Trump assina decreto a dar prioridade às vacinas para os EUA antes de serem exportadas

Jim Lo Scalzo / EPA

O Presidente dos EUA, Donald Trump

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou esta terça-feira um decreto que dá prioridade à entrega de vacinas no país antes de serem exportadas, considerando que os EUA podem ficar sem doses após a fase inicial de vacinação.

O decreto vai garantir “que o Governo dos Estados Unidos dê prioridade à vacinação de cidadãos americanos, antes de enviar as vacinas para outros países”, acrescentou Donald Trump, enquanto a Pfizer/BioNTech, responsáveis pela vacina contra a covid-19 que pode vir a ser autorizada dentro de dias, contava distribuir apenas 100 milhões de doses no país.

A Moderna, cuja vacina pode ser autorizada até ao final da próxima semana, também prometeu 100 milhões de doses. Cada contrato inclui opções para doses adicionais, mas o tempo para ativar essas cláusulas pode atrasar a entrega em vários meses.

Existem mais de 330 milhões de norte-americanos e o Governo afirma que pode cumprir a meta de fornecer uma vacina a todos até abril de 2021.

Os dois fabricantes possuem unidades industriais nos EUA na Europa, e existem leis que, em teoria, permitiriam ao Governo norte-americano antecipar a produção de ambos os laboratórios, como a Lei de Produção de Defesa.

O texto do decreto que Trump assinou diante das câmaras, durante uma “cimeira da vacina”, na Casa Branca, não foi divulgado imediatamente. “Se necessário, vamos invocar a Lei de Produção de Defesa”, disse Trump, acrescentando, porém, não achar “que seja necessário fazê-lo”.

Duas outras vacinas com ensaios clínicos já avançados podiam ser autorizadas no início de 2021, garantindo o abastecimento dos Estados Unidos. Uma, a ser administrada em duas inoculações, da AstraZeneca/Oxford, de que Washington encomendou 500 milhões de doses, e outra, a administrar em dose única, da farmacêutica norte-americana Johnson & Johnson, da qual os EUA esperam 100 milhões de doses.

Por sua vez, o presidente eleito, Joe Biden, alertou para a possibilidade de a campanha de vacinação contra o novo coronavírus poder desacelerar ou mesmo parar se o Congresso não conseguir chegar a um acordo financeiro, em breve, para combater a pandemia.

“Sem uma ação urgente do Congresso este mês, (…) há uma possibilidade real de que após uma primeira campanha de vacinação esses esforços diminuam e parem”, alertou.

Joe Biden prometeu a administração de 100 milhões de vacinas nos primeiros 100 dias na presidência. A equipa de Donald Trump planeara vacinar 100 milhões de pessoas até março de 2021, num total de 200 milhões de doses.

Esta terça-feira, Biden pediu uma ação urgente em relação à pandemia de coronavírus enquanto apresentava uma equipa de saúde que será testada a cada passo e se esforçará para restaurar um sentido de normalidade no quotidiano dos norte-americanos.

Biden estabeleceu três prioridades contra a covid-19 nos primeiros 100 dias da sua presidência: pedir a todos os compatriotas para usarem máscara, a administração de 100 milhões de vacinas e a promessa de tentar reabrir a maioria das escolas do país.

No topo da lista de escolhas de Biden estava o secretário de saúde indicado, Xavier Becerra, político latino que cresceu numa família humilde e que serviu o Congresso como procurador-geral da Califórnia. Um empresário conhecido pela eficiência em gerir crises, e um quarteto de médicos, entre os quais Anthony Fauci, considerado pelo governo o maior especialista em doenças infecciosas, fazem parte das escolhas de Biden.

A urgência do momento nos EUA, que se confronta com uma média de mortes diária de 2.200 e de infetados na ordem dos 200.000, ofuscou, todavia, todas as promessas de bem-estar para o país.

Assessores científicos do Governo reúnem-se, na quinta-feira, para, alegadamente, recomendarem a administração nos EUA da vacina da Pfizer/BioNTech, que já está a ser administrada no Reino Unido. Ter uma vacina aprovada e disponibilizá-la a 330 milhões de americanos são, porém, situações diferentes.

Por isso, Biden alertou para a necessidade de Donald Trump proceder a uma revisão da equipa que planeia a campanha de vacinação, considerando que esta tem deficiências.  Nesse sentido, pediu ao Congresso que aprove uma legislação para financiar a administração de vacinas à medida que se tornem mais amplamente disponíveis no próximo ano.

Becerra, escolhido por Biden para chefiar o Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS), terá o apoio da Casa Branca pelo empresário Jeff Zients, que assumirá o papel de coordenador da resposta ao coronavírus.

Ao lado de Fauci, e de outros médicos selecionados, nomeadamente a especialista em doenças infecciosas Rochelle Walensky para dirigir os Centros de Controle e Prevenção de Doenças, Vivek Murthy, cirurgião geral e a epidemiologista de Yale, Marcella Nunez-Smith para chefiar um grupo de trabalho para garantir a distribuição justa e equitativa de vacinas e tratamentos.

Como secretário do HHS, Becerra será responsável por supervisionar o gabinete de realojamento de refugiados que cuida de menores desacompanhados que entram nos EUA de forma ilegal. Como procurador-geral, ajudou a liderar uma coligação de procuradores-gerais estaduais que contestaram as políticas de separação de crianças do Governo Trump.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Mayflower 2.0: um navio autónomo pilotado por IA está a refazer a viagem do original

Quatro séculos e uma pandemia depois de o Mayflower original ter zarpado do porto de Southampton, numa jornada histórica para a América, outro veículo pioneiro com o mesmo nome partiu para refazer a mesma viagem. O …

Halterofilista neozelandesa será a primeira atleta transgénero a competir nos Jogos Olímpicos

A neozelandesa Laurel Hubbard, de 43 anos, classificou-se para os Jogos Olímpicos de Tóquio na categoria acima de 87kg feminina (super pesadas) do levantamento de peso, tornando-se a primeira atleta transgénero a participar na competição. "Estou …

República Checa 0-1 Inglaterra | Serviços mínimos valem topo

A Inglaterra, que tinha assegurado o apuramento na segunda-feira, garantiu o primeiro lugar do Grupo D do Euro 2020, ao vencer a República Checa por 1-0, com um golo madrugador, no mítico estádio de Wembley. Num …

Croácia 3-1 Escócia | Croatas de trivela rumo aos oitavos

A Croácia, liderada pelos ‘craques’ Luka Modric e Ivan Perisic, qualificou-se hoje para os oitavos de final do Euro2020 de futebol, ao vencer por 3-1 a Escócia, que eliminou, num Grupo D conquistado pela Inglaterra. Os …

Asteroide tem nome de astrofísico português Nuno Peixinho

O astrofísico português Nuno Peixinho dá nome a um asteroide, descoberto em 1998 e que tem pouco mais de 10 quilómetros de diâmetro, anunciou esta segunda-feira o Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), …

"É inaceitável". Ana Mendes Godinho critica situações de trabalho temporário que "duram décadas"

A ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, insistiu esta terça-feira na relevância do combate à precariedade, sinalizando a intenção de restringir o trabalho temporário. "Tem de haver mecanismos mais fortes para combater a segmentação do mercado …

Hitler expulsou os soldados judeus há oito décadas. Agora, um rabino junta-se ao exército alemão

No início da Segunda Guerra Mundial, Hitler expulsou os judeus das Forças Armadas na década de 1930. Agora, Zsolt Balla irá assumir o cargo de rabino-chefe do exército alemão. Mais de 80 anos depois, aquilo que …

Rio critica Governo após "justa indignação" de Merkel

O presidente do PSD acusou esta terça-feira o Governo de estar a fazer Portugal passar “por uma vergonha desnecessária”, considerando que depois da “vexatória desconsideração” do Reino Unido, os portugueses têm que “ouvir a justa …

Amazon acusada de destruir milhões de itens não vendidos todos os anos

A Amazon foi acusada de destruir milhões de itens não vendidos todos os anos, segundo uma investigação da Newsweek, publicada na segunda-feira. "Uma investigação da ITV News num dos centros de distribuição da Amazon no Reino …

Enquanto o mundo lutava contra uma pandemia, a Guiné declarava o fim do segundo surto do Ébola

No passado sábado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou o fim do segundo surto de Ébola na Guiné-Conacri, que vitimou mortalmente 12 pessoas. "Tenho a honra de declarar o fim do Ébola na Guiné", disse …