Com a Venezuela em crise, restaurante nos EUA dá uma nova “alma” a jovens chefs

Alma Cocina Latina / Facebook

David Zamudio, chef do restaurante Alma Cocina Latina

Um restaurante venezuelano nos Estados Unidos está a ajudar jovens chefs deste país sul-americano a estabelecerem-se na sua área e na famosa “terra das oportunidades”.

Já passaram seis anos desde que o restaurante Alma Cocina Latina abriu portas, pela primeira vez, em Baltimore, no estado norte-americano do Maryland. Os seus clientes são atraídos por pratos típicos da Venezuela, como pescado frito ou arepas, mas, como conta o site Atlas Obscura, este não é um restaurante venezuelano como outro qualquer.

Desde 2015 que os seus fundadores – a fotógrafa Irena Stein e o arquiteto Mark Demshak – são responsáveis por terem levado para os Estados Unidos quatro chefs (em breve serão cinco) deste país sul-americano através do O-1 Visa, um visto de não residente concedido a pessoas que mostram uma capacidade excecional em áreas como a ciência, artes, educação ou desporto.

É um número enorme tendo em conta que se trata de um restaurante, sobretudo num período tão curto de tempo, isto porque o processo de obtenção deste visto costuma ser bastante demorado e difícil.

“Estas são pessoas que trabalharam desde muito novas para chegar onde estão hoje”, disse Stein ao mesmo site, destacando que só por isso “têm muito mérito”.

Foi o chef original do Alma, Enrique Limardo, quem propôs inicialmente esta ideia (Limardo é agora coproprietário e chefe do premiado Seven Reasons, em Washington D.C.). Seria juntar o útil ao agradável porque, por um lado, o restaurante ganharia cozinheiros experientes com conhecimento dos sabores venezuelanos, e, por outro, esses mesmos chefs teriam a oportunidade de se estabelecer num lugar estável.

Recorde-se que a Venezuela enfrenta há vários anos uma crise política, económica e social, que só ficou ainda mais agravada com o aparecimento da covid-19. As Nações Unidas estimam que, desde 2014, mais de 5,6 milhões de venezuelanos saíram do país para escapar ao regime autoritário de Nicolás Maduro.

“Embora eu adorasse abrir um restaurante na Venezuela, com o que está a acontecer no meu país, não iria para lá agora”, admitiu ao Atlas Obscura José Ignacio Useche, um dos chefs do Alma e que já trabalhou em países como o Chile, Canadá e México.

Além de poderem aprender como funcionam as cozinhas norte-americanas, o Alma pretende que estes jovens chefs acabem por abraçar a cidade dos EUA que os acolheu. E embora Stein saiba que alguns chefs, tal como Limardo, preferem cidades maiores (onde têm mais possibilidade de se tornarem conhecidos), tem sempre esperança, porque cidades como Baltimore, destacou, são mais acessíveis a nível económico e trazem menos pressão dentro da profissão.

Baltimore é o tipo de lugar que te valoriza”, lembrou a dona do espaço, acrescentando que, desde o início, faz de tudo para que estas pessoas “se sintam em casa”.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Medvedev esmagador rouba Grand Slam a Djokovic. E os campeões também choram

O sérvio Novak Djokovik falhou o seu encontro com a história do ténis, depois de uma inesperada e dolorosa derrota em três sets frente ao russo Daniil Medvedev. Ainda não foi desta que um tenista …

318 dias depois, máscaras deixam de ser obrigatórias na rua (mas recomendadas em aglomerados)

O uso de máscara no exterior deixa de ser obrigatório a partir desta segunda-feira, 318 dias depois, passando a ser facultativo e recomendado em algumas situações, como os aglomerados de pessoas. Esta obrigação durou, no total, …

CBS anuncia um reality show para ativistas. E alguns já o odeiam

O anúncio de um novo programa de televisão, apresentado como uma competição entre ativistas, cujo vencedor será o que tiver mais impacto nas redes sociais, causou polémica este fim de semana nos Estados Unidos. O novo …

A poesia moderna pode ter surgido muito antes do que se pensava

Descoberta feita por professor da Universidade de Cambridge vem colocar os inícios da poesia moderna no século II e não no século V, como se acreditava, quando os Bizantinos começaram a introduzi-las nos seus cânticos …

Agricultora com raízes portuguesas quer cultivar plantações com água salgada

Camila Reveles é nascida e criada no Brasil, mas há quatro gerações, o tetravô de Reveles deixou Portugal e mudou-se para a região de Praia Seca, perto do Rio de Janeiro. Com ele trouxe a …

BMW apresenta dois novos conceitos de veículos elétricos de duas rodas

No passado fim de semana, a BMW apresentou dois conceitos de veículos elétricos com duas rodas no IAA Mobility 2021, na Alemanha. Ambos foram desenvolvidos por divisões distintas da fabricante. A Vision AMBY e a i …

Dono de empresa de crio-preservação acusa a ex-mulher de roubar corpos congelados

  Duas empresas russas de crio-preservação, administradas respetivamente por ex-cônjuges, estão em conflito aberto. Na passada quarta-feira, a empresa do ex-marido acusou a empresa da sua antiga esposa de tentar roubar corpos congelados e equipamentos de um …

"Papel do orgasmo como descongestionante nasal" vence Prémio Ig Nobel 2021

O prémio, que é uma sátira do Prémio Nobel, também destacou este ano uma pesquisa sobre a melhor forma de transportar rinocerontes – de cabeça para baixo e pelas pernas – e o papel da …

Rampa de lançamento para os Jogos Olímpicos, este ginásio de boxe está a definhar com a covid

O East Coast Boxing Club tira jovens lutadores da rua e dá-lhes uma casa para praticar boxe. Agora, o ginásio atravessa sérias dificuldades devido à covid-19. Em Kampala, a capital do Uganda, encontra-se o East Coast …

Minerais, drogas e China. Como os talibãs planeiam financiar o novo governo afegão

Agora que o talibãs supostamente assumiram o controlo total do Afeganistão e começaram a formar um governo, um desafio iminente aguarda-os: como é que eles manterão o seu país e economia à tona? Nos últimos 20 …