Trump e Putin tiveram encontro “não divulgado” durante o G20. Trump diz que é “fake news”

Michael Klimentyev / Sputnik / Kremlin Pool / EPA

O Presidente russo, Vladimir Putin, com o homólogo norte-americano, Donald Trump, na cimeira do G20, que decorre na Alemanha

Donald Trump e Vladimir Putin tiveram uma segunda conversa, à margem da Cimeira do G20, na Alemanha, que não tinha sido inicialmente divulgada pela Casa Branca. O “encontro” já foi entretanto confirmado, na terça-feira.

Não constam da agenda oficial do encontro, mas são uma das mais importantes partes da cimeira: os encontros bilaterais entre chefes de Estado ou de Governo. Este ano, o mais esperado era o de Donald Trump com Vladimir Putin, que se realizou pela primeira vez desde a eleição do norte-americano.

Mas os dois líderes mundiais estão agora a ser falados por terem realizado não um, mas dois encontros à margem da Cimeira. No primeiro encontro, Trump e Putin estiveram reunidos durante cerca de duas horas e, no final, o Presidente dos EUA saiu a dizer que Putin negou as alegações de ter interferido diretamente nas presidenciais de 2016.

No segundo encontro, que não tinha sido inicialmente divulgado, não se sabe sobre o que é que os dois presidentes terão falado, já que o encontro terá sido informal. Segundo a Agência Reuters, ocorreu durante um jantar, no qual estavam presentes todos os líderes que participaram no G20, assim como os cônjuges.

Segundo Ian Bremmer, presidente do Eurasia Group e o primeiro a “denunciar” o encontro – que foi entretanto confirmado pelo porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Michael Anton à CNN -, perto do fim do jantar, o presidente Trump falou com Putin.

Bremmer disse que Trump se levantou do seu lugar e terá ido falar com Putin “em privado e mostrando-se animado, com apenas o tradutor de Putin presente“, já que o tradutor de Trump não falava russo, diz o New York Times.

A falta do tradutor norte americano foi notada pelos presentes no jantar, segundo o presidente da Eurasia Group, e vista como “uma quebra no protocolo nacional de segurança”.

Apesar do encontro ter sido confirmado pela Casa Branca, Trump comentou no Twitter dizendo que o segundo encontro entre ele e Putin era “fake news”, provavelmente porque este terá sido apenas uma conversa informal entre dois líderes que estavam presentes no mesmo jantar com outros chefes mundiais.

Essa notícia falsa de um jantar secreto é ‘doente’. Todos os membros do G20 e os seus parceiros foram convidados pela chancelaria federal alemã. A imprensa sabia!“, escreveu na noite de terça-feira.

As notícias são cada vez mais desonestas. Até um jantar organizado para os 20 principais líderes mundiais na Alemanha se torna em algo sinistro”, acrescentou noutro comentário.

A Casa Branca também negou que haja algo de errado no encontro, que descreveu como um “breve encontro no fim do jantar“. “A insinuação de que a Casa Branca tentou esconder um segundo encontro é falsa, maliciosa e absurda”, disse um funcionário.

A relação entre Trump e Putin é alvo de interesse devido às denúncias de que o governo russo tenha interferido na eleição presidencial americana de 2016, com o objetivo de favorecer o então candidato republicano. O Kremlin nega as acusações.

ZAP // DW

PARTILHAR

RESPONDER

Novo relatório aponta possível causa para número anormal de doenças causadas pelo vaping

Um novo relatório vem confirmar que o acetato de vitamina E encontrado em muitos produtos utilizados pelos vapers pode ser o responsável pelos problemas de saúde. O ano de 2019 ficou marcado por várias doenças e …

Morreu Rogério "Pipi", histórico jogador do Benfica

O ex-futebolista internacional português, que se evidenciou ao serviço do Benfica nas décadas de 40 e 50 do século passado, morreu este domingo, um dia depois de completar 97 anos. "Foi com profunda tristeza e pesar …

Milhares de manifestantes voltam às ruas de Hong Kong

A polícia de Hong Kong deteve, este domingo, onze pessoas e apreendeu várias armas, incluindo uma pistola, pouco antes do início de uma manifestação convocada para a cidade, para a qual se espera uma forte …

Irão e Estados Unidos trocam prisioneiros

Irão e Estados Unidos realizaram, este sábado, uma troca de prisioneiros que envolveu a troca de um investigador sino-americano por um cientista iraniano detido pelos EUA, num avanço diplomático que surge após meses de tensão …

Coreia do Norte anuncia "teste muito importante" em local de lançamento de mísseis

A Coreia do Norte anunciou ter realizado um "teste muito importante" no local de lançamento de mísseis de longo alcance, defendendo que terá um efeito fundamental na futura posição estratégica do país. A Agência Central de …

Balas que assassinaram John F. Kennedy preservadas em modelo 3D

A partir do próximo ano, os Arquivos Nacionais dos Estados Unidos vão disponibilizar, no seu catálogo online, imagens 3D das balas que assassinaram o antigo presidente norte-americano John F. Kennedy. Para criar os modelos das …

Pela primeira vez, neurónios artificiais foram criados para curar doenças crónicas

Uma equipa de investigadores conseguiu recriar as propriedades biológicas dos neurónios em chips, que podem ser úteis ajudar na cura de doenças neurológicas crónicas. Naquele considerado um feito única na ciência, investigadores da Universidade de Bath …

Cientistas encontram uma relação negativa "muito forte" entre inteligência e religiosidade

Uma equipa de investigadores sugere que pessoas religiosas tendem a ser menos inteligentes do que pessoas sem crenças religiosas. O estudo tem gerado uma grande controvérsia. A religião é um tema forte, capaz de juntar ou …

Descoberta nova espécie de tubarão pré-histórico que podia chegar aos sete metros

Uma nova espécie de tubarão pré-histórico foi descoberta no Kansas, nos Estados Unidos. Este predador podia crescer até quase sete metros de comprimento. De acordo com a revista Newsweek, Kenshu Shimada, da Universidade DePaul, e Michael …

Conhecido medicamento para diabetes pode conter um carcinógeno

A Food and Drug Administration, agência federal e reguladora do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos, está a testar amostras de metformina, um medicamento para diabetes que pode conter o carcinógeno N-Nitrosodimetilamina …