Cavaco enviou veto fora de prazo (e a culpa é do porteiro)

presidencia.pt

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva

O Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva

Os vetos de Cavaco Silva aos diplomas da adoção por casais do mesmo sexo e das alterações à lei do aborto foram entregues com possíveis dias de atraso por terem ficado quatro dias na portaria do Palácio de Belém antes de serem apreciados pelo Presidente da República.

O chefe de Estado aponta a data de receção dos diplomas como o dia 4 de janeiro, mas o documento da Assembleia da República que comprova a receção pelo Palácio de Belém dos dois diplomas tem data de 30 de dezembro.

De acordo com a Constituição, Cavaco Silva tinha 20 dias para vetar ou promulgar as alterações. Ao dar a sua resposta a 23 de janeiro – um sábado -, o prazo é ultrapassado se iniciarmos a contagem a 30 de dezembro, e respeitado apenas no limite tendo em conta que o início da contagem a 4 de janeiro terminava no dia das eleições presidenciais.

Os diplomas foram entregues em mão por um funcionário do Parlamento, mas o assessor de imprensa da Presidência da República José Carlos Vieira, explica ao Diário de Notícias que apesar de os diplomas terem dado entrada no Palácio de Belém a 30 de dezembro “no portão exterior” – o que consta no documento que comprova a receção -, tal ocorreu “às 18h12, quando a Secretaria da Presidência que receciona a correspondência do Presidente estava já fechada”.

No dia seguinte, “sendo 31 de dezembro, havia tolerância de ponto e a secretaria esteve também fechada, assim como no dia seguinte, sexta, 1 de janeiro, feriado, e no fim de semana”, descreve o assessor do PR.

Assim, de acordo com a Presidência a secretaria só recebeu os diplomas na segunda-feira, dia 4, e daí os vetos referirem essa data. Do ponto de vista da Presidência, este deve ser considerado o ponto de partida para a contagem dos 20 dias – e assim os vetos, datando de 23, estariam dentro do prazo.

Sem consequências

O caso foi abordado esta segunda à noite, no programa Prós & Contras, da RTP.

O constitucionalista Jorge Reis Novais, a primeira pessoa a levantar publicamente a questão, considera trata-se de “uma manipulação ostensiva das datas” da parte da Presidência.

“O Presidente usou 27 dias em vez de 20, o que é um escândalo”, sublinha.

No entanto, considera que a Assembleia não deve “levar isto para a discussão jurídica, o que seria um erro. Deve desvalorizar os vetos com base na sua inconstitucionalidade mas confirmar os diplomas”.

Paulo Otero, outro constitucionalista, frisa que “tal como não existe nenhum mecanismo previsto para o caso em que o Presidente deixa passar o prazo constitucional para veto ou promulgação, também não existe um que o obrigue a promulgar caso ele não queira; não existe qualquer sanção”.

O professor catedrático conclui que “sendo o Presidente da República o garante da Constituição deve respeitá-la, mas se a desrespeitar não acontece nada.” Assim, “em termos práticos, a Assembleia poderia notificá-lo por ter deixado passar o prazo mas nada o obrigava a promulgar”.

Jorge Reis Novais fez, no entanto, um reparo: “23 de janeiro, a data do veto, foi sábado. Para receber não podia ser mas para vetar já pode ao sábado?

ZAP

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

  1. Há funções supostamente inferiores que estão a ser subvalorizadas.
    Neste caso é o porteiro , no caso do outro foi o motorista !

    Proponho um porteiro para Presidente e um motorista para 1ºMinistro .

  2. Se o presidente e o resto da pandilha que nos governa, incluindo as autarquias, trabalhasse para os privados isto não tinha acontecido porque eles não têm tolerância de ponto. É sempre a trabalhar. Para quando um governo que ponha tudo no lugar e acabe com trabalhadores de 1ª e de 2ª como infelizmente acontece? Quando aparece alguém a querer pôr ordem nos trabalhos vem logo a corja e não deixa.

  3. Nos filmes policiais com crimes, normalmente a culpa é do mordomo. Aqui a culpa foi do porteiro que não entregou as coisas a tempo. É normal colocar as culpas em cima dos outros para não se sentirem culpados. Um documento de tanta importância é entregue assim como se fosse um recibo a água? Porque não foi entregue em mãos aos responsáveis? Acho que no palácio de Belém há uma militar da GNR que serve de estafeta para entregar a correspondência em mãos (este procedimento é conhecido por protocolo. Ao entregar a correspondência, quem recebe assina um livro em como recebeu). Também é normal no portugues gaurdar as coisas para a ultima da hora e foi o que aconteceu aqui, guardou-se a resolução do problema para a ulltima da hora e depois anda-se a correr para resolver as coisas. Neste caso agora a culpa é do PORTEIRO. Resumo: lá vai o porteiro ser alvo de um processo e com certeza despedido por incompetencia no trabalho. Vai ser mais facil despedir o porteiro do que o Presidente da República.

RESPONDER

Balões da Google já "espalham" Internet nas vilas remotas do Quénia

Em 2013, surgiu a ideia de enviar balões para o Espaço próximo para conectar pessoas em locais do mundo sem Internet. A ideia, que parecia uma loucura, já é realidade. Depois de uma longa série de …

Descoberta nova espécie de dinossauro carnívoro em Portugal

Um novo género e espécie de dinossauro carnívoro terópode, cujos fósseis foram escavados em arribas dos concelhos de Torres Vedras e da Lourinhã, foi agora descrito na revista internacional "Journal of Vertebrate Paleontology" por paleontólogos …

The Crown. Afinal, vem aí uma sexta temporada

Peter Morgan, criador, produtor e argumentista de The Crown, anunciou esta quinta-feira (9), através do Twitter da plataforma de streaming Netflix, que a série britânica terá uma sexta temporada. “Quando começamos a discutir as histórias da …

Observatório Gaia revoluciona o rastreamento de asteroides

O observatório espacial Gaia da ESA é uma missão ambiciosa que tem o objetivo de construir um mapa tridimensional da nossa Galáxia, fazendo medições de alta precisão de mais de mil milhões de estrelas. No entanto, …

Tempestades de relâmpagos mataram 147 pessoas na Índia em apenas 10 dias

Tempestades de relâmpagos mataram 147 pessoas no estado de Bihar, no norte da Índia, no espaço de dez dias, noticia a AFP, que escreve que os números podem aumentar nos próximos tempos devido às alterações …

Investigação portuguesa descobriu 14 espécies marinhas com potencial para produção de antibióticos

Uma investigação conjunta da Universidade de Aveiro e da Universidade Católica descobriu 14 novas espécies e um género de fungos marinhos, com potencial para produção de antibióticos, revelou esta segunda-feira fonte académica. "Neste momento, estão a …

Impossíveis de cumprir. Directores preocupados com novas regras para as escolas

As orientações da Direcção Geral de Saúde (DGS) para as escolas com vista ao regresso das aulas presenciais, em Setembro, estão a preocupar os directores dos estabelecimentos de ensino. Isto porque as consideram impossíveis de …

Homicídios disparam na maioria das cidades norte-americanas durante a pandemia

O número de homicídios cometidos em solo norte-americano disparou na maioria das cidades do país na primeira metade de 2020, comparativamente com o mesmo período do ano passado, revela uma investigação do New York Times. …

Investigadores desenvolvem robô-cientista (e já descobriu um novo catalisador)

Uma equipa de cientistas da Universidade de Liverpool, no Reino Unido, construiu um robô-cientista móvel inteligente, que realiza experiências sem ajuda humana. O novo robô-cientista toma decisões sozinho e já descobriu um novo catalisador. Segundo a …

Sérgio Figueiredo deixa direção de informação da TVI

Sérgio Figueiredo saiu do cargo de diretor de informação da TVI, anuncia a estação de televisão em comunicado enviado às redações. A cessação de funções é efetiva a partir desta sexta (10) e põe fim a …