Portugal não vai registar quem recuse ser vacinado (e vai receber mais 2,2 milhões de doses)

José Coelho /Lusa

Ao contrário da vizinha Espanha, Portugal não vai efetuar o registo das pessoas que recusem ser vacinadas. Na sequência da aquisição pela Comissão Europeia de mais 100 milhões de doses à farmacêutica, o país vai receber 2,2 milhões de doses adicionais da vacina da Pfizer/BioNTech.

O país vai receber mais 2,2 milhões de doses da vacina da Pfizer/BioNTech, além dos 22 milhões que já estavam previstos. A informação foi confirmada pelo Ministério da Saúde ao jornal Público.

A SIC Notícias avança que Portugal vai passar, assim, a contar com mais de 24 milhões de doses para vacinar toda a população. O Ministério informou ainda que as vacinas contra a covid-19 vão ser entregues em parcelas e que ainda é prematuro avançar com datas ou prazos.

Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, anunciou a nova aquisição de vacinas no Twitter.

“Decidimos adquirir 100 milhões de doses adicionais da vacina Pfizer/BioNTech, que já está a ser usada para vacinar cidadãos por toda a União Europeia. Teremos assim 300 milhões de doses desta vacina, que foi considerada segura e eficaz. Mais vacinas se seguirão!”, escreveu.

Esta terça-feira, a ministra da saúde, Marta Temido, anunciou que a vacinação contra a covid-19 de idosos e profissionais dos lares e unidades da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados começa já na próxima semana.

A vacinação em lares arranca nos 25 concelhos do país que se encontram em risco extremo e já estão identificadas as primeiras 150 estruturas onde irá começar a vacinação. Por região, são 11 no Norte, cinco no Centro, um em Lisboa e Vale do Tejo e oito no Alentejo.

“Está prevista a entrega de vacinas da Pfizer na semana que começa a 4 janeiro. Nesse momento, iremos prosseguir a vacinação dos profissionais de saúde, mas também iremos avançar na vacinação em estruturas residenciais para idosos. O critério de início desta vacinação é relacionado com os concelhos onde há maior incidência de covid-19”, explicou.

Na semana seguinte, a partir de 11 de janeiro, a vacinação avança para os lares de idosos dos restantes concelhos.

Até agora, a vacina contra a covid-19 já foi administrada a 16.701 profissionais de saúde. O número, com base no sistema de registo de vacinas, foi relevado numa conferência de imprensa ao final da tarde pela ministra da saúde, que fez o balanço dos primeiros dias da vacinação.

“[É] um número que ultrapassa aquilo que teriam sido as doses que chegaram no dia 26, mas que reflete já também aquilo que foram as doses chegadas ontem [segunda-feira] e que começaram hoje a ser administradas”, sublinhou Marta Temido.

Duarte Cordeiro, coordenador regional de Lisboa e Vale do Tejo para a covid-19 e secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, disse esta terça-feira que o início do processo de vacinação foi “exemplar” e estimou que, até ao final de fevereiro, trabalhadores e utentes de estruturas residenciais estejam vacinados.

“Confiamos muito nos profissionais de saúde e têm sido dias exemplares. Está a correr muito bem, com os profissionais a darem o exemplo e a atestarem a segurança da vacina, o que é muito importante e nos dá a confiança de que tudo vai correr bem”, afirmou.

A vacinação contra a covid-19 arrancou no domingo para os profissionais de saúde, um dia depois de ter chegado o primeiro lote de 9.750 vacinas da Pfizer/BioNTech. Esta segunda-feira, Portugal recebeu mais 70.200 doses.

Não haverá registo de pessoas que recusem vacina

Portugal não vai realizar o registo das pessoas que recusem ser vacinadas contra a covid-19. A garantia foi dada por Graça Freitas, diretora-geral da Saúde, apesar de salientar a “adesão enorme” ao processo de vacinação nestes primeiros dias.

A responsável distanciou-se, assim, da posição assumida por Espanha, que vai manter um registo com o nome das pessoas que recusarem receber a vacina.

Há coisas que podem evoluir ao longo do tempo, mas, até à data, esta vacina está a ser considerada igual às outras. Apesar de ser nova, de ter sido feita em tempo recorde e de ter uma tecnologia diferente, não deixou de passar pelo crivo da Agência Europeia do Medicamento e não é um medicamento experimental”, explicou.

Sublinhando que a vacinação “é um ato voluntário e fortemente incentivado”, Graça Freitas adiantou que o facto de existir uma pandemia não alterou até agora o protocolo e que “esta vacina vai seguir os mesmos trâmites das outras” vacinas. “Se uma pessoa não se apresentar, não é vacinada, mas também não fica registado que não quis.”

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

11 COMENTÁRIOS

  1. Portugal, com os nossos impostos, irá adquirir vacinas para toda a população.
    Alguns não a querem tomar e «as vacinas vão para o lixo».
    Se estes adoecerem?
    Teremos todos que suportar o elevado custo dos tratamentos hospitalares e inerentes baixas médicas?
    Os seguros de saúde cobrirão as despesas de segurados que não se tenham vacinado por vontade própria?
    No chip do Cartão de Cidadão ficará registada a vacinação?
    A entidade empregadora terá direito a exigir um comprovativo de vacinação aos seus funcionários?
    dúvidas…

    • Se você acha que os cidadãos não devem pagar pelos tratamentos hospitalares, a quem não queira vacinar-se, pergunto-lhe se concorda com o facto de termos todos de pagar os tratamentos do cancro do pulmão devido ao tabagismo e os tratamentos da cirrose devido à santa pomada.
      Temos um SNS como o nosso por uma razão. Aqui não há preferencias, todos são atendidos.
      As vacinas que não forem usadas não vão para o lixo, serão enviadas certamente para outros países como os da Lusofonia e que não conseguem adquirir as vacinas em número suficiente.

    • José e quando voce bebe pinga da boa, tenho de pagar para o tratamento da sua cirrose?
      E da diabetes pq voce gosta de comer bem. Tenho de pagar?

  2. Se há vacinas obrigatórias; difteria e tétano – calamidades terríveis que a população já esqueceu – porque razão não é também obrigatória a do COVID19? Não estamos a falar de um precedente. Já existem vacinas obrigatórias e já. São-no (obrigatórias), pelo bem nacional. Esta não? Porquê?

    • @Francisco: Ao contrário da vacina do Covid-19. As vacinas como a do tétano e a gripe sazonal, entre muitas outras, já estão no mercado e em uso há décadas. Já sabemos quais são os seus efeitos secundários a médio e longo prazo.
      A vacina contra o Covid-19 está em TESTES somente há TRÊS MESES. Não sabemos quais são os seus efeitos secundários a médio e longo prazo. Aliás, já há vários casos de efeitos secundários muito graves em pessoas que já levaram a vacina contra o Covid-19. Desmaios e desequilíbrios. Alergias graves. E até já houve casos de pessoas que perderam a sua função motora. Para não falar das várias pessoas que ofereceram-se para testarem a vacina e que faleceram devido à mesma. E ainda agora começou a vacinação.
      Só uma pequena observação. A vacina da gripe sazonal de cada ano é criada baseando-se nos dados correspondentes aos vírus do ano anterior. Por exemplo, a vacina da gripe deste ano foi criada para combater os vírus conhecidos até o ano passado. No entanto, todos os anos morrem milhares de pessoas devido à gripe sazonal.
      Agora explique-me o seguinte. Como é que uma vacina que foi testada somente durante três meses, sem sabermos os efeitos e sequências da mesma, vai combater um vírus novo que está há tão pouco tempo no ar? Para não falar em como os “especialistas” já anunciaram publicamente que a mesma está preparada para a próxima estripe do Covid-19 se nem sabem como será a próximo mutação do vírus?

      • Mortos pela Vacina? Quem? Quando? Onde?

        Quem percebe de vacinas (não eu) diz que o processo das mRNA é francamente mais seguro que o das mortas, atenuadas e tóxicas. Nas coisas que não percebo tenho o hábito estupido de confiar em confiar em quem efectivamente sabe do assunto.

        Mas sim, quando começarem a ser vacinados milhões de pessoas ha sempre de haver um morto. So nos EUA morrem todos os anos mais de 5000 pessoas por comer. Engasgadas! Respirar é um risco.

    • @Francisco: As vacinas da difteria e tétano que menciona, embora constam no Programa Nacional de Vacinação (PNV) não são obrigatórias. No entanto, e como são essenciais para a prevenção de algumas doenças, são fortemente recomendadas pelo PNV.

  3. Tenho medo do que o meu povo se está a tornar, aqueles que valorizam a “pandemia do medo” estão agora a valorizar a obrigatoriedade de tomar a vacina. E já preconizam castigos para quem não aceitar ser vacinado, inclusive a não aceitação no SNS para tratamento se não for vacinado. Isto são atitudes altamente ditatoriais, atentados extremos às liberdades da cada cidadão, fundamentalismos de quem emprenhou pelos ouvidos e se considera detentor de uma verdade universal. É o povo que temos, maioritariamente ditadores. A quem se quiser vacinar ninguém irá impedir e se tiverem problemas de saúde por esse motivo, também não devem aparecer opositores a que estes sejam tratados no SNS. É esta a diferença entre “cidadões” e cidadãos.
    Quanto à lista de quem não se quer vacinar nem é preciso, acedem ao registo de que se vacinou e ficam esclarecidos.

RESPONDER

Francisco Rodrigues dos Santos admite que tem sido "difícil" juntar o CDS (mas "não por falta de iniciativa")

Francisco Rodrigues dos Santos, presidente do CDS-PP, afirmou, numa entrevista ao Jornal de Notícias e TSF que tem sido "difícil" conquistar a coesão do partido. Em entrevista ao Jornal de Notícias e à TSF, o líder …

Isabel dos Santos usou equipa de espiões para provar "conspiração" e "vingança" de João Lourenço

A empresária Isabel dos Santos contratou uma firma de antigos agentes secretos israelitas para provar que foi vítima de um ataque orquestrado pelo governo de João Lourenço. Isabel dos Santos criou uma equipa de espiões para …

"Perdemos o avô da nação". Morte do príncipe Filipe deixou "um grande vazio" na vida de Isabel II

A morte do príncipe Filipe, duque de Edimburgo, na sexta-feira, aos 99 anos, deixou a Rainha Isabel II, sua esposa, com "um grande vazio na sua vida", disse este domingo aos jornalistas o seu filho …

Mapa online interativo ajudou indígenas do Panamá a fazer frente à pandemia

Quando a covid-19 chegou ao Panamá no ano passado, o cartógrafo Carlos Doviaza temeu pelas pessoas indígenas da sua comunidade. Por isso, para as ajudar, dedicou-se a fazer aquilo que faz melhor: mapas. "Pensei: 'Porque não …

"A política ama traição, mas despreza o traidor". Sócrates acusa PS de "ataque injusto" (e diz-se alvo de "vingança" da direita)

"A política ama a traição, mas despreza o traidor". No livro "Só Agora Começou", que será publicado nos próximos dias, José Sócrates acusa a atual direção do PS de traição. De acordo com o Diário de …

Portugal regista mais 566 casos e seis óbitos por covid-19

Portugal registou, este domingo, mais seis mortes e 566 novos casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o último boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). De acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde …

PS quer que Cavaco Silva diga "quando é que soube do buraco do BES"

O PS quer que o antigo Presidente da República Cavaco Silva esclareça "quando é que soube do buraco do BES" e porque é que "não agiu atempadamente" para evitar o aumento de capital, que gerou …

Perdoar o passado, celebrar o renascimento e cumprir tradições. A primavera traz o Nowruz, o ano novo persa

Assim que as flores começam a desabrochar e os dias ficam mais longos, fica claro que o Nowruz está prestes a chegar. A celebração do ano novo iraniano é secular, com raízes que remontam a …

“Mostrámos que sabemos governar”. Bloco apresenta candidata a Lisboa (e abre a porta a acordo com PS)

O Bloco de Esquerda apresentou a candidatura de Beatriz Gomes Dias à Câmara Municipal de Lisboa, pediu “mais força” para determinar a governação da cidade e abriu a porta a novos entendimentos com o PS …

Fé nos números. Foi o voto não religioso que Donald Trump perdeu em 2020 

Em novembro de 2020, Joe Biden foi eleito Presidente dos Estados Unidos da América. Uma análise revelou recentemente que a derrota de Donald Trump dependeu daqueles que não se identificam com nenhuma religião. Ryan Burge, professor …