Trump elogiou Isabel II e mostrou apoio ao Brexit no banquete real

STR / POOL

A rainha Isabel II alertou o Presidente norte-americano, Donald Trump, para os “novos desafios” que o Reino Unido e os Estados Unidos enfrentam anualmente e a importância das organizações multilaterais para impedir novas guerras.

“À medida que enfrentamos os novos desafios do século XXI, o aniversário do ‘Dia D’ recorda-nos o que os países alcançaram juntos. Depois dos sacrifícios partilhados da II Guerra Mundial, o Reino Unido e os Estados Unidos trabalharam com outros aliados para construir uma assembleia de instituições internacionais para garantir que os horrores do conflito nunca se repetissem”, afirmou Isabel II, durante um banquete solene, no Palácio de Buckingham, no âmbito da visita que Trump iniciou esta segunda-feira ao Reino Unido.

A monarca lembrou que “embora o mundo tenha mudado”, deve-se estar sempre consciente “do propósito inicial dessas estruturas: as nações a trabalharem juntas para preservar uma paz conquistada a muito custo”.

Apesar de a rainha não ter nomeado quais, entre as organizações internacionais multilaterais criadas após 1945, quando terminou a II Guerra Mundial, incluem-se a Organização das Nações Unidas, a Organização do Tratado do Atlântico Norte ou até a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, que mais tarde deu origem à União Europeia.

A rainha, que já conheceu 12 presidentes dos Estados Unidos desde que foi coroada em 1953, lembrou que visitou pela primeira vez aquele país em 1957 a convite do Dwight Eisenhower, que liderou a invasão aliada de 1944.

“Ao olharmos para o futuro, estou confiante de que os nossos valores comuns e interesses partilhados continuarão a unir-nos“, sublinhou.

Trump elogia Rainha e apoia o Brexit

Por sua vez, Donald Trump,  agradeceu a receção “calorosa” da rainha, comentou o “clima maravilhoso” em Londres, o que provocou um sorriso à monarca, e saudou a amizade de “quase 70 anos” com os Estados Unidos.

Aludindo à II Guerra Mundial, Trump afirmou um vínculo que nasceu durante aquele conflito, recordando os valores comuns que devem continuar a unir os dois países no futuro: liberdade, soberania, autodeterminação, Estado de direito.

Numa possível referência ao Brexit, que Trump disse várias vezes ser favorável, destacou: “A coragem dos filhos e filhas do Reino Unido garantiram que o vosso destino continua nas vossas mãos”. “Desde a II Guerra Mundial até hoje, sua majestade tem permanecido como um símbolo constante destas tradições inestimáveis. [A Rainha] incorpora o espírito de dignidade, dever e patriotismo que existe com orgulho em todo o país”, elogiou, antes de finalizar com um brinde.

O banquete de Estado, onde estão quase 200 convidados, é o culminar do primeiro de três dias de visita de Estado, que começou esta manhã com uma receção e guarda de honra também no palácio real, seguido de um almoço com a rainha.

À tarde, Trump visitou a Abadia de Westminster, onde depositou flores no túmulo do Soldado Desconhecido, e tomou chá em Clarence House com o herdeiro do trono, príncipe Carlos, e a mulher, Camilla.

“Enormes multidões”

No Twitter, escreveu que foi recebido por “enormes multidões” e negou ter visto manifestações, mas à porta do Palácio de Buckingham concentraram-se esta tarde algumas dezenas de pessoas em protesto, segurando cartazes.

Na terça-feira o programa começa com um pequeno-almoço de negócios com empresários dos dois países, seguindo-se um encontro e almoço de trabalho com a primeira-ministra, Theresa May, e uma conferência de imprensa.

Nessa altura, uma manifestação deverá chegar perto da residência oficial de May, em Downing Street, para a qual o líder da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, apelou à participação e na qual vai discursar.

Na quarta-feira, Trump, a rainha o príncipe Carlos e outros chefes de Estado ou de governo participam num evento comemorativo em Portsmouth, no sul de Inglaterra, do 75.º aniversário do desembarque do Dia D das forças aliadas, que contribuiu para a derrota nazi na II Guerra Mundial.

Museu de Londres quer o balão gigante de bebé Trump

O Museu de Londres pretende adquirir o balão gigante que representa um Trump bebé, lançado em protesto contra o Presidente dos Estados Unidos na primeira visita oficial deste ao Reino Unido em 2018. O objetivo é juntar o boneco que representa Trump à sua coleção juntamente com um balão gigante com a imagem do autarca londrino, Sadiq Khan, que foi lançado por apoiantes do Presidente norte-americano.

Em julho de 2018, durante uma visita do chefe de Estado norte-americano, o autarca de Londres autorizou os manifestantes anti-Trump a manejar um balão gigante que tem a forma de um birrento bebé de fralda e a segurar um telemóvel.

Os criadores do balão indicaram que o pretendem voltar a fazer flutuar esta semana defronte do parlamento britânico. O Museu acrescentou que “espera chegar aos dois criadores em breve”.

O Presidente dos Estados Unidos e o autarca de Londres entraram publicamente em confronto, com Trump a considerar o autarca como um “total perdedor”. “Sadiq Khan, que fez um trabalho terrível como autarca de Londres, fez comentários desagradáveis sobre o Presidente dos Estados Unidos”, publicou Trump, acrescentando que Khan é um “total perdedor” que faria melhor concentrando-se na luta contra o crime em Londres.

Por seu lado, Sadiq Khan condena com regularidade as declarações e o comportamento do Presidente norte-americano. No domingo, Khan disse à Sky News que o Reino Unido estava errado em “estender o tapete vermelho” a Trump e qualificou certas políticas do Presidente norte-americano como “odiosas” e “ofensivas”.

ZAP ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Depois de um conselho nacional tenso, líder do CDS reúne-se com a bancada parlamentar

O líder do CDS vai reunir-se, esta quinta-feira, com os cinco deputados centristas para dialogarem sobre a articulação entre a direção e a bancada parlamentar. Tal como recorda o jornal Público, esta reunião de trabalho acontece depois …

Enquanto Flamengo afasta regresso de Jorge Jesus, o "Galo" vem ao ataque

O treinador benfiquista afasta o cenário de uma saída precoce do Estádio da Luz. O Flamengo rejeita o regresso de Jorge Jesus, enquanto o Atlético Mineiro manifesta o seu interesse. Jorge Jesus foi categórico: "Não vou …

"Ihor gritava como um cão atropelado". Seguranças contam nova versão em tribunal

O segurança Manuel Correia testemunhou esta quarta-feira que “ouviu gritos” de Ihor Homeniuk vindos de uma sala do SEF no aeroporto de Lisboa e que encontrou um dos inspetores com um pé em cima da …

Dos pés de Cancelo para a cabeça de Bernardo Silva. City ganha na Champions com um golo 100% português

Os internacionais portugueses João Cancelo e Bernardo Silva foram fundamentais para a vitória do Manchester City sobre o Borussia Monchengladbach (2-0), na primeira mão dos oitavos da Liga dos Campeões, com ação direta nos dois …

"População não interiorizou a gravidade da situação". Depois de Siza, Cabrita aponta o dedo aos portugueses

Num relatório sobre a aplicação do decreto do estado de emergência na segunda quinzena de janeiro, Eduardo Cabrita justifica o fecho das escolas e o fim das vendas ao postigo, culpando a população pelas decisões …

Esta época há menos 500 clubes. "É o drama absoluto", diz presidente da FPF

Esta época há menos 500 clubes em comparação com a temporada transata. O presidente da FPF, Fernando Gomes, classifica a situação de "drama absoluto". A pandemia de covid-19 e a consequente interrupção das competições foi um …

Psicólogos no recrutamento e mudanças na formação. IGAI quer acabar com discriminação na polícia

A Inspeção-Geral da Administração Interna (IGAI) quer envolver psicólogos no processo de recrutamento de novos polícias e rever os currículos de formação para acabar com práticas discriminatórias nas forças de segurança. As alterações no processo de …

Coleção de joias da era Viking é encontrada na Ilha de Man. É "excecionalmente rara"

Uma coleção de joias da era Viking foi encontrada na Ilha de Man, entre Inglaterra e a Irlanda, em novembro de 2020 e foi agora classificada como tesouro. Os especialistas acreditam que os artefactos, descobertos …

“As brasileiras são mercadoria". Professor da UP suspenso por comentários machistas e xenófobos nas aulas

Após uma denúncia que reuniu assinaturas de mais de uma centena de alunas, o professor auxiliar Pedro Cosme da Costa Vieira foi suspenso pelo período máximo de 90 dias, da Faculdade de Economia da Universidade …

Houve buzinão na Luz (mas sem "carinho"). Jesus culpa covid-19 pela crise do Benfica

Algumas dezenas de adeptos protestaram junto ao Estádio da Luz com um buzinão, entre gritos de "Rua Vieira" devido aos maus resultados do Benfica. Antes disso, Jorge Jesus tinha apelado a um "buzinão de carinho" …