… Enfim, abra os olhos que ainda não é tarde para si…

      • Os meus estão bem abertos os seus é que parece que não
        Quem foi que não quis negociar e assinar a saida dos cereais em conjunto na Turquia?
        Segundo dizem as noticias não foi a Rússia, mas sim o artista.

        • Assim se viu que assim que se assinou, o Putin bombardeou tudo! deve ser uma espécie de “aperto de mão” Russo… abra os olhos ou se facto estiverem aberto, fico de veras preocupado consigo…

  4. Pouquinho a pouquinho lá vai o russo conquistando tudo, com muita paciência , De certeza que ele vai querer toda a Ucrânia. Ignora todas as sanções e até parece que não lhe afetam grande coisa.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.