Vacinas chinesa e russa ainda sem aprovação. Mas há países que planeiam usá-las de qualquer forma

Embora os esforços da China e da Rússia para desenvolverem uma vacina contra o coronavírus tenham sido vistos inicialmente com ceticismo, uma lista crescente de países espera essas imunizações para diminuir a propagação do vírus.

Segundo um artigo dos jornalistas Emily Rauhala, Eva Dou e Robyn Dixon, publicado no sábado no Washington Post, muita dessa procura tem a ver com escassez, visto que os países ricos reservaram a maioria das primeiras doses das vacinas desenvolvidas pelas farmacêuticas Moderna e Pfizer. Para alguns, a China e a Rússia são as únicas opções.

“A ideia de que os russos e os chineses não são tão bons nisso como nós é apenas o nacionalismo das vacinas”, disse Naor Bar-Zeev, médico infeciologista e epidemiologista, professor na Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health. “Não há razão para pensar que essas vacinas não funcionarão”, disse.

O primeiro-ministro cambojano, Hun Sen, indicou na terça-feira que o seu país não está a encomendar a vacina da chinesa Sinovac porque esta não foi certificada por um organismo global. Já os Emirados Árabes Unidos e o Barém aprovaram, na semana passada, a vacina da chinesa Sinopharm, com uma eficácia de 86%. Em novembro, a farmacêutica pediu a aprovação final dos reguladores.

“Está tudo relacionado com resultados da Fase 3”, disse Jennifer Huang Bouey, investigadora da Rand Corp com foco na China e na Saúde Global. “Não vimos nada ainda”.

De acordo com os três jornalistas, a China está a apostar na melhoria das suas credenciais científicas através da criação de vacinas, aliada a outros esforços para expandir os seus laços políticos e económicos. O país tem agora cinco vacinas em fase final de testes, que estão a decorrer em cerca de doze de países, incluindo o Paquistão, a Turquia, o Egito, a Arábia Saudita, a Indonésia e o Brasil.

A vacina da Sinovac tem causado divisões políticas em países como o Brasil, tendo o apoio do governador de São Paulo, João Doria, e a oposição do Presidente, Jair Bolsonaro, cético em relação ao coronavírus e crítico frequente da China. Um governador brasileiro avançou esta semana que o país planeia comprar 46 milhões de doses da vacina.

A decisão da China em realizar os testes de Fase 3 em todo o mundo ajudou a construir confiança nas vacinas, visto que dessa forma a governos estrangeiros podem supervisionar e observar. A realização dos testes noutros países são úteis devido à história da indústria de vacinas da China. A Sinopharm teve problemas com a qualidade de vacinas, enquanto o CEO da Sinovac admitiu em tribunal ter subornado o regulador chinês no passado.

Doug Mills / POOL / EPA

O vice-Presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, já foi vacinado contra a covid-19

Contudo, a indústria de vacinas da China desenvolveu proficiência técnica ao longo dos anos, em parte devido à transferência de tecnologia e aos cientistas que retornam à China após trabalhar e estudar no exterior.

“Algum ceticismo sobre as vacinas russas e chinesas pode ser justificado, mas descartar automaticamente essas vacinas como ineficazes ou inseguras seria um erro”, apontou Stephen Evans, professor de farmacoepidemiologia dna London School of Hygiene and Tropical Medicine. “Esses países têm cientistas muito bons, incluindo experiência em vacinas e imunologia”, rematou.

A AstraZeneca revelou, a 11 de dezembro, que começaria a trabalhar com o Centro Nacional de Epidemiologia e Microbiologia de Gamaleya, na Rússia – responsável pela vacina Sputnik V – para explorar a combinação de componentes de ambas as vacinas, tendo por base o vírus da gripe comum.

Os responsáveis pela Sputnik V também se ofereceram para partilhar a vacina russa com a francesa Sanofi e a britânica GSK, após estas terem anunciado que a sua vacina seria adiada até o final do próximo ano porque os resultados dos ensaios das Fases 1 e 2 demonstraram uma resposta imunológica baixa em idosos.

De acordo com a última atualização do Fundo Russo de Investimento Direto, a eficácia do Sputnik V na prevenção da infeção é de 91,4% e os que contraírem a doença após a vacinação não terão um sintomas graves. Até agora, 20 mil pessoas receberam ambas as doses da vacina na Fase 3 dos testes.

Na semana passada, o ministro da Saúde turco, Fahrettin Koca, indicou que a Turquia tinha abandonado os planos de encomendar a vacina russa. No mesmo dia, voltou atrás nas declarações, referindo que o país “não tem problema em adquirir a vacina produzida da Rússia” se os testes forem “bem-sucedidos”.

O primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin, disse na semana passada que esperava uma “demanda explosiva” no exterior.

Taísa Pagno //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Entre críticas a Rio e Marcelo, Ventura teve um drive-in com música de baile (e comparou-se a Sá Carneiro)

Ventura demarcou-se dos insultos de apoiantes à comunicação social, mas não admitiu que o seu mandatário os incentivou, chamando “inimigos” aos jornalistas. Terminou o dia num comício na praia de Leça da Palmeira mas em …

Governo Regional da Madeira garante que aumento de casos se deve às celebrações de fim de ano

O presidente do Governo da Madeira afirmou que o aumento de casos de covid-19 registado nos últimos dias na região é resultado das celebrações do fim do ano, assegurando fiscalização mais apertada nos bares aos …

Novo máximo diário com 218 mortes. Morre uma pessoa com covid-19 a cada 7 minutos

Portugal contabilizou esta terça-feira 218 mortes, um novo máximo de óbitos em 24 horas, relacionados com a covid-19, e 10.455 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS). Quase metade das …

Ana Gomes teme que processos BES e Operação Marquês acabem como o dos submarinos

A candidata presidencial Ana Gomes disse ontem temer que processos como os do BES e da Operação Marquês terminem como o dos submarinos, em que considerou que se "trabalhou para a prescrição". Na conversa online que …

Recuperação só em 2022, disse Vestager. Leão quer aprovação rápida dos planos para a UE

A vice-presidente executiva da Comissão Europeia, Margrethe Vestager, afirmou que a recuperação europeia só será "sentida como tal" em 2022, mas que no outono já poderão ser visíveis alguns sinais, caso a vacinação contra a …

Marcelo aprova novas medidas e anuncia reunião com especialistas para discutir situação das escolas

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, assinou esta terça-feira o decreto do Governo que altera a regulamentação do estado de emergência devido à pandemia de covid-19 e anunciou uma reunião com especialistas na …

Jerónimo na campanha de João Ferreira para homenagear os que "se levantaram contra o fascismo"

O candidato presidencial comunista contou com a presença do secretário-geral do PCP, esta segunda-feira, na Marinha Grande, que destacou a importância de lutar contra os atuais "traços de regressão democrática". Durante uma ação na Escola Secundária …

Gilberto, Vertonghen, Grimaldo, Diogo Gonçalves e Waldschmidt infetados

Os futebolistas do Benfica Gilberto, Vertonghen, Grimaldo, Diogo Gonçalves e Luca Waldschmidt são os mais recentes casos positivos ao novo coronavírus no plantel do Benfica, informou esta terça-feira o clube da Luz. “O Sport Lisboa e …

Hospital de Portalegre abre inquérito a morte de doente que esteve 3 horas em ambulância

O hospital de Portalegre vai abrir um inquérito para apurar as circunstâncias da morte de um octogenário, na noite de segunda-feira, na área dedicada aos doentes respiratórios, depois de estar quase três horas numa ambulância, …

"Não somos heróis". Há quartéis que podem fechar se não houver vacinas para os bombeiros

O presidente da Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP), Fernando Curto, disse que se o número de bombeiros infetados com covid-19 continuar a este ritmo muitos quartéis podem ter de encerrar. "As carrinhas de transporte de …