Venezuela. Países que apoiam Guaidó apostam nas sanções dos EUA para forçar queda do regime

Raul Martinez / EPA

Os países que apoiam o autoproclamado Presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, apostam nas sanções dos Estados Unidos (EUA) a Caracas para provocar a queda do regime de Maduro, indicou o chefe da diplomacia peruano.

“Sabemos que terão um impacto real no regime [do Presidente venezuelano, Nicolás] Maduro e esperamos que permitam a saída deste regime o mais rápido possível”, disse aos jornalistas o ministro dos Negócios Estrangeiros do Peru, Néstor Popolizio, no final da conferência internacional que se realizou na capital do país para debater a situação na Venezuela, na qual Portugal esteve representado pelo embaixador em Lima.

“Convido-os a renovar o nosso apoio ao Presidente Juan Guaidó”, que se proclamou chefe de Estado em 23 de janeiro, disse o ministro na abertura da conferência, um dia depois de um agravamento das sanções económicas ao regime venezuelano protagonizado pelos Estados Unidos, segundo noticiou o Diário de Notícias da Madeira, citando a agência Lusa.

Ausente, Juan Guaidó agradeceu no Twitter “aos democratas do mundo unidos pela Venezuela”, sublinhando que foram colocados em prática 2a pressão e o apoio necessário para materializar a mudança” no seu país. “Teremos sucesso”, escreveu.

Os EUA, seguidos por cerca de 50 países, foram os primeiros a reconhecer Juan Guaidó como Presidente interino. Washington e a União Europeia (UE), desde então, intensificaram as sanções contra os líderes venezuelanos.

Além de uma delegação dos EUA, liderada pelo Secretário do Comércio, Wilbur Ross, e pelo conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, participaram na reunião delegados do Vaticano, da França, da Alemanha, do Reino Unido, da Austrália, da Coreia do Sul, de Israel, dos Emirados Árabes Unidos, da África do Sul e de 18 países da América Latina.

A conferência ficou também marcada pela ausência de representantes da China, da Rússia, de Cuba e da Turquia, que apoiam Nicolás Maduro.

Vários países da América Latina reunidos no denominado Grupo de Lima defendem, como os EUA, pressões diplomáticas e económicas para forçar o Presidente Nicolás Maduro a convocar eleições e permitir uma saída negociada da crise.

Em 30 de abril, um grupo de militares declarou desobediência ao regime de Maduro e decidiu apoiar o presidente do parlamento, o opositor Juan Guaidó, autoproclamado Presidente interino do país e já reconhecido por meia centena de países, incluindo Portugal.

Os militares apelaram, sem sucesso, à população para saírem em apoio à oposição.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Bezos e Branson não são astronautas, clarifica Administração da Aviação norte-americana

Dúvida instalou-se depois dos voos que levaram os dois bilionários ao espaço. Novas diretrizes da Administração Federal de Aviação vêm esclarecer.  Após os voos que os tornaram nos primeiros turistas espaciais, Jeff Bezos e Richard Branson …

Soldados afegãos buscam refúgio no Paquistão após perderem postos na fronteira

Quase meia centena de soldados afegãos buscaram asilo no Paquistão após perderem para os Talibãs o controle das posições militares na fronteira, informou o exército paquistanês esta segunda-feira. Centenas de soldados do exército afegão e oficiais …

Portugal ultrapassa Estados Unidos em população com vacinação completa

EUA vivem atualmente um planalto no seu processo de vacinação, com pouco mais de meio milhão de cidadãos a serem vacinados diariamente. Desaceleração no ritmo de inoculações é atribuída a motivações pessoais da população e …

Mulher que vestia camisola com capa do Charlie Hebdo ferida em Londres

Uma mulher que vestia uma camisola estampada com uma capa da revista satírica francesa Charlie Hebdo foi ferida levemente com arma branca no domingo em Hyde Park, em Londres, informou a polícia, que pediu colaboração …

Novo Banco. Comissão de inquérito aprova que resolução do BES foi "fraude política"

A comissão de inquérito ao Novo Banco aprovou uma proposta do PCP de alteração ao relatório referindo que a resolução do BES e a sua capitalização inicial, de 4.900 milhões de euros, foi "uma fraude …

BCP prevê saída de mais de 800 trabalhadores e admite despedimento coletivo

O presidente do BCP disse esta segunda-feira que deverão sair do banco mais de 800 trabalhadores, abaixo da meta inicial de 1.000, mas que depende dos funcionários que aceitarem rescindir e mantém a possibilidade de …

Jogos Olímpicos. Ouro e prata para atletas de...13 anos

Pódio muito jovem na estreia do skate feminino. A espreitar o pódio ficou uma norte-americana com quase o triplo da idade. O skate está a "viver" os seus primeiros dias na história dos Jogos Olímpicos. Inserido …

SEF e PSP reforçam fiscalização às regras aplicáveis nas viagens de avião

O SEF e a PSP reforçaram a fiscalização nos aeroportos às regras do tráfego aéreo devido às variantes de covid-19 e ao aumento do número de voos previsto para as próximas semanas, segundo um despacho …

Ramalho Eanes defende que Otelo "tem direito a lugar de proeminência" na História

O ex-presidente da República Ramalho Eanes defendeu esta segunda-feira que Otelo Saraiva de Carvalho, falecido no domingo, tem direito a um "lugar de proeminência histórica", apesar "da autoria" do que considerou "desvios políticos perversos, de …

Hidilyn Diaz dá primeira medalha de ouro de sempre às Filipinas

A filipina Hidilyn Diaz deu esta segunda-feira a primeira medalha de ouro de sempre ao seu país em Jogos Olímpicos, ao conquistar a categoria de -55 kg de halterofilismo em Tóquio2020. Depois de ter sido segunda …