Violência na Colômbia preocupa comunidade internacional

Ernesto Guzman Jr / EPA

Várias cidades colombianas continuam a ser palco de violentas manifestações contra o Governo do país, mas são reprimidas com força pela polícia e por militares.

As manifestações começaram em forma de protesto contra uma reforma tributária proposta pelo Governo e agora estão a transformar-se numa contestação generalizada à desigualdade e à ausência de políticas de combate à pobreza.

O clima de instabilidade política e social na Colômbia têm-se agravado e o fim parece estar longe. Os protestos são alimentados por uma desconfiança mútua entre as forças de segurança e os milhares de pessoas que têm participado nas manifestações das últimas duas semanas.



Iván Duque, o presidente do país, anunciou no passado domingo a retirada da proposta de reforma fiscal, que iria, entre outras coisas, aumentar o IVA e o rendimento tributável, e, dias depois, o ministro das Finanças demitiu-se.

No entanto, as decisões não fizeram com que o nível de contestação baixasse de tom.

Segundo o Público, a greve geral convocada na semana anterior mantém-se e quase todos os dias são convocadas manifestações nas principais cidades do país, que são respondidas violentamente pelas forças de segurança.

De acordo com a Temblores, uma organização não-governamental dedicada a estudar a violência policial, pelo menos 37 pessoas morreram durante as manifestações se há 89 desaparecidos, muitos dos quais se receia poderem ter morrido.

Organizações como a Amnistia Internacional acusam a polícia de usar armas com munições reais contra os manifestantes e nas redes sociais correm vídeos que mostram uma acção violenta e indiscriminada por parte das forças de segurança.

Em Cali, que tem sido o epicentro dos protestos mais violentos, um grupo de ativistas pela defesa dos direitos humanos, incluindo um membro do gabinete do provedor de Justiça colombiano, foi atacado e intimidado pela polícia enquanto assistia manifestantes detidos.

A violência da repressão das manifestações está a causa preocupação na comunidade internacional.

O porta-voz do secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu o respeito por “direitos básicos” dos cidadãos colombianos.

Preocupações semelhantes foram expressas pelo chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, que pediu o fim do “uso excessivo da força para reprimir os protestos, a escalada de violência e qualquer uso desproporcional da força”.

ZAP //

 

 

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. São mais os exemplos de governos contra o seu povo do que a favor. Apenas servem para usurpar o povo com violência?

RESPONDER

Guterres presta juramento na ONU e estabelece "prioridade mundial absoluta"

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, prestou juramento e tomou posse para um segundo mandato durante uma sessão plenária da Assembleia Geral das Nações Unidas, em Nova Iorque, Estados Unidos. António Guterres …

Suécia 1-0 Eslováquia | Isak carrega nórdicos às costas

A Suécia deu hoje um passo de ‘gigante’ rumo aos oitavos de final do Euro2020 de futebol, ao vencer a Eslováquia por 1-0, em encontro da segunda jornada do Grupo E, disputado em São Petersburgo. Depois …

Ex-CEO da Groundforce admite hipótese de comprar a empresa

O ex-CEO da Groundforce, afastado do cargo em abril por "violação grave dos deveres de lealdade", não exclui a hipótese de vir a comprar a empresa de handling. Em declarações ao jornal online ECO, Paulo Neto …

Viatura onde seguia Eduardo Cabrita atropela uma pessoa na A6

Esta sexta-feira, um homem morreu após ter sido atropelado pelo automóvel em que seguia o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, num acidente na autoestrada A6. Numa nota enviada às redações, o Ministério da Administração Interna …

Portugal com mais 1.298 casos e quatro mortes

Esta sexta-feira, Portugal registou 1.298 novos casos e quatro mortes na sequência da infeção por covid-19. Segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS), foram registados, nas últimas 24 horas, mais 1.298 casos e …

Parlamento aprova prorrogação das moratórias bancárias até final do ano

O alargamento aplica-se aos "particulares e para as empresas que desenvolvem a sua atividade em setores especialmente afetados pela pandemia de covid-19". O Parlamento aprovou, esta sexta-feira ,a prorrogação e alargamento das moratórias bancárias, que terminavam …

Tribunal belga obriga AstraZeneca a entregar 50 mihões de doses de vacina à UE

A AstraZeneca vai ter que entregar 50 milhões de doses da vacina para a covid-19 à União Europeia. A entrega deve ser efetuada até 27 de setembro. A justiça belga ordenou, esta sexta-feira, à farmacêutica …

"Dois terços dos problemas estão na Área Metropolitana de Lisboa", justifica Costa

O primeiro-ministro, António Costa, justificou esta sexta-feira a necessidade de tomar medidas localizadas em Lisboa para evitar que o agravamento da situação epidemiológica se alastre.  Em Bruges, na Bélgica, à margem da sessão de encerramento do …

CDS critica “enorme infelicidade” do Presidente e "comunicação desastrosa" do Governo

O CDS-PP criticou hoje as declarações do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, quando disse que no que depender dele não haverá "volta atrás" no desconfinamento, considerando-as de “uma enorme infelicidade”, lamentando também a …

Astronautas entraram pela primeira vez na nova estação espacial chinesa

Três astronautas chineses começaram, esta sexta-feira, a fazer da nova estação espacial da China o seu lar, um dia depois de ali terem chegado, num lançamento bem-sucedido, que marcou um novo avanço no ambicioso programa …