Elon Musk é o novo dono do Twitter — e quer “libertar o seu tremendo potencial”

dmoberhaus / Flickr

Elon Musk, CEO da Tesla e SpaceX

Elon Musk vai comprar o Twitter por 44 mil milhões de dólares (40 mil milhões de euros), e diz ser o “homem certo” para libertar o “tremendo potencial” da rede social.

O bilionário Elon Musk fez a oferta para comprar o Twitter por mais de 40 mil milhões de euros, e o conselho de administração da rede social aceitou.

A informação foi confirmada por Bret Taylor, administrador independente da empresa, que partilhou o comunicado emitido pela Twitter Inc, segundo o Observador.

Elon Musk, o homem mais rico do mundo, conseguiu o acordo com o Twitter poucos dias depois de ter obtido o financiamento necessário para compra a rede social.

Segundo a Reuters, a empresa preparava-se para das luz verde à transação esta segunda feira, citando fontes próximas do negócio.

Musk vai pagar 54,2 dólares por ação em dinheiro, o que representa um prémio de 38% face ao fecho da cotação a 1 de abril, o último de negociação antes de o bilionário ter revelado que tinha adquirido 9% da empresa.

A administração do Twitter conduziu um processo abrangente para avaliar a proposta de Elon Musk com um foco no valor, sustentabilidade e financiamento, de acordo com o comunicado da empresa dona da rede social.

Concluiu que a “transação proposta vai permitir um prémio substancial em dinheiro”, e acredita que “este é o melhor caminho para os acionistas do Twitter”.

A oferta de mais de 40 mil milhões de euros foi inicialmente recebida sem grande entusiasmo, depois de Musk ter comprado 9,2% das ações à revelia da administração do Twitter, tornando-se no maior acionista individual da empresa.

Mas os gestores acabaram por aceitar a proposta de Elon Musk de 44 mil milhões de dólares, e deram razão à estratégia proposta pelo bilionário.

“”A liberdade de expressão é o fundamento de uma democracia funcional e o Twitter é a praça da cidade digital onde os assuntos vitais para o futuro da humanidade são debatidos”, afirmou Elon Musk.

O empresário pretende tornar o Twitter “melhor do que nunca“, reforçando o produto com “novos formatos, transformando os algoritmos em fontes abertas para aumentar a confiança, derrotando os bots e autenticando as interações feitas por pessoas”.

Musk, com mais de 80 milhões de seguidores no Twitter, afirmou várias vezes a sua vontade de transformar a plataforma através da promoção de mais liberdade no discurso dos utilizadores, e com um maior controlo sobre os conteúdos e a ordem com que são dispostos.

A oferta vai retirar a empresa da bolsa, tornando-a privada — sem ações abertas a negociação — o que dará maior margem para fazer mudanças sem estar sob escrutínio de investidores e reguladores.

O Twitter foi lançado em 2004 e abriu o capital em bolsa novembro de 2013. Neste período foram poucos os anos em que apresentou lucros.

No entanto, de acordo com o The New York Times, o escrutínio deverá ser intenso. Apesar de o Twitter não ser a maior rede social (o Facebook e o Instagram têm mais utilizadores), tem mais influência na definição das narrativas a nível mundial.

Esta superioridade da rede social nota-se sobretudo na política, onde os dirigentes recorrem a tweets para dar visibilidade às suas mensagens.

Donald Trump, ex-Presidente dos Estados Unidos, foi banido desta e de outras redes sociais no final do seu mandato. Já afirmou à cadeia televisiva Fox que não será por causa da mudança de controlo para Musk que irá voltar ao Twitter.

“Espero que o Elon compre o Twitter porque ele vai fazer melhorias à plataforma e é um bom homem, mas vou ficar no Truth” (rede social que lançou), referiu Trump.

O bilionário, segundo a revista Forbes, é o homem mais rico do mundo, com uma fortuna avaliada em mais de 270 mil milhões de dólares (mais de 250 mil milhões de euros), em grande parte justificada pela Tesla e pela SpaceX.

A transação foi aprovada por unanimidade na administração do Twitter, mas a oferta final ainda tem de ser aprovada pelos acionistas em assembleia geral.

Musk garantiu um financiamento de 25,5 mil milhões de dólares, e vai entrar com capital no valor de 21 mil milhões de dólares. O valor da oferta ficou um pouco acima do preço inicialmente proposto.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.