Um violino está a pôr em risco compromisso de devolver objetos saqueados pelos nazis

Um violino com 300 anos está no centro de uma disputa que ameaça minar o compromisso da Alemanha em devolver objetos saqueados pelos nazis.

Ninguém sabe por que Felix Hildesheimer, um negociante de instrumentos musicais judeu, comprou um violino construído pelo mestre italiano Giuseppe Guarneri numa loja na Alemanha em janeiro de 1938.

A sua própria loja tinha perdido clientes não judeus por causa dos boicotes nazis e as duas filhas fugiram do país pouco depois. Os seus netos dizem que é possível que Hildesheimer esperasse conseguir vender o violino na Austrália, onde planeava construir uma nova vida com a sua esposa Helene e a sua filha mais nova.

Porém, o casal nunca conseguiu obter um visto australiano e Hildesheimer suicidou-se em agosto do mesmo ano.

Agora, de acordo com o jornal norte-americano The New York Times, mais de 80 anos depois, o violino de 300 anos – avaliado em cerca de 152 mil euros – está no centro de uma disputa que ameaça minar o compromisso da Alemanha em devolver objetos saqueados pelos nazis.

Após a compra de Hildesheimer, o rasto do violino Guarneri desapareceu até 1974, altura em que reapareceu numa loja na cidade de Colónia, no oeste da Alemanha, e foi comprado pela violinista Sophie Hagemann, que morreu em 2010, legando-o à fundação que tinha criado para divulgar a obra do seu marido compositor e apoiar jovens músicos.

Desde então, a Fundação Hagemann restaurou o violino e começou a investigar a sua propriedade anterior. Ao observar a lacuna de proveniência de 1938 a 1974, registou o instrumento num banco de dados do Governo alemão de bens culturais saqueados pelos nazis, na esperança de encontrar mais informações sobre a família Hildesheimer.

Um jornalista norte-americano rastreou os netos do negociante de música e a fundação concordou em enviar o caso à Comissão Consultiva do Governo sobre a devolução de propriedade cultural saqueada pelos nazis que determinou, em 2016, que o violino foi quase certamente vendido por Hildesheimer sob coação ou apreendido pelos nazis.

O painel recomendou que o atual titular, a Fundação Franz Hofmann e Sophie Hagemann, uma organização de educação musical, pagasse aos netos do negociante uma indemnização de 100 mil euros. Em troca, a fundação poderia ficar com o instrumento, que planeava emprestar a talentosos alunos de violino.

Porém, a fundação recusa-se a pagar. Depois de dizer que não conseguia arrecadar os fundos, agora está a lançar dúvidas sobre a decisão do comité. Num comunicado, a fundação disse que “informações atuais” sugerem que Hildesheimer não foi forçado a desistir do seu negócio até 1939 -, em vez de 1937, como se pensava anteriormente. Assim, segundo a nota, “devemos supor que o violino foi vendido como um produto na sua loja de música”.

Na semana passada, a Comissão Consultiva emitiu uma declaração pública com o objetivo de aumentar a pressão sobre a Fundação Hagemann para cumprir a sua recomendação. Ambos os lados aceitaram isto como uma solução justa”, disse o comunicado, acusando a fundação de não mostrar um “sério compromisso de cumprir a recomendação da comissão”.

Os esforços para contestar a recomendação – quatro anos após ter sido emitida -, sugerindo que o negociante judeu vendeu o violino em condições perfeitamente normais significa que “a fundação não está apenas a violar os princípios existentes sobre a restituição de arte saqueada pelos nazis. É também ignorar factos aceites sobre a vida na Alemanha nazi”.

A recusa da fundação em pagar está a colocar em risco um sistema para lidar com reivindicações de arte saqueadas pelos nazis que existe há quase 20 anos e levou à restituição de obras de museus públicos e, em 2019, duas pinturas da coleção de arte do próprio Governo alemão.

Os legisladores criaram o painel em 2003, após endossar os Princípios de Washington, um acordo internacional de 1998 que exigia soluções “justas” para os proprietários pré-guerra e os seus herdeiros cujas obras foram confiscadas pelos nazis. As famílias de judeus cujos pertences foram expropriados raramente conseguem recuperar propriedade cultural roubada nos tribunais alemães por causa de estatutos de limitação e regras que protegem compradores de boa-fé de bens roubados.

Portanto, a Comissão Consultiva, que arbitra entre as vítimas de espoliação e os detentores de propriedade cultural em disputa, muitas vezes, é o único recurso dos reclamantes. Porém, a comissão não é um tribunal e não tem poderes legais para fazer cumprir as suas recomendações, segundo Hans-Jürgen Papier, presidente do painel e ex-presidente do Tribunal Constitucional da Alemanha.

David Sand, neto de Hildesheimer, disse que a família tem sido “muito complacente e até ofereceu assistência à fundação para arrecadar fundos em e-mails nos últimos quatro anos”. “Se a comissão pode ser desafiada sem consequências, não vejo como estes casos podem ser tratados no futuro”.

Papier disse esperar que a decisão do painel de denunciar aos media o incumprimento da fundação aumente a consciencialização entre os legisladores e o público sobre as questões em jogo. Embora a Fundação Hagemann seja uma entidade privada, tem ligações com a Universidade de Música de Nuremberg, que pertence ao estado alemão da Baviera.

Porém, uma porta-voz do Ministério da Cultura da Baviera disse que “cabia à fundação privada atender às recomendações da Comissão Consultiva. O estado da Baviera não tem base legal para influenciar proprietários privados”.

Um porta-voz do Ministério da Cultura da Alemanha disse ainda que o ministério “não tem ferramentas disponíveis para obrigar uma fundação privada a implementar uma recomendação da comissão”, disse.

Maria Campos Maria Campos, ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

RESPONDER

UE estima normalidade nas vacinas daqui a duas semanas. Orbán recebeu vacina chinesa

A União Europeia (UE) estima que dentro de duas a três semanas "tudo vai funcionar normalmente" na produção e distribuição de vacinas nos Estados-membros. Entretanto, o primeiro-ministro húngaro já foi vacinado (mas com uma vacina …

"Os dados de milhões de pessoas estão em risco", alertam denunciantes da Amazon

Denunciantes da Amazon alertam que os dados de milhões de pessoas estão em risco devido à falta de preocupação da empresa com a cibersegurança. A par da Google, Apple, Microsoft e Facebook, a Amazon é uma …

Mais 41 mortes e 718 novos casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Portugal registou, este domingo, mais 41 mortes e 718 novos novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da DGS, dos 718 …

Navalny chega a colónia penal a leste de Moscovo

O principal opositor do Kremlin chegou, este domingo, a uma zona a cerca de 200 quilómetros a leste de Moscovo para ser transferido para uma colónia penal onde vai cumprir a sua pena, informou um …

Já chegou o voo de repatriamento com 300 passageiros vindos do Brasil

O voo de repatriamento vindo do Brasil chegou, este domingo de manhã, ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, com cerca de 300 passageiros. De acordo com a RTP, o voo de repatriamento vindo de São Paulo, …

Costa imune ao descontrolo da pandemia. Popularidade de Marcelo dispara

A sondagem TSF/JN/DN regista uma avaliação positiva do primeiro-ministro e do Presidente da República, com este a atingir um novo pico de popularidade. Os líderes do PSD e do Chega surgem empatados como principais figuras da …

Mais seis mortos nos protestos em Myanmar. Embaixador na ONU afastado

Seis manifestantes foram mortos em Myanmar, este domingo, por forças de segurança que dispersavam com violência as manifestações pró-democracia. Três manifestantes foram mortos em Dawei (no sul do país), enquanto dois adolescentes, de 18 anos, morreram …

Siza Vieira anuncia que Programa Apoiar vai ser reforçado e alargado

O programa Apoiar, destinado a empresas afetadas pela pandemia da covid-19, vai ser reforçado e alargado a novas situações, anunciou o ministro da Economia, indicando que as medidas vão ser anunciadas na próxima semana. "Queremos reforçar …

Embaixadora deixa Venezuela na terça-feira. UE chama embaixador em Cuba

A embaixadora da União Europeia na Venezuela vai sair do país na terça-feira, informou à agência Lusa fonte diplomática europeia, sem adiantar mais detalhes. Na última quarta-feira, a Venezuela decidiu expulsar Isabel Brilhante Pedrosa, em retaliação …

EUA aprovam vacina unidose da Johnson & Johnson. Nova Zelândia volta ao confinamento

O regulador do medicamento norte-americano aprovou, este sábado, a vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson, a terceira autorizada nos Estados Unidos. A vacina em causa da Johnson & Johnson é de dose única e junta-se …