Cavaco enviou veto fora de prazo (e a culpa é do porteiro)

presidencia.pt

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva

Os vetos de Cavaco Silva aos diplomas da adoção por casais do mesmo sexo e das alterações à lei do aborto foram entregues com possíveis dias de atraso por terem ficado quatro dias na portaria do Palácio de Belém antes de serem apreciados pelo Presidente da República.

O chefe de Estado aponta a data de receção dos diplomas como o dia 4 de janeiro, mas o documento da Assembleia da República que comprova a receção pelo Palácio de Belém dos dois diplomas tem data de 30 de dezembro.

De acordo com a Constituição, Cavaco Silva tinha 20 dias para vetar ou promulgar as alterações. Ao dar a sua resposta a 23 de janeiro – um sábado -, o prazo é ultrapassado se iniciarmos a contagem a 30 de dezembro, e respeitado apenas no limite tendo em conta que o início da contagem a 4 de janeiro terminava no dia das eleições presidenciais.

Os diplomas foram entregues em mão por um funcionário do Parlamento, mas o assessor de imprensa da Presidência da República José Carlos Vieira, explica ao Diário de Notícias que apesar de os diplomas terem dado entrada no Palácio de Belém a 30 de dezembro “no portão exterior” – o que consta no documento que comprova a receção -, tal ocorreu “às 18h12, quando a Secretaria da Presidência que receciona a correspondência do Presidente estava já fechada”.

No dia seguinte, “sendo 31 de dezembro, havia tolerância de ponto e a secretaria esteve também fechada, assim como no dia seguinte, sexta, 1 de janeiro, feriado, e no fim de semana”, descreve o assessor do PR.

Assim, de acordo com a Presidência a secretaria só recebeu os diplomas na segunda-feira, dia 4, e daí os vetos referirem essa data. Do ponto de vista da Presidência, este deve ser considerado o ponto de partida para a contagem dos 20 dias – e assim os vetos, datando de 23, estariam dentro do prazo.

Sem consequências

O caso foi abordado esta segunda à noite, no programa Prós & Contras, da RTP.

O constitucionalista Jorge Reis Novais, a primeira pessoa a levantar publicamente a questão, considera trata-se de “uma manipulação ostensiva das datas” da parte da Presidência.

“O Presidente usou 27 dias em vez de 20, o que é um escândalo”, sublinha.

No entanto, considera que a Assembleia não deve “levar isto para a discussão jurídica, o que seria um erro. Deve desvalorizar os vetos com base na sua inconstitucionalidade mas confirmar os diplomas”.

Paulo Otero, outro constitucionalista, frisa que “tal como não existe nenhum mecanismo previsto para o caso em que o Presidente deixa passar o prazo constitucional para veto ou promulgação, também não existe um que o obrigue a promulgar caso ele não queira; não existe qualquer sanção”.

O professor catedrático conclui que “sendo o Presidente da República o garante da Constituição deve respeitá-la, mas se a desrespeitar não acontece nada.” Assim, “em termos práticos, a Assembleia poderia notificá-lo por ter deixado passar o prazo mas nada o obrigava a promulgar”.

Jorge Reis Novais fez, no entanto, um reparo: “23 de janeiro, a data do veto, foi sábado. Para receber não podia ser mas para vetar já pode ao sábado?

ZAP

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Há funções supostamente inferiores que estão a ser subvalorizadas.
    Neste caso é o porteiro , no caso do outro foi o motorista !

    Proponho um porteiro para Presidente e um motorista para 1ºMinistro .

  2. Se o presidente e o resto da pandilha que nos governa, incluindo as autarquias, trabalhasse para os privados isto não tinha acontecido porque eles não têm tolerância de ponto. É sempre a trabalhar. Para quando um governo que ponha tudo no lugar e acabe com trabalhadores de 1ª e de 2ª como infelizmente acontece? Quando aparece alguém a querer pôr ordem nos trabalhos vem logo a corja e não deixa.

  3. Nos filmes policiais com crimes, normalmente a culpa é do mordomo. Aqui a culpa foi do porteiro que não entregou as coisas a tempo. É normal colocar as culpas em cima dos outros para não se sentirem culpados. Um documento de tanta importância é entregue assim como se fosse um recibo a água? Porque não foi entregue em mãos aos responsáveis? Acho que no palácio de Belém há uma militar da GNR que serve de estafeta para entregar a correspondência em mãos (este procedimento é conhecido por protocolo. Ao entregar a correspondência, quem recebe assina um livro em como recebeu). Também é normal no portugues gaurdar as coisas para a ultima da hora e foi o que aconteceu aqui, guardou-se a resolução do problema para a ulltima da hora e depois anda-se a correr para resolver as coisas. Neste caso agora a culpa é do PORTEIRO. Resumo: lá vai o porteiro ser alvo de um processo e com certeza despedido por incompetencia no trabalho. Vai ser mais facil despedir o porteiro do que o Presidente da República.

RESPONDER

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …

Roubar aos ricos para dar aos pobres. Misterioso grupo de hackers desviou dinheiro para doar à caridade

Um misterioso grupo de hackers, conhecidos como hackers Darkside, doou dinheiro a duas instituições de caridade - mas esse dinheiro foi roubado pelo mesmo grupo a grandes corporações através de um ataque de ransomware. Quase podia …

Desatualizados e com erros. IA vai vasculhar milhares de documentos da Casa Branca

O Escritório de Administração e Orçamento da Casa Branca (OMB) disse que as agências federais vão usar inteligência artificial (IA) para eliminar requisitos desatualizados, obsoletos e inconsistentes em dezenas de milhares de páginas de regulamentos …