Em 1935, os EUA lançaram bombas no maior vulcão do planeta (e um turista encontrou-as agora)

Kawika Singson estava a caminhar por terra coberta de lava na ilha Hawai quando encontrou duas bombas que não tinham explodido numa encosta do vulcão Mauna Loa.

De acordo com o Observatório de Vulcões do Hawai (HVO), tratavam-se dos restos de uma tentativa de desviar um fluxo de lava que aconteceu em 1935. Naquela ocasião, o fluxo de lava começou a diminuir no dia seguinte. No entanto, os cientistas acreditam que a redução foi quase uma coincidência.

As duas bombas oxidadas foram encontradas por Kawika Singson, um turista aventureiro que caminhava pelos campos de lava do vulcão Mauna Loa a 16 de fevereiro, que encontra as bombas dentro de um tudo de lava, de acordo com o jornal local West Hawaii Today.

Os artefactos oxidados eram pequenos e continham apenas uma pequena carga, tendo sido usados para atingir 20 bombas de demolição MK I, cada uma contendo 161 quilogramas de trinitrotolueno (TNT).

Uma investigação da década de 1970 sugeriu que os resultados do bombardeamento foram apenas uma ilusão. “O exame no local não mostrou evidências de que o bombardeamento tivesse aumentado a viscosidade e a interrupção do fluxo em 1935, logo após as detonações, deveria ser considerada uma coincidência”, concluíram os investigadores.

De acordo com o LiveScience, o bombardeamento da Força Aérea dos Estados Unidos, encomendado pelo então fundador da HVO, o vulcanologista Thomas A. Jaggar.

Em novembro de 1935, Mauna Loa começou a entrar em erupção. Uma abertura no flanco norte do vulcão arrotou a lava hnum lago em crescimento. Em dezembro, o lago rompeu, enviando um fluxo de lava em direção à cidade de Hilo a uma taxa de 1,6 quilómetros por dia. A lava ameaça o rio Wailuku, o que poderia cortar o suprimento de água de Hilo.

Alarmado, Jaggar chamou o Corpo Aéreo do Exército dos Estados Unidos. O vulcanologista esperava que o lançamento de bombas perto da fonte do fluxo abrisse novos fluxos nas fontes de lava, desviando o rio de rocha derretida para longe do rio Wailuku.

Mas não funcionou. As bombas caíram em 27 de dezembro, mas não criaram nenhuma nova atividade eruptiva. No entanto, o fluxo de lava diminuiu e a erupção da abertura foi interrompida em 2 de janeiro.  Para Jagger, foi um sucesso, que disse mesmo que o fluxo de lava não teria parado tão rapidamente se as bombas não tivessem sido lançadas.

Em 1939, após o término da erupção, o vulcanologista visitou os locais e afirmou que as bombas tinham chocado contra os túneis de lava, expondo a lava eruptiva ao ar e arrefecendo-a. Isso criou uma represa de lava refrescante que obstruiu a abertura.

Atualmente, os cientistas da HVO concordam que o bombardeamento de Jagger aconteceu quando o fluxo de lava já estava a diminuir.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Morreu Saturn, o jacaré que sobreviveu a um bombardeamento da II Guerra (e que se diz que pertenceu a Hitler)

Saturn, um jacaré norte-americano de 84 anos, morreu esta sexta-feira no jardim zoológico de Moscovo, na Rússia, anunciou a instituição na sua conta de Facebook, dando conta que o animal morreu de velhice. O réptil …

Antiviral Remdesivir pode ser eficaz no combate à covid-19

O antiviral Remdesivir é eficaz contra a covid-19 caso seja administrado antes dos pacientes necessitarem de ventilação mecânica, indica um ensaio internacional com este medicamento, coordenado pelo Hospital Can Ruti, em Badalona, Barcelona, Espanha. Segundo um …

Há uma misteriosa ilha em Nova Iorque que quase ninguém pode visitar (e está abandonada)

A menos de 1,6 quilómetros de Manhattan, em Nova Iorque, localiza-se uma misteriosa ilha abandonada há mais de meio século. É preciso ter autorização do New York City Department of Parks and Recreation para visitar …

Israel não vai desperdiçar "oportunidade histórica" para anexar a Cisjordânia

O primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu voltou a defender hoje a anexação de partes da Cisjordânia nos próximos meses e em prosseguir este polémico plano, apesar do crescente coro de condenações de diversos aliados. Os palestinianos, e …

Zlatan Ibrahimovic lesiona-se e deixa carreira em risco

No treino com vista ao regresso da Liga italiana, Zlatan saiu a coxear do centro de treinos, com os milaneses a explicarem que exames vão determinar se se trata de lesão no gémeo ou tendão …

Há uma orquestra presa num palácio da Alemanha há 75 dias

Um grupo de músicos bolivianos, que pertencem à Orquestra Experimental de Instrumentos Nativos, está confinado no Palácio Rheinsberg, na Alemanha, há cerca de 75 dias devido à pandemia de covid-19. No início de março, os membros da …

Bolsonaro diz ter imagem negativa no exterior porque a imprensa "é de esquerda"

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse hoje que a sua imagem no exterior é negativa porque a imprensa mundial é de esquerda, enquanto falava com apoiantes junto ao Palácio da Alvorada, em Brasília. "A imprensa …

Líderes vodu do Haiti preparam templos para tratar infetados com covid-19

Líderes de vodu do Haiti pediram aos padres da religião afro-caribenha para criar um remédio secreto que servisse de tratamento contra o novo coronavírus. Aos religiosos foi também pedido que preparassem as câmaras sagradas de …

Centros comerciais e lojistas dizem-se preparados para reabrir em junho

Os centros comerciais e lojistas asseguram estar preparados para reabrir em pleno em 1 de junho, apelando à não discriminação face aos restantes espaços de retalho, mas pedem medidas que travem o impacto da pandemia …

Não vai faltar sardinha dentro dos próximos anos, revela investigação

A quantidade de sardinha adulta no mar é mais do que suficiente para os próximos três anos. Os dados científicos confirmam que o stock de sardinha está totalmente recuperado. O último cruzeiro realizado pelo Instituto Português …