Von der Leyen apresentou um “ramalhete” de promessas no Parlamento Europeu. Votação marcada para as 18h

Patrick Seeger / EPA

A candidata à presidência da Comissão Europeia comprometeu-se esta terça-feira a tornar a Europa o primeiro continente a alcançar a meta da neutralidade carbónica em 2050, indicando que irá apresentar um “acordo verde” nos primeiros 100 dias no cargo.

“O nosso desafio mais premente é manter o nosso planeta saudável. É a maior responsabilidade e oportunidade do nosso tempo. Quero que a Europa seja o primeiro continente neutro em carbono em 2050. Para que tal aconteça, temos de assumir metas mais ambiciosas. O nosso objetivo atual não é suficiente”, declarou Ursula Von der Leyen, diante do Parlamento Europeu (PE), em Estrasburgo.

Num discurso de mais de 30 minutos, proferido em francês, alemão e inglês, a candidata designada pelo Conselho Europeu para a presidência do executivo comunitário não deixou nenhum dos grandes temas europeus de fora, assumindo compromissos para agradar a socialistas, liberais e até aos Verdes, nomeadamente o de apresentar um “acordo verde” para a Europa nos primeiros 100 dias no cargo.

Evocando Simone Veil, a primeira mulher a presidir a assembleia europeia, a política alemã prometeu lutar por uma União Europeia mais justa, em que “ninguém fica para trás”, e em que seja a “economia a servir os cidadãos” e não o inverso.

Nesse sentido, Von der Leyen mostrou-se preparada para assegurar um salário mínimo justo em todos os Estados-membros, “uma maior proteção para aqueles que perdem o seu emprego em tempos de crise”, e um maior apoio a crianças e jovens, designadamente ao ir ao encontro da ideia do PE de triplicar o orçamento do Erasmus no próximo Quadro Financeiro Plurianual.

A ainda ministra alemã da Defesa tentou “seduzir” a bancada dos Socialistas e Democratas (S&D), comprometendo-se a completar a União de Capitais, a recorrer à flexibilidade do Pacto de Estabilidade e Crescimento e a taxar os gigantes tecnológicos a operar na União Europeia, três das bandeiras defendidas pelos socialistas.

“Não deve haver qualquer compromisso quanto ao respeito pelo Estado de Direito. A Comissão irá defender o Estado de Direito sempre que for atacado”, garantiu, afastando as dúvidas expressas por socialistas e liberais na passada semana, após a ronda de consultas da candidata com os grupos políticos em Bruxelas.

Também no que toca às migrações, Von der Leyen foi perentória: “No mar, há o dever de salvar vidas. E nos nossos tratados e convenções há o dever moral de respeitar a dignidade humana. A UE deve salvar, mas salvar não é suficiente. Temos de combater o crime organizado, melhorar a situação de refugiados”. Para a alemã, a UE precisa de “empatia”, pelo que proporá um novo Pacto de Migrações e Asilo.

“Temos de modernizar o nosso sistema de asilo, um sistema de asilo comum tem de ser isso mesmo, comum. Precisamos de solidariedade e uma nova forma de partilha de responsabilidade”, completou, revelando que há quatro anos acolheu um refugiado sírio, de 19 anos, em sua casa, e que este se tornou “uma inspiração para todos”.

Numa declaração muitas vezes aplaudida, e “recheada” de promessas, a candidata indigitada pelo Conselho Europeu em 2 de julho assegurou que a sua Comissão Europeia será paritária. “Se os Estados-membros não propuserem mulheres, não hesitarei em pedir outro nome”, asseverou, antes de anunciar a intenção de incluir a violência contra mulheres nos crimes previstos nos tratados europeus.

O momento mais tenso da intervenção de Ursula Von der Leyen diante dos eurodeputados aconteceu com a referência à saída do Reino Unido da União Europeia, com os britânicos a aplaudirem quando a política alemã lamentou o Brexit e a apuparem quando se mostrou disponível a adiá-lo para lá de 31 de outubro.

O Parlamento Europeu vota esta terça-feira, às 18h00 horas (menos uma hora em Lisboa) a nomeação da alemã Ursula von der Leyen, candidata designada pelo Conselho Europeu, para a presidência da Comissão Europeia.

Extrema-direita vota contra Von der Leyen

O novo grupo Identidade e Democracia (ID) anunciou, de acordo com a SIC Notícias, que vai votar contra a nomeação da alemã Ursula Von der Leyen para a presidência de Comissão, uma declaração de intenções que levou a candidata a congratular-se.

Após ouvir a declaração da candidata indigitada pelo Conselho Europeu, o vice-presidente daquele grupo, que integra partidos de extrema-direita, nomeadamente a Liga de Matteo Salvini e a União Nacional de Marine Le Pen, comunicou que, “após estudar profundamente” as propostas de Von der Leyen, o Identidade e Democracia chegou à conclusão de que a política alemã “não está à altura das circunstâncias exigidas para desempenhar a função”.

“Hoje, apresentou aqui um ‘ramalhete’ de promessas que soam bem, mas que não são mais do que promessas de um político com dupla identidade e que quer satisfazer a todos”, acusou Jörg Meuthen, notando as “contradições flagrantes” da sua intervenção.

O eurodeputado do partido político alemão de extrema-direita Alternativa para a Alemanha (AfD) criticou o facto de as propostas da sua compatriota para a presidência do executivo comunitário se centrarem “na centralização, na arrogância e em mais impostos“, carecendo de uma visão “moderna”.

O ID ainda não tinha anunciado o seu sentido de voto na votação, mas a perda de 73 votos, o número de eurodeputados daquele grupo, não pareceu preocupar Ursula Von der Leyen.

Na semana em que Ursula von der Leyen, de 60 anos, médica e mãe de sete filhos, se reuniu com os grupos parlamentares europeus, foi também natural alvo de curiosidade fora de Bruxelas. Até a sua participação, há uma década, num programa de TV, em que é retirada de um caixote do lixo pelo ator Hugh Jackman, foi objeto de partilha e de comentários.

Ursula von der Leyen precisa agora de apoio para vencer a votação agendada para a próxima terça-feira, na qual o seu nome tem de ser aprovado por maioria absoluta dos 751 eurodeputados.

Se a eleição da ministra alemã falhar, cabe ao Conselho Europeu a responsabilidade de apresentar uma nova candidatura, no prazo de um mês, em decisão a tomar por maioria qualificada.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. deveriam perguntar à sra, se existissem ainda jornalistas, o que a mesma esteve a fazer há umas semanas na Suiça na reunião do bilderberg, onde óbviamente a escolha foi feita e o resto é conversa da treta.

RESPONDER

Cientista americana diz estar certa de que a Terra será atingida por asteroide

https://vimeo.com/355132338 Uma cientista americana de uma ONG dedicada a proteger a Terra diz que é 100% certo que um asteroide atingirá o nosso planeta. A cientista é Danica Remy, presidente da Fundação B612. Após um asteroide não …

NASA vai mesmo explorar Europa, a lua de Júpiter que pode ter vida extraterrestre

A NASA deu luz verde a uma missão para explorar uma lua de Júpiter que é considerada um dos melhores candidatos para a vida extraterrestre. A Europa - que é um pouco mais pequena do que …

País de Gales cancela plano controverso de criar "casas de banho robô"

O objetivo da construção era impedir atividade sexual, vandalismo e dormidas nas casas de banho públicas. O projeto ia recorrer às tecnologias de piso sensível ao peso, jatos de água, sensores anti-movimento e alarmes. O conselho …

Sem saber, uma mulher viveu durante 17 anos com a sua "gémea" dentro dela

Uma jovem na Índia, sem saber, viveu com uma das condições médicas mais raras e perturbadoras durante quase duas décadas. De acordo com um relatório de caso desta semana, a mulher tinha um saco que continha …

Novo filme da saga 007 já tem nome e data de estreia marcada

O novo filme da saga 007, realizado por Cary Fukunaga chama-se "No time to die" e estreia-se no Reino Unido e nos Estados Unidos em abril de 2020. "Daniel Craig regressa como James Bond, 007 em... …

Comporta pode tornar-se na nova Ibiza (e tudo começou com a queda do BES)

Após anos de um quase esquecimento, em termos de desenvolvimento imobiliário, a Comporta está a atrair investidores internacionais que encaram a pequena vila de Setúbal como uma "nova Ibiza". Um cenário que está a preocupar …

Família de Aretha Franklin cria fundo para a investigação de cancro raro

Um ano após a morte da cantora, a família de Aretha Franklin criou um fundo de apoio à investigação na área dos tumores neuroendócrinos, a doença rara que se revelou fatal para a celebridade, a …

Sporting vai monitorizar tudo o que se diz e escreve sobre jogadores

A empresa Noisefeed tem uma enorme base de dados relativa à atividade nas redes sociais de milhares de jogadores a nível global. Os jogadores de futebol de todo o mundo usam, cada vez mais, as redes …

Boris janta hoje com Merkel para mudar acordo. Maioria quer novo referendo

A pouco mais de dois meses da data marcada para a saída do Reino Unido da União Europeia, uma nova sondagem mostra que a maioria dos britânico quer que qualquer novo acordo vá a referendo. Um …

Oficial: Pardal Henriques candidato a deputado pelo partido de Marinho Pinto

O advogado Pedro Pardal Henriques anunciou esta quarta-feira que aceitou o convite para encabeçar a lista do PDR a Lisboa, deixando de ser porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas para "não misturar …