UE luta para evitar o Brexit (e não é certo que consiga)

PlatformaRP / Flickr

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, alertou que “não há garantias” de que os líderes europeus consigam chegar a um acordo com o Reino Unido para evitar a saída do atual Estado-membro da União Europeia (UE).

“Depois das minhas consultas nas últimas horas, tenho de declarar francamente: Ainda não há garantias de que vamos chegar a um acordo“, reconheceu Tusk na véspera da cimeira dos chefes de Estado e de Governo da UE que começa esta quinta-feira e será consagrada à permanência do Reino Unido no bloco comunitário.

Entre as exigências de Londres para se manter na UE que Cameron esteve a negociar com Donald Tusk ao longo de vários meses, contam-se – para além das restrições na atribuição de benefícios a cidadãos da UE não-britânicos e migrantes – a criação de um mecanismo que possibilite aos estados-membros unirem-se para vetarem determinadas decisões da Comissão Europeia; o reconhecimento explícito de que o euro não é a única moeda usada dentro da UE, dando garantias aos países fora da moeda única para que não fiquem em desvantagem e para que não sejam obrigados a contribuir para os resgates financeiros de Estados-membros; e ainda reduzir o peso burocrático das regulações excessivas e alargar o mercado único comum.

Se não for alcançado um acordo, o governo britânico deverá convocar um referendo à permanência do país na União Europeia – uma consulta que pode acontecer já em junho ou setembro – que, segundo sondagens recentes, firmará a saída do Reino Unido, processo conhecido como “Brexit“.

Na cimeira, que decorre entre hoje e sexta-feira em Bruxelas, os líderes europeus vão trabalhar com base numa proposta elaborada pelo presidente do Conselho Europeu, que prevê reformas a vários níveis na futura relação do Reino Unido com a UE, incluindo um “mecanismo de salvaguarda” para a prestação de apoios sociais a migrantes europeus, que constituirá o ponto mais polémico mas necessário para garantir o apoio do governo de David Cameron à permanência no bloco europeu durante a campanha do referendo britânico.

“Temos divergências sobre alguns pontos políticos e estou perfeitamente consciente de que será difícil superar” estas diferenças, explicou Tusk, numa carta-convite endereçada aos líderes dos 28 Estados-membros, pedindo aos mesmos para serem “construtivos”.

No documento, o representante qualificou a cimeira como um “momento crucial para a unidade da união e para o futuro das relações do Reino Unido no seio da Europa”.

Esta quarta-feira, diante do parlamento alemão, a chanceler alemã, Angela Merkel, manifestou o seu apoio a algumas das reformas defendidas pelo primeiro-ministro britânico.

“Como David Cameron, também considero ser necessário que nós, no seio da UE, façamos mais nas áreas da competitividade, transparência e burocracia”, salientou Merkel ao Bundestag.

“Não se trata apenas de interesses particulares dos britânicos. Bem pelo contrário, vários pontos são justificáveis e compreensíveis”, referiu ainda a chanceler, incluindo aqui a polémica proposta da limitação das prestações sociais para os trabalhadores migrantes de outros países membros da UE.

ZAP

PARTILHAR

RESPONDER

DGS aconselha grávidas e bebés vegetarianos a tomarem suplementos

A Direção-geral da Saúde recomenda suplementos de vitaminas e minerais para bebés e grávidas com alimentação vegetariana e lembra que a dieta não omnívora no primeiro ano de vida deve estar sempre sob supervisão médica. "A …

Entre os boletins de voto dos emigrantes, também há cheques e contas da luz

Para exercer o seu direito de voto, os eleitores portugueses residentes no estrangeiro deveriam enviar de volta para Portugal a documentação que receberam em casa – um envelope verde com o boletim de voto, dentro …

Ryanair despede 432 trabalhadores em Espanha

A companhia aérea irlandesa Ryanair confirmou esta quarta-feira a sua intenção de despedir em Espanha 432 trabalhadores das suas bases de Girona e Canárias, 327 tripulantes de cabine e 105 pilotos, informou o sindicato USO. Num …

Eleições em Moçambique. Dados preliminares dão vitória a Nyusi

Segundo as projeções de resultados da Sala da Paz, de acordo com valores “preliminares” baseados na leitura dos editais pelos seus observadores, o atual Presidente moçambicano e candidato da Frelimo, Filipe Nyusi, terá sido reeleito …

"Quem acusou Sócrates tem de provar. Se não provar tem de ser punido"

O ex-Presidente brasileiro, Lula da Silva, defende punição de procuradores da Operação Marquês, caso a acusação contra José Sócrates seja arquivada. Esta terça-feira, em entrevista à RTP, Lula da Silva defendeu a punição dos procuradores que …

Na Saúde, Warren torna-se alvo de ataques. Mas o foco é "derrotar Trump"

O maior debate televisivo para umas eleições primárias na história dos EUA juntou 12 candidatos num só palco. Foi o primeiro debate para o qual o ex-vice-Presidente Joe Biden não partiu com vantagem, tendo a …

Trump sugere que os mexicanos são uma ameaça terrorista maior do que o Daesh

O Presidente Donald Trump sugeriu que os mexicanos são uma ameaça muito maior do que o Daesh. Respondendo uma vez mais às críticas sobre ter retirado as tropas dos Estados Unidos (EUA) junto à fronteira …

Grécia. Incêndio em campo de refugiados deixa 600 pessoas sem alojamento

Um incêndio no campo de identificação e registo de migrantes de Vathy, na ilha grega de Samos, deixou 600 refugiados sem alojamento, alertou na terça-feira a organização não-governamental (ONG) Médicos Sem Fronteiras (MSF). "Em Vathy, seis …

Lista candidata à Ordem dos Enfermeiros excluída por ter poucos homens

Uma das listas candidatas às eleições para a Ordem dos Enfermeiros foi excluída por ter poucos homens. A comissão eleitoral nomeada explica que a lista não respeita a lei da paridade, aprovada pela Assembleia da …

“É a desilusão”. PSD queria novos ministros na Saúde, Educação e Justiça

  O PSD defendeu esta quarta-feira que "não há um novo Governo", mas "uma remodelação com alargamento", com um executivo aumentado e "mais partidário", considerando "uma desilusão" a continuidade em pastas como Saúde, Educação e Justiça. "Não …