Vodafone avisa o Governo de que pode deixar de investir em Portugal (e a culpa é do 5G)

O presidente da Vodafone Portugal, Mário Vaz, denuncia o descontentamento da empresa com os moldes do concurso para a atribuição da rede 5G que foram delineados pela Autoridade Nacional de Comunicações (Anacom). “Estamos perante um ambiente desincentivador”, sustenta, notando que a Vodafone se vê forçada a rever a sua “aposta no nosso país”.

Declarações feitas por Mário Vaz durante um debate promovido pela Associação Empresarial de Comunicações de Portugal, como transcreve a TSF.

O executivo da Vodafone constata que este é “um momento nunca antes visto de ataques ao sector conduzido por quem tem responsabilidade de promover o seu desenvolvimento”.

“Estamos perante um ambiente desincentivador a esse investimento, estamos perante condições que obrigam os nossos accionistas a revisitar a sua aposta no nosso país”, diz ainda Mário Vaz.

Esta posição surge depois de a Anacom ter denunciado que a Vodafone, tal como a NOS e a MEO, aumentaram os preços e baixaram a qualidade dos respectivos serviços neste ano.

Acusando a Anacom de criar uma “realidade distorcida por inverdades”, Mário Vaz considera ainda que os termos do concurso do leilão do 5G colocam “em xeque a imagem de um país visto como uma referência europeia no sector”.

Um aviso ao Governo

O presidente executivo do grupo Vodafone, Nick Read, já tinha afirmado, na conferência com analistas sobre os resultados do primeiro semestre da empresa, que se os governos pretendem uma “comunidade de investidores saudável”, tem de haver “equilíbrio”.

“Vamos continuar a litigar contra aquilo que a Vodafone considera serem auxílios estatais, no âmbito do leilão do 5G. E enquanto fazemos isso, teremos de considerar o investimento que estamos a fazer” no mercado português, acrescentou Nick Read.

Segundo o gestor, “Portugal é um bom exemplo onde a estrutura do leilão de espectro não estava a permitir uma estrutura de indústria saudável”, sem qualquer “teste de mercado, sem evidência de qualquer falha de mercado”, salientando que “estavam a ser dadas condições vantajosas aos novos entrantes, tanto em termos de baixo preço do espectro, como da não obrigação real de desenvolvimento” da rede, podendo aceder ao ‘roaming‘ nacional.

“Onde está o incentivo para aqueles que estão realmente a investir nos mercados? E tínhamos planeado colocar um centro de excelência com 400 FTE [postos de trabalho] em Portugal e colocámos em pausa”, continuou.

“Não vamos apoiar governantes que trabalhem dessa forma contra operadores existentes, especialmente quando estávamos lá para a crise” resultante da pandemia de covid-19, garantiu ainda Nick Read.

Entretanto, “o regulador e o Governo mudaram as condições, melhoraram as condições”, porque agora “o novo entrante vai pagar o preço e terá de implementar rede”, disse.

“Mas [as regras do leilão] não foram longe o suficiente. Continuamos a acreditar que se trata de um auxílio estatal e continuamos a acreditar que viola a legislação europeia das telecomunicações”, frisou ainda Nick Read, garantindo que a Vodafone vai continuar a litigar.

No que pode ser visto como uma mensagem ao Governo português, Nick Read salientou também que o grupo Vodafone irá aplicar capital onde vir os governos “a apoiar” o “princípio” de que “os accionistas precisam de obter o retorno adequado“.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Talibãs confiscam fortunas de antigos funcionários do Governo afegão

O novo Governo talibã confiscou milhões de dólares em dinheiro e ouro de antigos funcionário do Governo do Afeganistão. O Banco Central do Afeganistão, agora controlado pelos talibãs, diz ter confiscado mais de 10 milhões de …

Seis recordes (indesejados) no Sporting-Ajax

Aos 68 segundos já havia um registo inédito em Alvalade. FC Porto continua bem fora de casa, Atlético de Madrid continua mal em casa. Pelo segundo ano consecutivo, o início do Sporting numa competição europeia foi …

Jovem de 16 anos do Real Massamá blindado com uma cláusula de €15 milhões

Amadu Baldé estreou-se este ano pela equipa sénior do Real Massamá. O jovem de 16 deixou tão boas impressões que o clube renovou-lhe o contrato e blindou-o com uma cláusula de rescisão de 15 milhões …

Portugal tem 80% da população com a vacinação completa. Faltam administrar 400 mil doses — mas a quem?

De acordo com as previsões das autoridades de saúde, Portugal deveria atingir a meta de 85% da população com o esquema vacinaal completo em outubro, pelo que ficam a faltar 400 mil doses. Portugal atingiu esta …

Entidade para a Transparência está há dois anos para sair do papel (e pode só chegar em 2024)

A nova Entidade para a Transparência está há dois para sair do papel e até pode só começar a funcionar em 2024. A lei que a criou é de 13 de setembro de 2019, mas até …

Sheriff, o clube que representa um país que oficialmente não existe, faz história na Champions

Na sua estreia absoluta na Liga dos Campeões, o Sheriff Tiraspol venceu o Shakhtar por 2-0. O clube representa um país que, oficialmente, não exista: a Transnístria. Sheriff Tiraspol foi fundado em 1997 por antigos membros …

Costa foi dar um empurrão ao "amigo" Manuel Machado (e tirou da cartola uma maternidade para Coimbra)

Manuel Machado corre o risco de perder a autarquia e, por isso, António Costa foi dar-lhe um empurrão esta quarta-feira, com a promessa de uma nova maternidade que irá avançar três semanas depois das eleições. …

Entre críticas às “ciclovazias”, Medina ouviu mais e falou menos (e ainda houve um debate à esquerda)

O último debate dos candidatos à Câmara de Lisboa aconteceu ontem na RTP, sendo que os temas de maior destaque voltaram a ser a habitação, mobilidade, turismo e alterações climáticas. Os doze candidatos não pouparam esforços …

Farmácias já estão a aceitar reservas de vacinas contra a gripe

Este ano, as farmácias portuguesas vão voltar a administrar gratuitamente a vacina contra a gripe a pessoas com mais de 65 anos. Para já, ainda não há data para o início da venda e imunização, mas …

Golo de Taremi foi bem anulado? Especialistas esclarecem decisão

Muitos contestam a anulação do golo de Taremi já perto do fim da partida. Especialistas em arbitragem defendem que a decisão foi bem tomada. Atlético de Madrid e FC Porto empataram a zero na primeira jornada …