Veteranos norte-americanos expostos ao agente laranja no Vietname têm duas vezes mais probabilidade de ter demência

Ian Langsdon / EPA

Os veteranos norte-americanos expostos ao Agente Laranja durante a Guerra do Vietname (1955-1975) têm quase duas vezes mais probabilidade de desenvolver demência comparativamente com os soldados que não contactaram com o herbicida, revelou uma nova investigação.

A conclusão é de uma equipa de cientistas do San Francisco Veterans Affairs Health Care System, nos Estados Unidos, que analisou os registos médicos de mais de 300.000 veteranos que combateram na Guerra do Vietname.

De acordo com o novo estudo, cujos resultados foram recentemente publicados na revista científica especializada JAMA Neurology, a exposição ao Agente Laranja está associada a um risco quase duas vezes maior de ser diagnosticado com demência, patologia associada ao declínio cognitivo e comportamental.

Os cientistas notam que o resultado da investigação não varia mesmo quando é combinado com outros fatores, como variáveis demográficas, condições médicas e/ou psiquiátricas, que também podem desempenhar um papel no desenvolvimento de demência.

O Agente Laranja foi amplamente utilizado pelos Estados Unidos contra os vietnamitas: ao todo, terão sido pulverizados mais de 45 milhões de litros deste poderoso herbicida pelas densas florestas do Sudeste Asiático durante todo o conflito.

Este ato de “guerra química” perpetrado pelos Estados Unidos visava despojar os vietnamitas de cobertura e alimento, tal como escreve o portal IFL Science.

Milhares de soldados norte-americanos e vietnamitas desenvolveram doenças hepáticas, cancro, problemas de pele, distúrbios metabólicos e tiveram filhos com malformações por causa deste produto químico. Muitas destas complicação estão ligadas ao ingrediente ativo TCDD do herbicida, um dioxina altamente tóxica e um agente cancerígeno conhecido.

Apesar de o conflito ter terminado já há 45 anos, o “legado químico” persiste: um estudo científico publicado em 2019 na revista Open Journal of Soil Science revelou que o TCDD ainda está presente no meio ambiente vietnamita. De acordo com a mesma investigação, o herbicida pode também estar a chegar à cadeia de suprimentos através dos sistemas hídricos, onde ainda haverá vestígios do químico.

Processo histórico decorre em França

Nesta segunda-feira, uma jornalista franco-vietnamita de 78 anos compareceu a um tribunal francês depois de ter interposto, em 2014, um processo contra 14 empresas que venderam o produto químico aos Estados Unidos, incluindo a Monsanto, que agora pertence à gigante alemã Bayer, e a Dow Chemical.

Tran To Nga, que trabalhou como jornalista e ativista no Vietname quando tinha 20 anos, alega que o Agente Laranja causou danos a si própria, bem como à sua família e quer também ver reconhecidos os danos que químico causou no ambiente.

Não luto por mim, mas pelos meus filhos e pelos milhões que foram vítimas deste agente”, afirmou, citado pela agência noticiosa AFP.

Até agora, apenas veteranos militares – dos Estados Unidos, Austrália e Coreia – conseguiram uma compensação pelos efeitos colaterais do produto, cujas propriedades, são cerca de 13 vezes mais tóxicas do que herbicidas de uso civil, como o glifosato.

Sara Silva Alves, ZAP //

 

PARTILHAR

RESPONDER

A muralha de Game of Thrones na vida real? Vídeo recria glaciar gigante que existiu na Escócia

Dois investigadores juntaram-se para criar uma reconstituição visual de uma enorme muralha de gelo que existiu na Escócia e que parece saída da série de fantasia Game of Thrones. Quase que dá para ver os homens …

Rui Costa, Benfica

Benfica: duas "baixas" para Rui Costa, em poucas horas (a terceira está proxima)

Varandas Fernandes e Eduardo Moniz não vão fazer parte da lista de Rui Costa nas eleições.  Rui Costa confirmou na terça-feira que é candidato às próximas eleições no Benfica. Dois dias depois, foram anunciadas as saídas …

CNE arquivou queixas contra Costa por causa do PRR. Factos não podem merecer "censura, mesmo que verdadeiros"

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) arquivou as queixas que foram apresentadas contra o primeiro-ministro, António Costa, que, como secretário-geral do PS, tem insistido em falar do PRR, a bazuca europeia, na campanha eleitoral. As queixas …

Discotecas deixam de ter acesso ao lay-off simplificado. Restauração lembra que "crise ainda não acabou"

O processo de desconfinamento começa a chegar ao fim e com ele ficam para trás os apoios financeiros atribuídos às empresas. A terceira e última fase de desconfinamento está quase a chegar e isso implica …

Costa diz não compreender "irritação" de Rio com PRR "bom para o país"

António Costa afirma que não compreende a irritação de Rui Rio com o Plano de Recuperação e Resiliência, frisando que é algo positivo para o país e já está contratualizado com os Açores. O secretário-geral do …

Estudo traz uma nova esperança ao tratamento do cancro dos ovários

Novo estudo traz uma nova luz para a luta contra o cancro dos ovários. Combinação de medicamentos conseguiu reduzir o tamanho do tumor. De acordo com o estudo, entre 25 pacientes que receberam uma combinação experimental …

Medina diz que abertura das discotecas tornará noite em Lisboa mais controlada

O presidente da Câmara de Lisboa e recandidato nas eleições de domingo, Fernando Medina, disse hoje ver como positiva a reabertura das discotecas a 1 de outubro, considerando que a noite na capital passará a …

Gotas quadradas e redes líquidas. Cientistas criaram o que se pensava ser impossível

Numa experiência inesperada, uma equipa de cientistas criou gotículas quadradas e redes líquidas - algo que, de acordo com a ciência, não seria possível. Quando duas substâncias se unem acabam por se estabelecer num estado estável …

Marte pode ser demasiado pequeno para ser habitável

Marte pode ser demasiado pequeno para ser habitável. Uma equipa de investigadores sugere que a sua dimensão reduzida não lhe permite reter muita água. Um novo estudo sugere que o pequeno tamanho de Marte pode ser …

"Era como se a morte estivesse num copo." No século XVIII, o gin estava a arruinar a Inglaterra

A bebida alcoólica tornou-se tão popular no Reino Unido que os empresários começaram a utilizar todo o tipo de aditivos para enriquecerem. No século XVIII, o gin tornou-se a maior droga que o homem poderia consumir …