O último adeus de Theresa May foi recheado de elogios (e um convite a Corbyn para se demitir)

Neill Hall / EPA

Esta quarta-feira, Theresa May respondeu como primeira-ministra aos deputados pela última vez.

Nos últimos três anos, Theresa May foi a imagem do Brexit. Resiliente e intransigente, desprezada pelos seus próprios aliados e progressivamente desgastada, a primeira-ministra britânica resistiu até esta quarta-feira, dia do seu último adeus.

Entre aplausos, May ergueu-se para falar na sua última intervenção no Parlamento e quase ninguém deixou de sublinhar “compromisso” com a negociação do Brexit. Segundo o Expresso, até Jacob Rees-Mogg, que foi promotor de uma moção interna de censura a May, lhe realçou “o serviço público e a cortesia”.

Jeremy Corbyn também a elogiou pelo seu “sentido de dever público” e perguntou logo a seguir se May, mesmo na retaguarda, ia tentar dominar o seu “impulsivo sucessor”. Ainda assim, o líder do partido Trabalhista disse que a primeira-ministra delineou “linhas vermelhas que impediram qualquer acordo de consenso sensato” para o Brexit, questionando-a sobre se acredita que Boris Johnson será capaz de desbloquear o impasse.

Mas May parece não ter ficado comovida com o elogio inicial do líder dos trabalhistas e arrancou ela própria para as críticas.

Francamente acho que ele deveria ter vergonha de si mesmo“, por ter votado contra um acordo para o Brexit, disse May de Corbyn, dirigindo-se ao político na terceira pessoa, mesmo com Corbyn à sua frente.

A partir daí, o discurso seguiu sem travão: Theresa May falou das promessas de Corbyn em acabar com a dívida dos estudantes e dos seus compromissos com a Defesa. “Como alguém que sabe quando é que o tempo chega ao fim, penso que também sabe que é altura de se afastar“, rematou May, sugerindo que também Corbyn renuncie.

Ian Austin, antigo parlamentar trabalhista, agora independente, juntou-se a May para pedir o afastamento de Corbyn, afirmando que a maioria dos trabalhistas estão com ele.

Depois da intervenção de Austin, chega a pergunta sensível que todos esperavam: o futuro de May como deputada. Ian Blackford, o líder dos nacionalistas escoceses em Westminster, questionou: “O SNP já apresentou uma moção em antecipação que pede que o parlamento permaneça em funções até novembro. Irá apoiar esta moção como deputada?”.

Theresa May respondeu dizendo que está, como sempre esteve, empenhada em garantir o melhor futuro possível para a Escócia, e assim ficou sem resposta a pergunta de Blackford.

De acordo com o semanário, se nada se fizer até outubro, o Reino Unido sai sem acordo, numa saída desordenada que Boris não renega, mas que a maioria dos deputados querem parar com o seu voto. No entanto, para haver um voto tem de haver um parlamento em funcionamento.

Seguiram-se perguntas de outros deputados sobre problemas mais próximos das áreas onde foram eleitos. May prometeu apenas que os organismos estatais darão resposta, sendo isto mais um indício de que ela própria possa mesmo controlar fora do número 10 de Downing Street.

Segundo o Diário de Notícias, May anunciou que irá continuar a ser deputada depois de deixar a liderança do governo. “Esta manhã, tive encontros com ministros e outros. Esta tarde, terei um encontro com a rainha. Depois disso, continuarei com os meus deveres desta Câmara, como backbencher [deputados que não têm lugar no governo], como deputada por Maidenhead”, afirmou.

No final do debate, May lembrou que é deputada desde 1997 e será a primeira vez em 21 anos que não estará nas filas da frente da Câmara dos Comuns, reservada a membros de governo.

Os sucessos de Boris “serão os sucessos do nosso país”

Depois de dar os parabéns a Boris Johnson por ganhar as eleições no Partido Conservador, desejando-lhe sorte e à sua equipa, May afirmou: “Os sucessos deles serão os sucessos do nosso país e espero que sejam muitos“.

May defende que os sucessos de Boris serão a continuação de um trabalho de quase uma década de governo liderado pelo Partido Conservador. “Durante esse tempo, a nossa economia foi restaurada, os nossos serviços públicos reformados, e os nossos valores defendidos no palco mundial.”

Apesar de admitir que falta fazer muito, a ainda primeira-ministra sublinhou que “a prioridade imediata é completar a nossa saída da União Europeia numa forma que trabalha para todo o Reino Unido”.

Servir como primeira-ministra do Reino Unido é a maior honra“, disse Theresa May. “A pesada responsabilidade é ultrapassada pelo enorme potencial de servir o país. Mas não alcanças nada sozinho. Quando deixo Downing Street, as minhas palavras são de sincero agradecimento”, acrescentou.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Pelo menos 24 países criaram novas leis para controlar o conteúdo na Internet, revela relatório

Autoridades de pelo menos 24 países, incluindo os Estados Unidos (EUA), estabeleceram novas regras que determinam o tratamento dos conteúdos por parte das plataformas 'online', concluiu um relatório da Freedom House. No seu relatório anual, intitulado …

Exames nacionais e provas de aferição deverão “retomar a normalidade” este ano

Depois de dois anos letivos condicionados pela pandemia da covid-19, o Governo está apostado em retomar, entre outras formas de avaliação, a obrigatoriedade de exames nacionais nas disciplinas de conclusão do ensino secundário. Os exames nacionais …

Advogados dizem que há questões "pontuais" por resolver no SEF do aeroporto de Lisboa

Responsável pela Comissão dos Direitos Humanos da Ordem dos Advogados reveleu que mantém uma "estreita relação e cooperação com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) e que o centro de instalação temporária no aeroporto …

EUA "golearam" Europa mas a Europa "humilhou" o Mundo

Vitória clara dos americanos no golfe, mas vitória ainda mais "gorda" dos europeus no ténis. Quem é europeu e gosta de várias modalidades desportivas, teve muito para ver neste fim-de-semana. E terminou com emoções completamente distintas: …

Governo reforça apoios ao setor do turismo com nova linha de crédito

Nova linha de crédito terá 150 milhões de euros destinados às pequenas e médias empresas, tendo como objetivo incrementar a retoma económica. O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital anunciou hoje, em Coimbra, …

Nova Iorque quer usar guarda nacional para substituir trabalhadores de saúde não vacinados

A governadora de Nova Iorque, Kathy Hochul, está a considerar usar a guarda nacional e funcionários médicos de fora do estado para suprir a falta de pessoal de saúde, já que dezenas de milhares provavelmente …

O PSD saiu vitorioso ou derrotado das autárquicas? Depende a quem se perguntar no partido

Resultado conquistado por Carlos Moedas em Lisboa está a ser visto como um autêntico balde de água fria para os possíveis adversários de Rui Rio na corrida à liderança do PSD. Uma semana antes das eleições …

Bruno Fernandes falhou grande penalidade - e Cristiano deve substituí-lo

Médio do Manchester United desperdiçou a oportunidade de dar um ponto à sua equipa, contra o Aston Villa. De repente, o ambiente em Old Trafford mudou. O Manchester United venceu três jogos e empatou um, nos …

A Islândia estava prestes a ter um parlamento de maioria feminina - até à recontagem dos votos

A recontagem dos votos das legislativas de sábado fez com que o número de mulheres passasse de 33 para 30. Mesmo assim, a Islândia mantém-se como um dos países do mundo com maior representação parlamentar …

É mesmo possível reconhecer um ditador pelas suas características faciais

Os líderes democraticamente eleitos tendem a ter rostos mais atraentes e simpáticos do que os líderes autoritários, conclui um polémico estudo. É comum as pessoas formarem juízos de valor baseados na aparência de um rosto. No …