/

Erupção do vulcão Etna causa problemas económicos na Sicília

Orietta Scardino / EPA

Vulcão Etna em erupção

Nos últimos meses, o vulcão Etna tem estado em constante erupção e o custo de limpeza das cinzas está a deixar muitas cidades da Sicília à beira da falência.

O vulcão Etna – um dos mais ativos do mundo – tem dado muito trabalho às autoridades italianas.

O facto do vulcão estar em constante erupção faz com que os trabalhos de limpeza tenham de ser frequentes, mas este é um processo que não é barato.

Na passada segunda-feira, o governo italiano disponibilizou 5 milhões de euros para compensar várias aldeias que têm lutado para se livrar das cinzas vulcânicas, cujo custo pode chegar a mais de 1 milhão de euros por cada erupção.

Em declarações ao jornal The Guardian, Alfio Previtera, funcionário municipal da cidade de Giarre, uma das aldeias mais afetadas pelas cinzas do Etna, disse que “a situação é muito grave”, pois “está tudo coberto de cinzas.

O responsável acrescentou ainda que desde março, cerca de 25 mil toneladas de cinzas assolaram a cidade. “As pessoas estão a usar guarda-chuvas como proteção”, frisou.

De acordo com a lei italiana, as cinzas provenientes de vulcões em erupção são consideradas resíduos especiais, o que aumenta o custo do seu descarte para cerca de 20 euros por metro cúbico.

“A cada erupção, o Etna expele dezenas de milhares de cinzas por metro cúbico”, refere Boris Behncke, vulcanologista do Instituto Nacional de Geofísica de Catânia, explicando que esta situação “é um problema para os municípios”.

Segundo o especialista, para conseguir fazerem a manutenção dos resíduos, várias cidades têm acumulado uma grande dívida, sendo que algumas já entraram num “colapso financeiro”.

Para evitar que os municípios fiquem os cofres vazios, o Senado aprovou, na semana passada, uma lei que determina que as cinzas já não precisam de ser consideradas lixo especial.

“A lei vai reduzir significativamente os custos de limpeza”, destaca Silvio Grasso, engenheiro e chefe da proteção civil de Giarre.

Grasso prevê que com a nova lei, as cinzas podem ser utilizadas “na agricultura para tornar a terra mais fértil, ou na construção. Ainda assim o problema persiste porque o Etna ainda está em erupção”, relembra.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Desde fevereiro, o vulcão Etna, que se encontra a 3.300 metros acima do nível do mar, entrou em erupção, com fontes de lava de 2.000 metros de altura.

De 1977 até o presente, houve centenas de episódios semelhantes ao atual, incluindo a sequência excecional de entre janeiro e agosto de 2000 e entre 2011 e 2013.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.