Um ano depois do incêndio de Monchique, só avançou a reconstrução de uma casa

Filipe Farinha / Lusa

Um ano depois do incêndio de Monchique já estão reunidas as condições necessárias para a reconstrução de casas, mas ainda só uma avançou e nem todas as casas ardidas poderão ser recuperadas.

“Eu não tinha já muitas esperanças, vá lá que ainda consegui”, desabafou à Lusa Vitorino Inácio, dono da primeira habitação a ser recuperada com apoios do Estado, na zona de Corte Pereiro, depois de um processo que considera ter corrido “sempre mal”.

A sua habitação é uma das 52 afetadas pelo incêndio de 2018, havendo ainda 28 processos a serem analisados pela autarquia para aprovação de licenças e um número indeterminado de casas reerguidas com dinheiro de seguros, disse à Lusa o presidente da Câmara.

De acordo com Rui André, já foram encontradas soluções “para praticamente todas as famílias”, aguardando-se respostas do Governo “para três ou quatro casos”, embora, alerta, haja um problema acrescido, relacionado com a dinâmica do mercado imobiliário: não tem havido “mão de obra e empreiteiros para construir as casas”.

O autarca ressalta que, nos processos de reconstrução, “cada caso é quase uma história de vida” e que nem em todas as situações será possível recuperar a casa ardida. Há famílias “que estão a preferir não recuperar o que ardeu e comprar noutro local, quer por opção ou porque a casa está envolvida em algumas questões de ilegalidade que têm de ser regularizadas” adianta.

Esta situação está prevista no acordo com o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU), assinado em dezembro de 2018, que possibilita a recuperação da habitação ardida, a compra de outra equivalente no mesmo concelho ou o pagamento da renda ao habitante por um período de dez anos.

Uma situação que, destaca Rui André, pode deixar casas por recuperar já que se apoiam os inquilinos que tinham casa arrendada e as casas de primeira habitação, mas os senhorios que são proprietários de outras casas ficam sem apoio.

O presidente da freguesia de Alferce, uma das mais afetadas pelo fogo, que deixou totalmente isolada a aldeia com o mesmo nome, contou à Lusa quer o grande incêndio do ano passado deixou marcas profundas na população, que ficou “com medo” de ali viver.

Segundo José Gonçalves, aquela freguesia do concelho de Monchique tinha conseguido inverter o decréscimo da população, com a atração de moradores estrangeiros, mas agora “há mais pessoas a vender do que a comprar”.

Dos habitantes com casas ardidas, cinco famílias saíram da freguesia, seis estão atualmente a viver em casas alugadas e duas residem em anexos, o que faz com que o autarca não anteveja “um futuro muito bom” para aquela zona.

O processo dos apoio à atividade agrícola também não foi fácil já que “numa primeira fase foram criadas regras absurdas” que levaram muitas pessoas a não ponderarem a candidatura, recorda o presidente da Câmara, Rui André.

Um ano depois, foram entregues 264 candidaturas no Ministério da Agricultura, “praticamente todas aprovadas e com pessoas já a receberem os apoios” afirma, acrescentando que “falta mapear as pessoas que ficaram de fora e saber-se o porquê”.

O presidente da autarquia apela ao Governo para fazer um “ato de contrição” e rever os instrumentos de gestão do território de forma a aumentar a resiliência da serra ao fogo. Em declarações à Lusa, Rui André defende que o Governo deve fazer “uma espécie de ato de contrição” já que os instrumentos de gestão do território que foram implementados como medidas para alavancar o desenvolvimento e a preservação da natureza “estão a ser precisamente o contrário”.

Foi criada a Associação dos Lesados do Incêndio de Monchique, que conta já com 40 membros, dos concelhos de Monchique e Silves, os mais afetados por aquele que foi o maior incêndio da Europa em 2018. O presidente da associação, José Gonçalves, disse à Lusa que os membros aguardam por um resultado da investigação à origem do incêndio para se constituírem como assistentes com a intenção de “colocar um processo para haja alguma compensação aos prejuízos”.

O fogo que deflagrou a 3 de agosto de 2018 na Perna Negra, na serra de Monchique, foi o maior registado em 2018 em Portugal e na Europa, tendo sido dominado apenas ao oitavo dia, na manhã de 10 de agosto. O incêndio provocou também danos significativos no concelho vizinho de Silves, depois de ter afetado, com menor impacto, os municípios de Portimão, no distrito de Faro, e de Odemira, no distrito de Beja.

Ao todo, o fogo destruiu 74 casas, 30 das quais de primeira habitação, e mais de 27 mil hectares de floresta e de terrenos agrícolas. Só no concelho de Monchique arderam 16.700 hectares.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Lixo espacial cadente iluminou os céus na Austrália

Na sexta-feira passada, pedaços de lixo espacial de um foguetão russo iluminaram os céus na Austrália. Os especialistas dividem-se na possibilidade de bocados dele caírem na Terra. Na sexta-feira passada, num final de tarde como tantos …

Cientistas criaram uma borracha que até rasga (mas concerta-se sozinha)

Investigadores da Universidade Flinders, na Austrália, desenvolveram um novo tipo de borracha que consegue regenerar sozinha. A equipa de investigadores da universidade australiana criou um novo tipo de borracha e um catalisador que, em conjunto, podem …

Dez anos depois, voltou a ser avistado um guepardo do noroeste africano

Naturalistas na Argélia filmaram um guepardo do noroeste africano, uma subespécie listada na Lista Vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) como estando em "perigo crítico", pela primeira vez em dez anos. De acordo …

NASA dedica novo telescópio a Nancy Grace Roman, a "mãe" do Hubble

A NASA renomeou o telescópio Wide Field Infrared Probing Telescope (WFIRST) em homenagem a Nancy Grace Roman, a mãe do Hubble. A NASA batizou o seu telescópio espacial de última geração, atualmente em desenvolvimento, - o …

Guitarrista dos Queen teve um ataque cardíaco que o deixou às portas da morte

Brian May, guitarrista dos Queen, sofreu um ataque cardíaco que o deixou às portas da morte, anunciou o próprio músico, de 72 anos. May partilhou um vídeo no Instagram no qual conta todo o episódio. Tudo …

"Missão Tianwen". China planeia lançar sonda para Marte em julho

A China planeia lançar uma sonda e um pequeno robô de controlo remoto para Marte, em julho, na sua primeira missão ao Planeta Vermelho, anunciou esta segunda-feira a agência responsável pelo projeto. "O nosso objetivo era …

Bairros de lata são incubadoras de covid-19, mas ninguém ajuda os milhões que lá vivem

Bairros de lata, como as favelas, são consideradas incubadores de covid-19. No entanto, pouca atenção lhes tem sido dada na resposta à pandemia. Tendo devastado algumas das cidades mais ricas do mundo, a pandemia do novo …

Morreu Saturn, o jacaré que sobreviveu a um bombardeamento da II Guerra (e que se diz que pertenceu a Hitler)

Saturn, um jacaré norte-americano de 84 anos, morreu esta sexta-feira no jardim zoológico de Moscovo, na Rússia, anunciou a instituição na sua conta de Facebook, dando conta que o animal morreu de velhice. O réptil …

Antiviral Remdesivir pode ser eficaz no combate à covid-19

O antiviral Remdesivir é eficaz contra a covid-19 caso seja administrado antes dos pacientes necessitarem de ventilação mecânica, indica um ensaio internacional com este medicamento, coordenado pelo Hospital Can Ruti, em Badalona, Barcelona, Espanha. Segundo um …

Há uma misteriosa ilha em Nova Iorque que quase ninguém pode visitar (e está abandonada)

A menos de 1,6 quilómetros de Manhattan, em Nova Iorque, localiza-se uma misteriosa ilha abandonada há mais de meio século. É preciso ter autorização do New York City Department of Parks and Recreation para visitar …